Mês LGBTQIA+: inclusão é a palavra de ordem

29 de junho de 2022 4 min

Pela primeira vez o IBGE divulga dados sobre a autodeclarada orientação sexual dos brasileiros.


Agora em junho, mês do Orgulho LGBTQIA+, levantamento inédito divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que 2,9 milhões de pessoas se auto identificam como homossexuais ou bissexuais no país.  
E qual a importância de conhecermos esses números?  

Não há dúvidas de que as pessoas se fortalecem em suas lutas quando se reconhecem como grupo social. Informação é uma das armas mais fortes para as pessoas exercerem sua cidadania, lutando pelas causas que lhes protegem e promovem. 

Esta é a primeira vez que o instituto divulga dados sobre orientação sexual. A divulgação ocorreu após o órgão ter sido acionado na Justiça pelo Ministério Público Federal. O MPF questionou o fato de o Censo Demográfico de 2022 não ter incluído perguntas sobre a população LGBTQIA+. 

De acordo com o IBGE, o questionário foi aplicado em cerca de 108 mil domicílios no Brasil, mas representa a totalidade da população. A amostra corresponde a, aproximadamente, 0,07% das pessoas com 18 anos ou mais de idade, estimada, em 2019, em 159,2 milhões. 

Os dados são de 2019 e foram coletados por meio da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). 

O detalhamento das informações apontou que: 

• 94,8% da população brasileira adulta se autoidentifica como heterossexual; 

• É maior a proporção de homens (1,4%) que de mulheres (0,9%) autodeclarados homossexuais; 

• Já as mulheres têm maior proporção (0,8%) que os homens (0,5%) entre os bissexuais; 

• A autoidentificação homossexual ou bissexual é maior entre quem tem nível superior (3,2%) e maior renda (3,5%); 

• Proporção das respostas "não sabe" ou "recusou-se a responder" foi maior entre aqueles com menor nível de instrução; 

• É ligeiramente menor a proporção de homossexuais e bissexuais entre os brancos (1,8%) que entre os pretos (1,9%) e pardos (1,9%); 

• O grupo de 18 e 29 anos apresenta a maior proporção de autodeclarados homossexuais ou bissexuais (4,8%) 

• A faixa etária mais jovem também soma a maior proporção de pessoas que não souberam ou não quiseram responder (5,3%) à questão. 

• Os dados são compatíveis com os de países que fizeram pesquisa com metodologia semelhante. 

A origem de tudo 

Afinal, por que junho é considerado o “Mês do Orgulho Gay”? Tudo começou em 28 junho de 1969, em Nova Iorque, quando policiais fizeram uma batida ao bar Stonewall Inn, agrediram e detiveram pessoas que estavam no local. 

O Stonewall Inn era um dos mais conhecidos bares LGBTs de Nova York. Sem licença para a venda de bebida alcoólica e uma série de outras regulamentações, como não ter saída de emergência, o local funcionava à base de propina. 

Contudo, naquela época várias batidas policiais estavam sendo feitas para controlar quem podia vender álcool. Na madrugada daquele dia, a polícia resolveu fazer mais uma batida no bar. 

Era a terceira vez em um espaço curto de tempo que policiais faziam essa ação em bares daquela área. Funcionários e alguns frequentadores foram agredidos e presos. 

No caminho para as viaturas, os policiais usaram mais violência para fazê-los entrarem nos veículos. Nesse momento, uma multidão fora do bar começou a jogar objetos nos policiais. 

Os policiais entraram no bar para se protegerem e um dos manifestantes chegou a gerar um princípio de incêndio no local. 

Os policiais usaram uma mangueira para conter as chamas e a multidão. Depois disso, uma parte da população LGBT, que até então tinha receio de se expor, foi às ruas protestar nas proximidades do Stonewall, o que durou dias. 

Meses depois, surgiram as primeiras organizações do movimento de liberação LGBT nos Estados Unidos. Desde então, no mês de junho e, especialmente, no dia 28, comemora-se o orgulho LGBTQIA+ em muitos lugares do mundo. 

A luta pelo reconhecimento do direito à diversidade sexual se estendeu para quase todas as instâncias da sociedade, inclusive na área educacional. 

O que faz uma instituição de ensino ser “LGBTQIA+ friendly”? 

• Políticas de inclusão; 
• Apoio e comprometimento institucional; 
• Vida acadêmica; 
• Vida estudantil; 
• Residências estudantis; 
• Segurança do campus; 
• Aconselhamento e saúde; e 
• Recrutamento e esforços de retenção. 

Conheça mais dados levantados pelo IBGE: 

Este contingente corresponde a 1,8% da população com 18 anos ou mais, proporção menor que a da parcela de pessoas que não souberam ou não quiseram responder (3,4%) à pesquisa. 

De acordo com o IBGE, a população de homossexuais ou bissexuais é maior entre os que têm nível superior (3,2%), maior renda (3,5%) e idade entre 18 e 29 anos (4,8%). Em relação às regiões, o Sudeste registra o maior percentual, 2,1%, enquanto o Nordeste tem a menor, 1,5%.  

Consideradas apenas as mulheres brasileiras, 0,9% declaram-se lésbicas e 0,8%, bissexuais. Considerados apenas os homens, 1,4% declaram-se gays e 0,5%, bissexuais.  

Tanto entre homens quanto entre mulheres, 1,1% disseram não saber e 2,3% recusaram-se a responder. A maioria, em ambos os grupos, declara-se heterossexual. 

Na Região Sul, o Paraná é o estado com mais pessoas que se auto identificam como homossexuais ou bissexuais com índice de 2%, superando Rio Grande do Sul (1,9%) e Santa Catarina (1,7%). 

Nas capitais o percentual de pessoas declaradas homossexual ou bissexual foi de 2,8%, acima da média nacional (1,8%), destacando-se Porto Alegre (5,1%), Natal (4,0%) e Macapá (3,9%). Curitiba aparece na pesquisa com índice 0,8%.  

Os dados, coletados em 2019, mostram que 94,8% da população adulta, o que equivale a 150,8 milhões de pessoas, identificam-se como heterossexuais, ou seja, têm atração sexual ou afetiva por pessoas do sexo oposto; 1,2%, ou 1,8 milhão, declaram-se homossexual, tem atração por pessoas do mesmo sexo ou gênero; e, 0,7%, ou 1,1 milhão, declara-se bissexual, tem atração por mais de um gênero ou sexo binário. 

A pesquisa mostra ainda que 1,1% da população, o que equivale a 1,7 milhão de pessoas, disse não saber responder à questão e 2,3%, ou 3,6 milhões, recusaram-se a responder. Uma minoria, 0,1%, ou 100 mil, disse se identificar com outras orientações.  

Segundo o IBGE, quando perguntadas sobre ojutras orientações, a maioria respondeu se identificar como pansexual – pessoa cujo gênero e sexo não são fatores determinantes na atração; ou assexual – pessoa que não sente atração sexual. 

Compartilhe