10 hábitos que permanecerão pós-pandemia

04 de agosto de 2021 0 min

Alguns costumes desenvolvidos durante a pandemia tendem a permanecer quando o mundo do trabalho e dos estudos voltar ao normal


Pesquisa feita pela revista britânica The Economist, intitulada “The World in 2021”, listou as tendências que permanecerão no mundo pós pandemia. O estudo aponta mudanças na educação, saúde, relações pessoais, comerciais e até nas finanças pessoais.

Desde que a pandemia começou, em março de 2020, um novo estilo de vida e comportamento, que no início prometiam ser passageiros, tendem a ser definitivos. Trabalho e estudos no modelo online ou híbrido, preocupação com a saúde mental e física são apenas alguns dos tópicos que prometem permanecer, segundo a The Economist, quando finalmente o mundo voltar ao normal. 


Confira:

Pensar “fora da caixa”
A educação em sala de aula nunca mais será a mesma. O conceito de Learning Experience Design será essencial para escolas, faculdades, universidades, graduação, pós-graduação e educação continuada. O método parte da ideia do aprendizado como processo contínuo e inerente às nossas relações com o mundo, desafiando os alunos a pensarem “fora da caixa”. Logo, como estamos permeados por situações complexas em muitos momentos da vida, apenas um método de aprendizagem que nos tire da zona de conforto pode dar conta. Ou seja, as necessidades de resolução de desafios reais, de exercício de habilidades socioemocionais e de análise que não aprendemos nos livros ou nos modelos mais tradicionais de educação, serão estimulados em sala de aula.


Telemedicina
Hoje, a telemedicina já é uma realidade. Diagnósticos, análises de exames e trocas de mensagens entre os especialistas serão cada vez mais realizados e entregues à distância, apoiando a medicina tradicional. A tendência é que as consultas mais simples sejam realizadas online, evitando o deslocamento do paciente e a superlotação dos serviços de saúde.


Gastos X poupança
Com a diminuição dos salários, as pessoas passam a economizar. A Geração Z, em particular, está de olho nas próprias finanças, poupando, tendência que deve continuar. No entanto, os eletrônicos, produtos que são altamente consumidos por essa geração, continuarão sendo prioridade na lista de consumo.


Casa própria
O isolamento social fez muita gente repensar o lugar em que mora, já que passa muito tempo em casa. E com isso veio a vontade de melhorar o espaço. Como muita gente mora de aluguel, a tendência é que busquem uma moradia para chamar de sua. Ainda mais com as taxas de juros de financiamento relativamente baixas.


E-commerce
Mesmo com as lojas físicas reabrindo e as pessoas visitando shoppings, galerias e lojas de rua, o e-commerce continuará se expandindo depois da pandemia.O e-commerce continuará crescendo e a previsão é que fechará até 50% das lojas físicas. As que permanecerem terão que redesenhar sua experiência de venda e compra. Uma ótima oportunidade para design de serviços e agências.


Clima será prioridade
Há muito tempo a questão climática vem sendo valorizada pelas empresas. E a tendência é que continue. Ao longo das décadas, as mudanças climáticas eram tratadas apenas como questões naturais. Mas agora sabe-se que as mudanças estão sendo provocadas pelos homens e pelas atividades industriais. Uma boa oportunidade de alinhamento de pensamento entre indústria e consumo. As empresas que se preocupam com a natureza serão mais valorizadas.


Fim das fake news?
A tendência é que novos modelos de notícias e informações por assinatura mais transparentes e confiáveis acabem com as chamadas “fake news”. Vários setores da sociedade já vêm se mobilizando nesse sentido, com sites e programas que conferem a veracidade das notícias, além de informações amplamente divulgadas sobre o tema.


Saúde mental
O isolamento social e o perigo eminente de adoecer, mexeu muito com o psicológico do brasileiro. Frente a isso, as empresas, assim como os funcionários, têm valorizado a saúde mental. O plano de saúde em algumas corporações, inclusive, virou moeda de troca na hora da contratação. Os números na pandemia chamam a atenção: em um ano, as vendas de medicamentos antidepressivos tiveram alta de 17%, segundo  levantamento do Conselho Federal de Farmácia (CFC) e os diagnósticos de ansiedade e de depressão subiram entre 80% e 90%, segundo estudos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e do Hospital das Clínicas de São Paulo. Por outro lado, a busca por saúde mental aumentou em 70%, segundo o Conselho Federal de Psicologia.


Trabalho remoto
Definitivamente, o home office veio para ficar! Mas não da forma como é praticado hoje. O ser humano precisa de interação, então o modelo que deve ser seguido é o híbrido. O escritório pós pandemia deve ser completamente diferente do antes da pandemia. Espaços mais divertidos para os funcionários se reunirem e terem  maior interação.


Turismo X Entretenimento
O turismo de entretenimento voltará fortalecido, sempre acompanhado de muita tecnologia, desde a compra e operação até as experiências. Flexibilidade para todo o processo de compra, pagamento e cancelamento também devem ser reforçados. Quanto às viagens, as pessoas vão valorizar a natureza e experiências reais mais do que nunca.


Mercado global
No mercado de trabalho, as distâncias vão desaparecer. Não haverá diferença entre contratar colaboradores locais ou estrangeiros. Buscar mão de obra qualificada fora, em setores carentes de trabalhadores locais, é uma possibilidade cada vez mais atraente para as organizações. Será uma obrigação às empresas e recursos humanos aprender como atrair, contratar e reter esses talentos internacionais.


ACESSE NOSSO SITE

Compartilhe