Surpreenda-se com os 6 motivos do aumento do desemprego no Brasil e saiba como não ficar sem emprego

25 de setembro de 2020 0 min

Vamos contar por que o país está atravessando essa crise e  dar algumas dicas para que você possa driblar a crise brasileira de desemprego   

Há tempos, os grandes noticiários nos informam sobre o número de pessoas se debatendo com a falta de emprego no país. A realidade é difícil para muitos, e, por mais que seja um assunto bastante desconfortável é muito importante entender as razões de cada acontecimento. 

Por isso, é mais que recomendado você saber as principais causas do desemprego. O nosso país oscila quando o assunto são os números de desempregados. Desde 2014 esse número segue instável e foi justamente neste período que teve início uma crise política-econômica no Brasil. 

Nesse início os desempregados chegavam a 6,7 milhões de pessoas. Em 2018 a quantia praticamente dobrou, chegando a 12,8 milhões. Mas foi agora, em 2020, com a pandemia do coronavírus, que  a taxa, que pouco antes disso tinha diminuído, voltou a crescer muito. 

Em dados de junho, ficou em 11,8 milhões  

Fique por dentro das principais causas do desemprego e saiba o que fazer para driblar esse cenário!  

Crises internacionais 

Por consequência da globalização, crises em outros países afetam nossos mercados diretamente. A alta dólar, quedas na bolsa de valores ao redor do globo, desvalorização de ações e empresas. Tudo pode alterar este cenário. Como as relações são de interdependência, é comum haver diminuição dos produtos que o Brasil exporta. Por consequência, entra menos dinheiro aqui. 

Da mesma forma, o valor dos artigos importados aumenta, o que dificulta ao Brasil continuar comprando na mesma quantidade.  

Cenário político instável  

Escândalos de corrupção, troca de presidentes, eleições ultra polarizadas. Parece que muitos países também estão passando pela mesma situação que o Brasil. Os EUA são um bom exemplo. Esses fatos ocasionam um descrédito no país, fazendo com que investimentos estrangeiros na economia diminuam. 

Como resultados, o mercado desaquece e as empresas se veem obrigadas a conter custos. Assim, tendem a diminuir o quadro de colaboradores, o que leva outros tantos a ficarem sem emprego. Aí começa aquele ciclo vicioso em que organizações procuram cada vez mais reter os gastos e, para não precisar contratar mais gente, fazem com que os trabalhadores atuantes acumulem várias funções.  

Aumento da população economicamente ativa  

Outra causa do desemprego é o aumento da população que chega ao mercado de trabalho. A concorrência cresce, e a tendência é de que os mais jovens substituam os mais velhos. Além disso, quando a disputa é grande, o nível de exigência do cargo se intensifica, fazendo com que apenas os mais preparados e com melhores currículos tenham uma oportunidade. 

De qualquer forma, o fato leva ao aumento de pessoas desocupadas, principalmente as com baixa capacitação.  

Automatização da mão de obra  

Desde a Primeira Revolução Industrial, em 1760, as máquinas são causas do desemprego. Já estamos na chamada Quarta Revolução Industrial, o que significa que a tecnologia só avança: a inteligência artificial se desenvolve, os serviços se automatizam, as indústrias se modernizam e a mão de obra diminui. Essa automatização não se encontra apenas dentro de grandes fábricas. 

O agronegócio e o setor de vendas, por exemplo, vêm investindo em tecnologias capazes de proporcionar mais produtividade e lucro.  

Crescimento de trabalhos informais  

Por um lado, trabalhos domésticos sem carteira e trabalhos “por conta própria” (sem CNPJ) têm sido a salvação de muitas famílias. Por outro, isso contribui para o aumento da desigualdade, já que a informalidade não permite muitos dos direitos CLT (como férias e salário mínimo). Consequentemente, a pessoa se obriga a trabalhar além da conta, sem descanso e por uma remuneração baixa. Até março de 2020, os informais representavam mais de 40% dos trabalhadores ocupados no país. 

Em 11 estados, isso chega a alcançar mais de 50% dos ativos.  

Falta de qualificação  

Esse talvez é o motivo que todos podemos tentar evitar com alguma dedicação e esforço pessoal. A relação entre escolaridade e desemprego é inversamente proporcional. Ou seja, quanto menor a qualificação, mais alta a taxa de desemprego. Isso significa que investir em um diploma é essencial para ser um forte concorrente no mercado e alcançar profissões e salários melhores. 

Por isso é importante seguir estudando e se qualificando sempre  para construir uma carreira sólida e com boas oportunidades. Escolha bem o curso que vai fazer, analise o mercado de trabalho dele antes de se decidir. Optar por uma instituição de ensino renomada e aqui é difícil não puxar a “sardinha para o nosso lado”. 

No UniOpet ensino de qualidade e corpo docente com excelência é princípio importante. Além disso, temos aqui a super moderna agência de empregabilidade que conecta os alunos às oportunidades de estágio e emprego efetivo. Além de orientar na confecção dos currículos, em como se comportar nas entrevistas e tantas outras funcionalidades. Só neste ano o Opet Placement conectou com sucesso quase 400 alunos a vagas de empresas parceiras.   

Como você viu, existem diversas causas do desemprego. Ainda que não possamos intervir na maioria, temos grande influência na principal: a falta de qualificação. Assim, nossa dica é iniciar por uma boa graduação e não parar os estudos depois dela. Isso garantirá a você mais valor competitivo. 





Por


Comentários