O que são ODS?

23 de setembro de 2021 0 min

Empresa sustentável do começo ao fim, agenda reúne 17 práticas e une governo, empresas e sociedade civil num único objetivo


Elaborada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável em setembro de 2015, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são uma agenda mundial composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030.

Com adesão dos 193 países-membros da ONU, os ODS foram criados para engajar governos, setor privado e a sociedade civil por um mundo mais justo e sustentável, considerando que chegamos a um ponto de ruptura global com efeitos socioambientais alarmantes para esta e as futuras gerações.

Com o término do prazo para alcançar os objetivos do milênio, em 2015, uma nova cartilha foi aprovada com a Agenda 2030: os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, que possui metas ainda mais ambiciosas. Iniciativa que fomenta a criação de modelos de negócios com base no ESG para atuação em uma Economia Sustentável.

Para erradicar a pobreza e desigualdade “sem deixar ninguém para trás” — de acordo com a própria ONU, foram pensados 17 objetivos que se desdobram em 169 metas pensadas para que os governos e empresas pudessem planejar, implementar, monitorar e controlar políticas públicas de desenvolvimento, entre elas a erradicação da pobreza, segurança alimentar, agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades, energia, água e saneamento, padrões sustentáveis de produção e de consumo, mudança do clima, cidades sustentáveis, proteção e uso sustentável dos oceanos e dos ecossistemas terrestres, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura, industrialização, entre outros.


O que ESG tem a ver com os ODS?


O documento é uma “Declaração Global de Interdependência”, segundo a ONU. Interdependência comprovada cada vez mais, principalmente no atual cenário de crise mundial sanitária vivida desde 2020, devido à pandemia do coronavírus. 

Atuar em uma economia sustentável requer uma governança corporativa que integre as práticas de ESG baseadas em aspectos ambientais, sociais e empresariais.

O ODS número 8 prevê Trabalho Decente e Crescimento Econômico. Isso, para promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo e o trabalho decente para todos.
Além disso, uma das metas do objetivo diz que é necessário “melhorar progressivamente, até 2030, a eficiência dos recursos globais no consumo e na produção, e empenhar-se para dissociar o crescimento econômico da degradação ambiental, de acordo com o "Plano Decenal de Programas Sobre Produção e Consumo Sustentáveis”, com os países desenvolvidos assumindo a liderança”.
Isso está associado diretamente com a letra E da sigla ESG. Tendo em vista que, no âmbito ambiental, as práticas de ESG visam minimizar os impactos ambientais da cadeia de negócios, determinando parâmetros para emissões de carbono, gestão dos resíduos e rejeitos, uso eficiente de recursos naturais, por exemplo.

Adotar ODS e ESG impacta no crescimento das empresas!

Ao incorporar um modelo de governança mais responsável e alinhado com os ODS e práticas de ESG, as organizações tornam-se mais competitivas, reduzindo gastos e promovendo a melhora da performance do negócio.

A Comissão de Desenvolvimento Sustentável e Empresarial (Business & Sustainable Development Commission 2017) projeta que os ODS podem gerar pelo menos US$ 12 trilhões em economias e receitas para as empresas e cerca de 380 milhões de novos empregos, até 2030.

Assim como os ODS, adotar práticas de ESG, integrando fatores ambientais, sociais e de governança, de maneira estratégica, geram rentabilidade e a sua sustentabilidade a longo prazo, impactando diretamente no sucesso dos negócios.

Cada vez vemos mais mudanças nos modelos de negócio buscando, justamente, se adequarem a uma economia sustentável, contribuindo assim, para alcançar as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Afinal, as organizações têm papel fundamental na construção de um mundo mais justo e sustentável.

Saiba como:

5 Qualidades de liderança para ODS.

1. Intencionalidade
As ações empresariais orientadas para o desenvolvimento sustentável devem ser deliberadas, partindo da alta direção e incorporadas às estratégias de longo prazo e à gestão global do negócio. Ou seja, tem que vir de cima para baixo e ser incorporada por todos.

2. Ambição
A empresa ODS se esforça não apenas pelos resultados relacionados ao negócio, mas, também, para impactar positivamente as pessoas e o planeta.
Orientada para a inovação, vai além das práticas convencionais do entorno, inspirando o mercado a seguir os seus passos.
Busca resultados de curto a longo-prazos para os ODS e não se limita apenas aos inputs e outputs do negócio, focando em iniciativas capazes de contribuir com o progresso social.

3. Consistência
A empresa alinhada com ODS alinha ações ao seu discurso. Publicidade, marketing, relações com governos, todas as suas iniciativas são realizadas de maneira coerente com a sua voz pública e com transparência.

4. Colaboração
Parcerias com empresas, governos, sociedade civil e outras entidades devem ser buscadas para o alcance dos ODS.
Decisões compartilhadas e copropriedade de projetos devem fazer parte da rotina das empresas orientadas para o desenvolvimento sustentável.

5. Responsabilidade
A empresa alinhada com os ODS reconhece a sua responsabilidade pelos impactos adversos que causa, contribui ou influencia. Por isso, possui sistemas de monitoramento de impactos e procedimentos para remediá-los.
As lideranças sustentáveis ouvem o que seus stakeholders têm a dizer e relacionam-se com eles com interesse genuíno, envolvendo-os nos desafios dos ODS.
A empresa líder também age dentro da legalidade e alinha suas ações a normas internacionais, até mesmo quando não há regulação nas localidades em que atua.
Sempre comunica os seus resultados com transparência e sabe em que aspectos precisa melhorar.


ACESSE NOSSO SITE

Compartilhe