Ensino superior e empregabilidade na pandemia

20 de maio de 2020 0 min

As estatísticas não mentem: investir no ensino superior é algo que certamente vai ajudar a manter o emprego em qualquer crise que você enfrente

Há uma estreita relação entre a educação e a empregabilidade, ou seja, quanto maior o nível de escolaridade, menor a chance do trabalhador ser afetado em períodos de crise no mercado de trabalho, como a que estamos vivendo atualmente devido à pandemia de Covid-19. Levantamos alguns dados provenientes da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional Por Amostras de Domicílios - IBGE) e da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais - Ministério do Trabalho) para demonstrar a evolução das taxas de empregabilidade no Brasil e como o peso da escolaridade afeta na ocupação das pessoas.

No último trimestre de 2019, a taxa de desocupação foi 54% menor entre a população economicamente ativa com ensino superior completo ou seja, que concluíram uma graduação (apenas 5,6%) em relação à taxa de desocupação dos que possuem apenas formação intermediária (ensino fundamental ou médio). 

Considerando a média dos quatro trimestres do ano de 2019, a taxa de desocupação foi de 13,5% para quem tem nível fundamental, 13,3% para quem tem nível médio e 6,1% para quem tem nível superior. Ou seja, a chance de ficar desempregado é 2,20 vezes maior para as pessoas com ensino fundamental em relação às pessoas com ensino superior; e 2,17 vezes maior para as pessoas com ensino médio em relação às pessoas ensino superior.

Os dados da Pnad Contínua também mostram que, apesar de o nível de desemprego no Brasil ter começado a crescer entre os anos 2015 e 2016, o grupo de pessoas com nível superior completo foi o que menos perdeu o emprego. E em tempos de crise, a falta de experiência faz com que os jovens sejam os mais impactados com a redução da oferta de vagas.

Considerando-se apenas a empregabilidade formal, no total, o Brasil possui mais de 47,1 milhões de vínculos empregatícios com carteira assinada, dos quais 22,9% possuem um curso de graduação completo, 49,5% possuem ensino médio completo e 8,2%, ensino fundamental completo. (RAIS 2020)

A projeção para o ano de 2020 antes da pandemia era que número de vínculos empregatícios deveria diminuir 14,7% e 5,3% para as pessoas com ensino fundamental e médio. Já o percentual de queda para quem possui ensino superior completo chegou a apenas 1,3% , mantendo-se praticamente estável em 10,7 milhões de postos de trabalho.

Contudo, as projeções não levaram em consideração os possíveis impactos da MP 936/2020 que, pelo menos durante este período de pandemia de Covid-19, prevê a possibilidade de as empresas reduzirem o salário e a jornada do trabalhador em 25%, 50% ou 70% por um período de até 90 dias, ou até mesmo suspender os contratos pelo prazo de 60 dias. Segundo expectativas do próprio governo, a medida provisória deverá reduzir as demissões, previstas em 12 milhões, para 3,5 milhões.

Quanto ao Ensino Superior Privado, a expectativa em relação ao desemprego de professores e auxiliares administrativos ainda não é possível ser medida, pois depende de algumas variáveis como captação de alunos no próximo semestre, inadimplência e evasão dos alunos atuais.

De maneira geral, por mais que as empresas sejam obrigadas a reduzir custos e cortar vagas de empregos, elas precisam contar com profissionais qualificados como estratégia para enfrentar a crise. O desemprego e a perda de renda infelizmente vão afetar com muito mais intensidade os trabalhadores com menor nível de escolarização. Tudo isso mostra o quanto investir na educação superior é uma excelente alternativa para se manter competitivo neste complexo cenário de crise econômica. Como atestam os dados, a chance de desemprego é quase 50% menor para as pessoas com nível superior completo em relação às pessoas com nível fundamental ou médio completos.

Dessa forma, possuir um curso superior oferece está intimamente ligado à empregabilidade, ainda mais em um país como o Brasil, onde infelizmente a taxa de escolarização líquida da população é bem abaixo da desejada.



Como está o andamento do seu curso superior no UniOpet? 

Quais os seus planos profissionais para quando a graduação e/ou a pandemia de Covid-19 acabarem? Compartilhe seus planos e prognósticos conosco e com seus colegas.


Aproveite nosso vestibular online e agende sua prova: Vestibular e Matrículas UniOpet   

Conheça nossos cursos e inscreva-se: Pós-Graduação UniOpet   

Comentários