O mercado de trabalho nunca mais será o mesmo. Quer saber por quê?

18 de junho de 2021 0 min

Tendência é que muitos hábitos adquiridos na pandemia deem origem a novas carreiras profissionais


A pandemia exigiu mudanças de comportamento em vários setores, em particular o do trabalho. Hábitos que vieram para ficar como o uso de álcool gel e distanciamento social, entre outras práticas de prevenção à Covid-19, propiciaram novas relações interpessoais e profissionais. Depois de mais de um ano de pandemia, já é possível observar transformações significativas em diversas áreas da vida. 

Segmentos como o de recursos humanos, que precisou se reinventar, além de otimizar etapas do processo seletivo e lidar com novas demandas dos empregadores, já adotaram as mudanças e sofrem o impacto da pandemia. 

Veja quais as mudanças que vieram para ficar e que têm potencial para dar origem à novas formações profissionais e oportunidades de carreira:


Higienização do ambiente de trabalho

Além do uso intensivo de álcool em gel e da lavagem das mãos, outra preocupação no ambiente de trabalho será com códigos de comportamento, como o aperto de mãos. A tendência é que sejam evitados. As aglomerações também tendem a ser reduzidas. Limitar o número de pessoas numa reunião, reordenar os assentos do escritório e da sala de reuniões, e criar barreiras de proteção entre as mesas são tendência daqui para a frente nas empresas.


Foco na saúde

Além da preocupação com a saúde do ambiente, as empresas também passaram a se preocupar com a saúde dos colaboradores, em particular a mental. Alguns exemplos deste movimento, são a busca por profissionais de RH especialistas em diversidade e um cargo novo nascido fora do país, que atende por CHO - Chief Happiness Officer (Diretor de Felicidade).

Se antes os colaboradores não se interessavam em aderir ao plano de saúde da empresa, a partir da pandemia, aumentou a adesão. Então, a tendência é que todas as empresas, de qualquer tamanho, passem a oferecer os planos como benefício trabalhista para captar os melhores talentos.


Flexibilização

A tendência é que o trabalho home office continue no cenário pós-pandemia. A flexibilidade de horários foi um ponto postitivo que tanto empregado quanto colaborador atestaram e aprovaram no período. Com o trabalho remoto também vieram as evoluções tecnológicas. Tudo bem que as ferramentas e os softwares já existiam antes da pandemia. Mas o que aconteceu foi que muito colaborador aprendeu a usá-los. O trabalho remoto também estabeleceu mais confiança entre as partes, como confiar na execução e cumprimento de prazos de entrega.


Globalização e nomadismo digital

Antes da pandemia, a localização do colaborador era crucial. Hoje, o mercado de trabalho promove troca de bens, serviços e profissionais que atravessam as fronteiras regionais/nacionais. Antes da pandemia, a localização era um fator muito importante nos processos seletivos. Isso mudou radicalmente, porque hoje é possível contratar um programador, ou uma pessoa da área de marketing, mesmo que ela more em outro estado e até mesmo país. Segundo os especialistas, o nomadismo digital é uma excelente oportunidade para que as empresas atraiam, contratem e retenham talentos, onde quer que eles estejam.



Compartilhe