Espremidas pela pandemia entre a carreira e a família, mulheres perdem espaço no mundo do trabalho

08 de março de 2021 0 min

Basta olhar à nossa volta, prestar atenção aos relatos familiares, às conversas com as amigas, aos depoimentos em reportagens na tv. Não é difícil perceber um fenômeno que vários estudos e pesquisas mundo afora começam a apontar: as mulheres trabalhadoras estão perdendo espaço no mundo profissional, de forma expressiva, nessa pandemia da Covid-19.  

O Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e a ONU Mulheres descobriram que a maioria das nações não conseguiu proteger mulheres e meninas das consequências econômicas e sociais negativas da pandemia Covid-19. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) avisa que parte do “progresso modesto” que foi feito na igualdade de gênero em todo o mundo desaparecerá devido à pandemia.  

Os dados podem ser vistos de forma detalhada em pesquisa realizada pela Catalyst, organização sem fins lucrativos global que trabalha com alguns dos CEOs e empresas líderes mais poderosos do mundo para construir locais de trabalho que funcionem para mulheres. 

No Brasil, temos claramente um retrocesso em uma frente de luta que demandou muito, mas muito esforço feminino nos últimos anos. Vínhamos avançando, a passos ainda curtos, mas firmes, em participação no mercado de trabalho, no empreendedorismo e também em funções de liderança.  

Alguns números sustentam essa percepção sobre nossas conquistas: temos hoje, segundo o IBGE,  9,3 milhões de mulheres à frente de negócios, na maioria de pequeno porte e ligados ao mercado da estética e saúde, o que inclui salões de beleza. Dessas, 44% empreendem por necessidade e 45% são a principal fonte de renda para sua família.  

Havia um caminho sendo trilhado de aumento da equidade de gênero. Em 2019, as mulheres abriram 25% das empresas no país, enquanto em 2016 esse número foi de 18%. Os dados são da startup Contabilizei, especializada em serviços online de contabilidade. 

Mas veio a pandemia para nos mostrar que a liderança feminina ainda é muito sensível às oscilações do mercado.  

E há uma razão principal para isso: o papel social da mulher não mudou. Apesar de ser provedora em grande parte dos lares, a mulher ainda é a pessoa que cuida da família. E muitas tiveram que abraçar essa tarefa de maneira ainda mais intensa, tentando equilibrar rotinas de trabalho com o atendimento e a educação dos filhos. 

Com as salas de casa transformadas em salas de aula, mulheres com filhos agora gastam em média 65 horas por semana com tarefas não remuneradas - quase um terço a mais do que os pais - de acordo com o Boston Consulting Group, que questionou famílias em cinco países.  

O resultado não é apenas o aumento do stress que o isolamento provoca. Mas concretamente a perda de produtividade nas atividades profissionais, o que  pode comprometer o desempenho nas corporações e principalmente nas funções de liderança.  

Muitas mulheres têm pedido redução de jornada e até mesmo o desligamento de seus empregos. Esse comportamento se reflete não apenas na vida pessoal, dentro de cada lar, mas também na sociedade. Alcançar a igualdade de gênero até 2030 é uma das metas globais adotadas pelas Nações Unidas em 2015 para combater males sociais como pobreza e conflitos. 

A humanidade está travando há um ano uma de suas guerras mais cruéis e inusitadas. Cruel por seu incrível potencial de causar sofrimento, morte, desagregação social e econômica. E inusitada por não ter poupado nenhuma nação, pobre ou rica, acima ou abaixo do Equador. 

Mas não podemos esquecer que dentro dessa guerra há batalhas específicas, frentes de luta que não podem ficar para trás. E uma delas é certamente a inadiável questão da equidade de gênero, que não pode absolutamente ser uma data no calendário, marcada em cor de rosa no dia 8 de março de cada ano.  



A professora Adriana Karam, presidente do Grupo Opet e reitora do Centro Universitário UniOpet, é pesquisadora e implementadora de inovação na educação 


Compartilhe