ESG: Três letrinhas que estão mudando o mercado

16 de setembro de 2021 0 min

Entenda o conceito de responsabilidade social e ambiental que está mexendo com o jeito de olhar os negócios


Guarde bem essas três letras. Sigla para Enviromental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança, em tradução do inglês), a chamada “agenda ESG” é, atualmente, um dos assuntos mais importantes do setor corporativo. O termo compreende um conjunto de ações que empresas devem tomar sobre meio ambiente, sociedade e governança corporativa para serem consideradas responsáveis e preocupadas com as questões sócio-sustentáveis que permeiam o mundo de hoje.

Segundo um estudo realizado pelo The Boston Consulting Group (BCG), as companhias que têm boas práticas nesses campos apresentam resultados melhores ao longo do tempo. Além disso, o conceito também pode ser critério de escolha dos investidores.

Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), que mapeia fundos de ações sustentáveis e de governança, em junho de 2020 a categoria somava R$ 543,4 milhões; em dezembro, passou para R$ 817,9 milhões e em janeiro ultrapassou o R$ 1 bilhão.

Outro estudo aponta que startups com soluções para as temáticas de ESG receberam US$ 991 milhões em investimentos desde 2011. No Brasil, já são 740 startups com soluções focadas nas temáticas.

A procura pela sigla também bombou no Google. A área de tendências do site registrou que no ano passado o interesse pelo conceito ESG atingiu o ápice de busca dos últimos cinco anos no país, assim como no mundo todo.

No Brasil, o conceito é relativamente novo e o movimento para trazer essa economia social e sustentável está vindo em ondas. Várias corporações têm se tornado menos interessantes para investimento estrangeiro por não atenderem pautas vinculadas ao ESG.

Mas essas empresas já começam a se reestruturar - não porque querem, mas porque estão perdendo fundos de investimentos.

Na área de investimentos, diversos bancos já criaram carteiras direcionadas à excelência em ESG. Nelas, o investidor tem por opção investir em empresas que apresentam de forma clara suas ideias e políticas, a fim de manter uma agenda sólida ligada à sustentabilidade, responsabilidade social e governança corporativa.

A tendência é que o mercado financeiro no Brasil se modifique para atender a pauta do ESG. No momento, a Bolsa de Valores está revendo os seus indicadores a fim de identificar e valorizar as organizações que estejam seguindo uma agenda sustentável.

Se ainda não entrou nessa onda, veja abaixo alguns passos que estão ajudando as empresas a surfar em direção a um mundo corporativo de maior autorresponsabilidade.

1. Autoconhecimento
Para que uma agenda ESG exista e seja consolidada, é o fato de existir um programa muito claro dos objetivos traçados pela empresa. O mercado sofre mudanças o tempo todo e aqueles que desviam o foco toda vez que uma novidade aparece, perdem fôlego e junto, a agenda começa a perder o sentido.

Programa de trabalho específico, definição clara de objetivos onde a empresa deseja chegar, entre outros, devem ficar bem claros.

Mas implantar ESG dentro de uma companhia vai muito além da implantação em si. É preciso mapear, por exemplo, quem é a empresa, quem são os stakeholders e se ela realmente tem na essência o anseio de gerar impacto positivo e fazer a diferença no mundo; como isso pode ser feito e por quem. Isso começa com diretores, CEOs e claro,  com os demais colaboradores

2. Mudança de mentalidade
Uma agenda ESG precisa ter políticas muito alinhadas aos objetivos e, principalmente, ao que se acredita nos bastidores da empresa. E isso deve ficar bem claro.

Caso isso não ocorra, é preciso mudar a mentalidade. Entender que por meio dos negócios é possível impactar de forma positiva, que pensa cada vez mais no bem da cidade, das pessoas, do mundo.

3. Focal point e responsabilidade
Uma empresa que quer ser reconhecida pela sua agenda ESG, necessita ter ao menos um focal point em cada um dos pilares (Ambiental, Social e de Governança). Eles devem ser os agentes orientadores e que acompanharão a evolução dos programas ligados a sua atividade.

Uma agenda positiva em ESG também necessita que tenham pessoas colocando esse fator em pauta o tempo todo, ou então eles cairão em esquecimento ou perderão qualidade.

Um comitê de sustentabilidade, um núcleo que assuma essa responsabilidade, que possa desenhar as metas, gerenciar o desempenho e caminhar junto às demais áreas até que o conceito seja natural dentro da empresa, por exemplo. Trata-se de um processo que requer maturidade para se chegar ao resultado.

Crie um órgão específico para ser o fiscalizador das regras e disseminar a cultura na empresa.

4. Equipe alinhada
Não bastam ações pontuais ou códigos de ética e boas práticas. É preciso ter uma equipe alinhada com o propósito. É preciso um processo para dar pequenos passos, testar, para então dar passos longos e amadurecer.

Pessoas, processos e sistemas de gestão são colunas base para qualquer resultado. Estes três fatores devem ser levados à risca na implementação da agenda ESG e a cautela para que estejam em pleno funcionamento é necessidade básica.

5. Olho no Sistema B
O sistema B é uma certificação que conseguiu traduzir na prática quem são as organizações que seguem o ESG. É indicada como ferramenta que dita caminhos e transmite ideias de geração de impacto. Totalmente confidencial, online e gratuita, ela mostra como operações e o modelo de negócio da empresa afeta os funcionários, a comunidade, o meio ambiente e os clientes, desde a cadeia de suprimentos e materiais de entrada, até doações de caridade e benefícios aos funcionários. Atualmente, são 110 mil empresas utilizando a plataforma e apenas 4 mil certificadas.

6. Grandes e pequenas
Tanto as grandes, quanto as pequenas podem estar inseridas dentro do conceito ESG. Empresas de tamanhos e  focos diferentes têm o mesmo propósito. A diferença de público alvo não impede que todos estejam alinhados em melhorar o mundo.

7. Riscos existem
Os riscos ligados ao ESG existem em qualquer lugar, independentemente do ramo de atuação da sua empresa. Trabalhar para mitigar e eliminar riscos é um conceito base para empresas que querem destacar-se em ESG. Para que seja possível obter o máximo de informações quanto aos riscos e criar planos de ação relevantes, é importante a realização de um brainstorm de grande porte, onde quanto mais pessoas presentes, melhor. Gerar um programa com muitos riscos elencados, ajudará a empresa a minimizar os impactos destes e ainda a criar os planos de ação e prioridade que irão nortear sua atuação. As áreas de governança, Responsabilidade Social e ambiental, são de alta sensibilidade quanto a riscos corporativos, portanto um inventário bem realizado é um investimento para minimizar grandes problemas no futuro e ainda aumentar sua credibilidade perante os acionistas.

8. Resultados
A gestão dos resultados também requer uma atenção especial. É muito comum vermos empresas se destacando em algum dos pilares ESG e pouco tempo depois, nos noticiários, tendo que lidar com escândalos ambientais, sociais ou até mesmo de corrupção.


ACESSO NOSSO SITE

Compartilhe