Profissão: mãe, inclusive no currículo

01 de julho de 2021 0 min

Linkedln e Lattes atendem pedido antigo das mulheres e abrem espaço para adicionar período de afastamento 


A maternidade entrou oficialmente para os currículos. E você sabia que isso é um grande avanço para as trabalhadoras?

Duas das principais plataformas de currículos - o Linkedln e o Lattes - finalmente atenderam ao pedido das mulheres e mães profissionais e a partir de agora já é possível acrescentar o período de afastamento dedicado à família nos perfis profissionais. 

A decisão foi tomada devido à pandemia, que trouxe como consequência a perda de empregos de muitas colaboradoras, que precisaram deixar suas funções para cuidar dos filhos em casa neste período.

O pedido para as mudanças profissionais contempladas nas plataformas é antigo, mas a resposta vem em um momento especialmente difícil para as mulheres trabalhadoras. A pandemia da covid-19 obrigou muitas profissionais a deixar o emprego. 

Outras foram demitidas em decorrência do fechamento dos estabelecimentos comerciais em que atuavam, e as que se mantiveram no mercado de trabalho formal sofrem com a queda de desempenho.

Com a crise, a taxa de desemprego entre as mulheres subiu 3,3 pontos percentuais entre o último trimestre de 2019 e o mesmo período de 2020, para 16,4% da força de trabalho, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Em comparação, a dos homens cresceu 2,7 pontos percentuais, para 11,9%.


Desvantagem

A mudança nas plataformas é necessária porque sem o aviso de que se afastaram do emprego por determinado tempo para cuidar de casa, dos filhos ou dos parentes idosos, o currículo das mulheres fica com intervalos não preenchidos que podem prejudicar a carreira.

No caso de uma pesquisadora, o comparativo da quantidade da sua produção com a de um cientista homem no período em que ela tirou uma licença-maternidade pode ser desfavorável para a mulher, deixando-a em segundo lugar na disputa por uma bolsa de estudos ou por uma vaga de docente em uma universidade, por exemplo.


Como alterar

  • No Lattes

O Currículo Lattes adicionou a sua plataforma uma nova funcionalidade chamada “licenças”. Neste campo, as mães cientistas podem inserir seus períodos de licença maternidade. Essa já era uma solicitação antiga, já que as pesquisadoras eram questionadas sobre o período sem publicações. A plataforma Lattes abriga atualmente sete milhões de currículos, sendo metade de mulheres.


  • No Linkedln

Já o LinkedIn abriu a opção “dona de casa”, no campo das profissões. O LinkedIn tem cerca de 740 milhões de usuários no mundo, sendo 47 milhões no Brasil.


acesse nosso site vestibular



Compartilhe