Por que as mulheres não procuram tanto as ciências exatas?

04 de dezembro de 2020 0 min

De acordo com o INEP, órgão que anualmente realiza um censo universitário no Brasil, as mulheres são minoria nos cursos de Ciências Exatas e, no caso das engenharias, estão ainda em menor número. Por que isto ocorre?   

Você sabia que,  de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, em censo universitário realizado em 2018, a grande maioria dos universitários no Brasil (quase 59% dos estudantes) são mulheres? No entanto quando se diz respeito à participação feminina em cursos das ciências Exatas a participação feminina nesses casos cai bastante, para 41%.  

Em cursos da área de engenharia, por exemplo, o valor é ainda menor sendo 70,7% homens e apenas 29,3% mulheres. E, ainda mais, por exemplo no curso de engenharia mecânica, só 10% das vagas são preenchidas pelo sexo feminino. No UniOpet este panorama não é muito diferente, nas engenharias 74% dos alunos são homens e apenas pouco mais de 25% são do sexo feminino. 

Muito embora a instituição não concorde e não colabore para que exista esta diferença, embora ao longo dos anos esteja diminuindo, não é possível dizer que ela não existe.  

E qual seria o motivo deste fenômeno ocorrer?   

De acordo com a socióloga política e Acadêmica Elisa Reis – doutora em Ciência Política pelo Massachusetts Institute of Technology, professora titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ) e membro da Academia Mundial de Ciências (TWAS) em entrevista para a Academia Brasileira de Ciências a resposta para esta questão está nos processos e mecanismos de socialização, que “fazem tanta gente ainda acreditar que existem características intrínsecas e divisões naturais de funções na sociedade, reservando a homens e mulheres distintos caminhos para aprender e conhecer”

Para Reis, a escolha da carreira se deve muito mais a cultura apreendida durante a infância e adolescência do que a um fator biológico. A Acadêmica alerta para os padrões de socialização no interior das famílias, nas escolas, nos meios de comunicação e em outros nichos de difusão de valores, que se prestam a recriação de mitos e preconceitos sobre habilidades e vocações diferentes para homens e mulheres. 

Ou seja, o machismo já intrínseco em nosso cotidiano no Brasil, acaba por tentar convencer as meninas que elas não foram “feitas” para essas profissões. Um exemplo bem simples desse panorama são os brinquedos discriminados por gênero onde sempre fica mais ligado ao sexo masculino as brincadeiras relacionadas à tecnologia.   

Talentos da Nossa Engenharia  

A aluna UniOpet, Heloise Romi dos Santos está no 10º período do curso de Engenharia de Produção. Muito recentemente ela teve um artigo seu e de outro colega de curso selecionado para participar de um grande congresso Nacional de Engenharia de Produção (falamos sobre este assunto neste TEXTO AQUI).  

Embora neste curso, em específico, a diferença seja um pouco menor entre mulheres e homens, ela sentiu o impacto da escolha por esta área de atuação quando decidiu pelo curso. 

"Lá no primeiro período, senti essa diferença de estar em menor número, sim. Eu sempre fui tímida, então a socialização era ainda mais difícil com os demais, tínhamos um grupo de 5 meninas, que sempre se ajudavam. Já os homens, costumam ser um pouco mais competitivos e é preciso ter um pouco desse perfil para conquistar um bom relacionamento", explica a aluna. 

Para a Heloise o que a auxiliou a seguir em frente foi ver que na IES haviam professoras do sexo feminino, este era um impulso para que ela pudesse se ver no futuro, como uma profissional de sucesso. Mas ela conta que não foram tudo flores, até mesmo as professoras foram subjugadas em seu potencial apenas por serem do sexo feminino. 

"Eu entendia no início, o quanto seria difícil para mim, enquanto mulher, cursar uma engenharia. Ter professoras lá fez a diferença. Porém, quando a professora saía da sala, ouvia comentários machistas de alguns alunos desconfiando da capacidade delas. Mas com o decorrer do tempo todas demonstravam que eram capazes e adquiriam o respeito de todos", conta Heloise. 

Uma dessas professoras sobre as quais Heloise relata é a Engenheira de Produção Fernanda Medeiros, que também é a orientadora do Trabalho de Conclusão de Curso da aluna. Professora do UniOpet há quase um ano, ela é um bom exemplo de identificação para suas alunas que desejam seguir esta carreira. Formada pela UFPR, tem mestrado e cursa hoje um doutorado na área. 

A docente acredita que existe, em nossa sociedade, uma visão distorcida de que engenharias, por exemplo, são profissões masculinas. Sobre isto ela explica: 

Por algum motivo, existe a concepção equivocada que a área de exatas é uma área masculina e, portanto, fora da consideração de muitas meninas. É preciso reforçar que padrões de gênero não são ligados a escolhas profissionais quaisquer que sejam 

No entanto, a professora é otimista e acredita que, em um futuro próximo, através de muito diálogo e informação estes números podem chegar a um equilíbrio saudável. 

Para diminuir essa disparidade uma estratégia pode ser a realização de palestras, seminários e eventos com a presença de engenheiras e outras profissionais da área de exatas favorecendo o engajamento feminino desde os níveis fundamental e médio.  A situação atual dos cursos ainda é de predominância masculina embora já seja possível perceber o aumento da participação feminina. Tenho certeza que em pouco tempo alcançaremos um equilíbrio, conclui Fernanda.  

Conclusões  

Mas por que as mulheres precisam sempre se provar duplamente capazes  em suas profissões apenas pelo gênero? Embora esta realidade esteja em franca desconstrução, tendo em vista que o assunto é cada vez mais debatido em todo o mundo, ainda estamos nos passos iniciais no Brasil.  

A boa notícia é que algumas Organizações não Governamentais estão atentas a necessidade de alimentar sonhos de meninas a seguirem estas carreiras, caso seja de sua vontade. Essa iniciativa se apresenta como alternativas aos ambientes que reforçam escolhas de carreira baseadas nos estereótipos de gênero. 

Algumas universidades, institutos científicos e ONGs tem oferecido ao público projetos e atividades de iniciação nas ciências exatas para meninas. Conheça alguns exemplos:  

Tem Menina no Circuito 

Coordenado por professoras do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o projeto propõe oficinas de eletrônica têxtil e em papel para alunas do ensino médio. Nessas oficinas, as adolescentes fazem desde circuitos elétricos simples a sistemas mais complexos que podem ser como conjuntos de LEDs e motores que respondam a estímulos sonoros. 

O trabalho realizado nas oficinas pode ser facilmente relacionado ao conteúdo de física do ensino médio, na parte de eletricidade e magnetismo.  

Meninas Olímpicas do Impa    

Criado pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o programa visa promover a efetiva presença de meninas em atividades ligadas à matemática, inclusive nas olimpíadas escolares, para que elas possam se interessar e desenvolver carreiras no âmbito científico e tecnológico.   

ELAS nas Exatas  

Resultado de uma parceria entre o Fundo ELAS, único fundo voltado exclusivamente para a promoção de direitos de mulheres no Brasil, o Instituto Unibanco e a Fundação Carlos Chagas, o Programa ELAS nas Exatas tem por objetivo incentivar projetos que estimulem meninas a se envolverem com as ciências exatas e tecnológicas, sensibilizando a gestão escolar para transformar o cenário de desigualdade de gênero existente no Brasil.  


 



 

Compartilhe