Quais as diferenças entre Criatividade e Inovação e como faço para estimulá-las?

23 de novembro de 2020 0 min

Embora esses dois termos, criatividade e inovação, sejam bem diferentes entre si ainda podem - e devem - ser aliados na busca de bons resultados  

Como ser uma pessoa mais criativa e inovadora e como encontrar as melhores soluções em um trabalho que necessito entregar/apresentar? Serve para todas as profissões, desde as ditas - criativas - como publicidade, design, jornalistas, criadores de conteúdo para a internet até as famosas profissões voltadas às ciências exatas. 

Todo profissional precisa ser um criativo e um inovador, não se engane.  

Primeiro vamos conhecer direitinho a diferença entre CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO:   

A principal diferença entre ambos termos é o foco, o objetivo de cada um deles. A criatividade é a habilidade que uma pessoa tem de sempre ter novas ideias, de  desenvolver algo novo. Um criativo pode pensar em coisas sem nenhuma  relação com a tendência do mundo naquele instante, pode criar soluções inusitadas. 

Uns são mais criativos que os outros, mas isso não quer dizer que esta característica não possa ser diariamente estimulada. Já falamos disto NESTE TEXTO AQUI. Ou seja, engana-se quem pensa que um criativo tem um temperamento ou personalidade específicos. É importante estar sempre em contato com as artes, lendo, ouvindo música e outras dicas sobre as quais falamos em artigo anterior. 

Um criativo sempre tem um “pezinho” nas artes.

Já um inovador está mais focado no processo de criação de soluções que impactam o momento e o local onde vivem. Para eles não basta só a ideia criativa ela precisa ser útil, única, surpreendente e servir a um futuro melhor. A medicina, por exemplo, é uma das principais áreas que trabalha constantemente com inovação. 

Vemos que os produtos e serviços da área contam com atualizações frequentes, afinal elas são desenvolvidas com a intenção de serem para sempre melhores.  

No entanto, é importante entender que uma ideia inovadora não precisa estar relacionada apenas a tecnologia, ou à ciência. Uma indústria que enfrenta uma grande crise financeira, por exemplo, pode ter um inovador na área financeira, comercial ou de contabilidade que através de uma ideia criativa pode desenvolver algo extremamente inovador que impactará positivamente nas contas da empresa. 

Esse legado ficará para sempre, pois os próximos colegas de trabalho que seguirem poderão sempre aprender (e aprimorar) com a solução encontrada.  

Bom, agora você já sabe a diferença entre criatividade e inovação. Em resumo, um é o que pensa e o outro é o que age já com foco no grande resultado de sua ideia. O que falta? Desenvolver cada uma dessas características.   

Como ser  um criativo?  

Já conversamos sobre isto por aqui. Mas vamos retomar: É possível se educar para ser mais criativo, considerando que o nosso cérebro, como um todo, pode ser exercitado. Assim como podemos pensar mais rápido quando exercitamos a nossa mente de certas formas, ou aprender a pensar mais logicamente, a criatividade pode crescer de dentro para fora. 

Determinadas atividades, cursos e hábitos existem para estimular a criatividade e canalizá-la para pensar de forma mais dinâmica e interessante. Para quem está à frente de empresas e equipes, fica o desafio de despertar a criatividade para formar e desenvolver profissionais mais inclinados à inovação.  

Como ser um inovador?   

A inovação deve nascer como uma ideia dentro de cada empresa e ser trabalhada como um objetivo que trará o verdadeiro sucesso para empresa – enquanto oferece valor real e perceptível para consumidores e a sociedade. Para inovar, basta que gestores e empresas se capacitem nessa missão. 

Primeiro, com o reconhecimento da inovação como uma necessidade real. Em seguida, com um planejamento de ações que deve ser transformado em resultados palpáveis e de valor para seu público. Aliando tudo isso à forma de pensar criativamente, será possível empreender de forma mais produtiva e inovadora. 




 

Compartilhe