Cinco razões para uma ação climática já

28 de setembro de 2021 0 min

Grandes empresas globais já adotam medidas para diminuir os riscos climáticos de suas empresas

A mudança do clima já faz parte da pauta de debate das maiores empresas globais. Grande parte já avalia os riscos climáticos e desenvolve mecanismos de gestão voltados para esse risco.

Mas como se dá essa gestão de risco? Do mesmo modo que as empresas manejam outros riscos, como os financeiros, econômicos e políticos, Assim, as medidas preventivas se adaptam ao ambiente, tornando-o mais resiliente.

Também faz parte do pacote mudanças de estratégias, levando em consideração o impacto desses riscos. Fazem parte dessa estratégia a adoção de medidas como a agenda ESG.

Pesquisa revelou recentemente que grandes empresas usam a precificação para o carbono em seus modelos financeiros para avaliar o risco climático.

Por que as empresas estão fazendo isso? Segundo os analistas, porque quando elas examinam o que os cenários de mudança climática mostram como futuro provável  conferem que alguns deles afetariam diretamente sua lucratividade.

Eventos extremos e variabilidade climáticas cada vez mais frequentes são fatores concretos de risco que rompem frequentemente as cadeias produtivas.

Empresas, por exemplo, que dependem de água, já perderam muito com a escassez híbrida em várias regiões, com o aumento e a severidade da seca e com enchentes periódicas cada vez mais violentas.

O risco climático acendeu também uma luz amarela no painel de controle das maiores empresas globais.

Tudo começou com as seguradoras, que já perderam muito com o pagamento de seguros por danos materiais associados a eventos climáticos extremos. Elas começaram a pressionar seus clientes para avaliar riscos climáticos e tomar medidas a respeito.

As empresas que não avaliam seus riscos têm dificuldade em comprar seguros ou devem pagar um prêmio proibitivo.

Depois vieram os investidores que, por sua vez, olham a longo prazo, como os fundos institucionais e os grandes fundos de pensão independentes.

Também ameaçaram retirar de seu portfólio as empresas que não avaliassem adequadamente seu risco climático e não o incorporassem ao seu bottom line, a linha que determina sua taxa de retorno.

Para as empresas, é investir para reduzir os efeitos econômicos e financeiros e aumentar os benefícios decorrentes das mudanças e assim, ficarem mais resilientes, mais competitivas e mais eficientes. E porque não, mais lucrativas!

1) Você não está sozinho

As empresas vêm há muito tempo denunciando os riscos ambientais. No entanto, elas estão apenas começando a entender como um ambiente em mudança pode afetar seus negócios. Agir agora, enquanto ainda não foi diretamente atingido, é uma atitude inteligente. Entender o problema e identificar em que pontos a empresa se torna vulnerável é o primeiro passo para identificar os riscos que se corre e assim, traçar estratégias.

2) Os custos são altos

À medida que aumentam os custos de lidar com os efeitos físicos das mudanças climáticas, eles ameaçam impactar toda a economia – dos consumidores, que podem ver um aumento nos custos de seguro ou até perder suas casas devido eventos extremos, até empresas que dependem de uma volatilidade cada vez maior de mercados.

3) De olho nos riscos e nas ações

Quem gerencia o dinheiro de outras pessoas, como os investidores, têm obrigação legal de considerar os riscos climáticos. Gestores de fundos de investimento têm o dever fiduciário de agir no melhor interesse daqueles cujo dinheiro eles estão administrando. Tradicionalmente, isso significava maximizar o ganho a curto prazo. Mas há um entendimento crescente de que uma ampla gama de fatores que não são facilmente capturados em um balanço patrimonial – como o risco climático – são relevantes para a tomada de decisões de investimento.

Para esse fim, a Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, os Princípios para o Investimento Responsável e a Foundation Generation lançaram um programa para ajudar os investidores a entender como e por que as considerações sobre mudanças climáticas e sustentabilidade devem ser integradas nas decisões de gestão como parte de seus deveres fiduciários.

4) Lei da atração

As pesquisas comprovam que cada vez mais os consumidores optam por produtos e serviços que integram em seu propósito os princípios da sustentabilidade. Ao adotar uma política de mudanças climáticas, sua empresa estará olhando para um futuro sustentável. Essa ação está diretamente relacionada à nova forma de agir dos consumidores e com isso, pode-se agregar valor à marca e conquistar novos mercados.

5) Aqui e agora

Promover uma mudança demanda planejamento e tempo para agir. Olhar para o futuro, perceber as mudanças necessárias e planejar os passos a seguir é uma atitude inteligente. Não deixe para agir de forma responsiva. Seja proativo e planeje a mudança agora.

O alerta do Greenpeace

O Greenpeace diz que falar de mudança climática é falar da vida de cada um de nós. Vai além de discutir sobre um planeta alguns graus mais quente. É também falar sobre a nossa segurança alimentar, sobre o impacto dos desastres naturais na vida de mulheres e meninas, é sobre a preservação dos direitos indígenas e das florestas. O assunto interessa a qualquer pessoa que habita o planeta Terra. Ou seja, você, sua família e suas futuras gerações.

Veja os principais aspectos apontados pela ONG que atua em todo o mundo em defesa da natureza:

1) Falar sobre Mudanças Climáticas é falar de: SAÚDE

A poluição do ar é causada principalmente pela queima dos mesmos combustíveis fósseis que causam as mudanças climáticas. E ar poluído gera muitos problemas respiratórios para todos nós, inclusive elevando a mortalidade devido a doenças cardiovasculares e pulmonares. Além disso, as mudanças no clima podem deixar mais favorável à propagação de doenças transmitidas por vetores e outras doenças infecciosas.

2) Falar sobre Mudanças Climáticas é falar de: ALIMENTAÇÃO

Sabe o seu arroz e feijão do nosso prato? Eles podem ser impactados pelo aumento das temperaturas na Terra. Se chove mais ou menos do que o esperado no campo, a colheita pode sofrer danos e nossa comida ficar mais cara. E a mudança no padrão de chuvas é uma das consequências da emergência climática, que já estamos vendo.

3) Falar sobre Mudanças Climáticas é falar de: GÊNERO E DESIGUALDADE
As mulheres e meninas, principalmente as dos países pobres, serão mais afetadas que as dos países ricos. Isso porque, para muitas famílias são as mulheres que cuidam do trabalho agrícola, administram suas casas e cuidam dos filhos. Em casos de eventos extremos, elas ficam mais vulneráveis, seja pela dificuldade em encontrar alimentos e água, seja porque correm mais risco de sofrer violência.

4) Falar sobre Mudanças Climáticas é falar de:  FLORESTA
No Brasil, o desmatamento da Amazônia é o principal vilão do clima porque a derrubada e queima das árvores libera gases de efeito-estufa. Perder nossas florestas está nos custando um planeta mais quente e onde eventos climáticos (como as secas e inundações) vão ficar cada vez piores.

5) Falar sobre Mudanças Climáticas é falar de:  DIREITOS INDÍGENAS
Os indígenas são importantes protetores do clima no nosso planeta porque são os verdadeiros guardiões das florestas. Nas Terras Indígenas da Amazônia a taxa de desmatamento é baixíssima. Quando mais respeitamos os povos das florestas, mais eles nos ajudam a proteger o clima.


Compartilhe