Pós pandemia: Como recuperar o ensino?

11 de abril de 2022 0 min

Dados revelam que 8,4% dos alunos entre 6 e 34 anos abandonaram os estudos em 2020

Desde que começou a pandemia, foram percebidas profundas disrupções no ensino, assim como uma enorme defasagem no aprendizado. Pesquisa do Datafolha aponta que 8,4% dos alunos entre 6 e 34 anos abandonaram os estudos no primeiro ano de pandemia.

Baseados nesses dados, Peterson Theodorovicz, diretor da D2L e Jucimara Roesler, consultora da Hoper Educação, apontaram algumas soluções para que as instituições de ensino e alunos possam recuperar a defasagem no aprendizado, causado pela pandemia.

“No mundo de hoje, jovens e adultos precisam aprender sobre assuntos variados e de forma rápida e flexível. A unidade de medida de escolarização não pode ser o tempo diante do professor, mas a aprendizagem”, acredita Theodorovicz.

“Portanto, chegou o momento em que as escolas e universidades vão ter que flexibilizar suas ofertas, deixar alunos aprenderem no seu ritmo, oferecer mais oportunidades de aprender o que lhes interessa, mesmo que não seja igual para todo mundo”, acrescenta.

A pandemia da covid-19 também revelou desafios do setor educacional relacionados à atualização das práticas de ensino e associação das metodologias com as demandas de mercado e da sociedade informacional.

Sabemos que 90% dos alunos tiveram as suas aulas presenciais pausadas desde o começo da pandemia, em março de 2020, segundo a Unesco.

Muitas instituições de ensino básico e superior se adequaram com facilidade ao ensino online, porém, essa não é a realidade de todos.

Crianças, jovens e adultos tiveram dificuldades para se adaptar ao universo virtual por diferentes motivos, como falta de infraestrutura tecnológica da instituição e ausência de equipamentos e espaços adequados para assistir às aulas.

Neste sentido, acelerar as iniciativas de equidade e valorizar a universidade do futuro com a inclusão de tecnologias educacionais é uma oportunidade para que instituições possam explorar, de forma mais acertada, os novos potenciais do processo de ensino permeados pela personalização e soluções digitais, resolvendo os déficits educacionais e minimizando as desigualdades.

“Dessa forma, a EBC aliada ao uso eficiente da tecnologia educacional pode gerar maior mobilidade, engajamento e personalização, além de poder fornecer indicadores de desempenho”, conclui o diretor da D2L.

Alerta da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) destacou que mais de 1,3 bilhão de alunos no mundo foram impactados com as medidas de fechamento de escolas e universidades em todos os níveis de ensino para frear a transmissão do coronavírus. O número equivale a quase 80% da população de estudantes em todo o mundo.

Estratégias 

1. Equidade educacional, na qual se garante que todos os estudantes tenham acesso aos meios digitais;

2. Pensar como “universidade do futuro”, adequando a educação superior às novas demandas e aos perfis das novas gerações, de forma personalizada e, por fim:

3. Fazer bom uso de tecnologia educacional, que agregam outras habilidades e ajudam a acompanhar a evolução de cada aluno, além de viabilizar outros métodos de ensino, sobretudo no híbrido e remoto.

4. Gestores de instituições de ensino deveriam considerar a adoção de novas metodologias de ensino focadas na personalização. Por isso a educação baseada em competências (EBC), têm se mostrado bastante eficiente nesse processo, visto que o estudante pode avançar no conteúdo e retê-lo em seu próprio ritmo.

5. Cabe às instituições com seriedade analisar seus diagnósticos, propor soluções e planos de recuperação pedagógico nessa retomada que já se faz gradual e parcialmente em grande parte das instituições, além da união de gestores, educadores e entidades representativas.

6. Não existe fórmula mágica. Cada região teve sua peculiaridade de enfrentamento para coibir a transmissão do novo coronavírus. As instituições comprometidas com a qualidade mantiveram seu corpo docente, adquiriram tecnologias para enfrentar o momento pandêmico com os diversos recursos tecnológicos, junto com currículo que já existia nas IES na presencialidade e que agora tem a oportunidade de agregar essas práticas, de aglutinar o que houve de mais rico nessa experiência, não para substituir, mas para agregar e potencializar o aprendizado.

7. Outro ponto que merece atenção é a ressignificação e o incentivo ao estudo, buscando reduzir a evasão e trazer de volta os universitários que enfrentaram barreiras para continuar estudando. 

8. É imprescindível também motivar os estudantes na construção de habilidades e do projeto de vida para que sejam protagonistas de sua trajetória profissional e pessoal.

E nunca deixando de lado a premissa do professor como agregador nesse processo de aprendizagem, pois nada substitui a presença do docente neste ambiente.


Compartilhe