Pesquisa sobre Personal Branding desvenda diferenças entre gerações

07 de dezembro de 2020 0 min

Qual o peso que o dress code para o trabalho tem em cada uma das gerações? Neste estudo da KD Imagem E Marca Pessoal 460 profissionais deram sua impressão sobre o tema  

O ano de 2020 ficará para sempre marcado como o período em que grande parte das pessoas teve que se adaptar ao tão discutido home office. Conferências por vídeo estão extremamente difundidas e com isso surgiu uma nova discussão: neste novo cenário como fica a questão da imagem pessoal, do personal branding

Aquela realidade de se preparar para o trabalho só na parte de cima da roupa é o ideal? E como fica esta percepção nas mais diferentes gerações de pessoas?   

A consultoria KD Imagem e Marca Pessoal, das profissionais Karla Giacometi e Dani Amorim, realizou um extenso estudo entre os meses de agosto e setembro a fim de averiguar esta questão. Através de um questionário de 60 questões destinados a 460 profissionais - 71% desses residentes em Curitiba - foi possível investigar as mudanças de comportamento neste cenário tão atípico.   

Conflito de gerações

Um dos grandes assuntos que buscam compreensão no mercado de trabalho atual são os conflitos na forma de se vestir entre as gerações baby boomer (53 anos ou mais) , X (39 a 52 anos) , Y (25 a 38 anos)  e Z (18 a 24 anos). De acordo com os respondentes, muito mais que saber como se vestir existe uma grande diferença de formas de percepção do nível de formalidade que cada ambiente de trabalho exige. 

Para os mais jovens o ambiente que trabalham é mais informal, o que reflete na forma de vestir. Já os baby boomers optam por uma vestimenta mais formal, gerando entre eles um conflito de expectativa. 

No entanto, nas gerações mais jovens essa formalidade tem um peso diferente em relação ao impacto na autoconfiança e - consequentemente - no desempenho profissional.   

Outro ponto extremamente interessante da pesquisa foi sobre as regras, convenções e etiquetas dos trabalhos. Profissionalismo e formalidade foram complementares por muito tempo, não existindo um sem o outro. Quando a questão é "Quando cuido da minha imagem pessoal, me sinto mais seguro e autoconfiante" os mais jovens se preocupam menos com este cuidado em comparação com os baby boomers.   

No geral, a relevância atribuída ao tema também varia conforme gênero e posição ocupada na empresa, sendo maior na percepção de mulheres e de profissionais que ocupam cargos considerados mais estratégicos. Gerações, gêneros e cargos à parte, a pesquisa traz um resultado relevante: quanto maior o alinhamento entre os valores do profissional e da empresa, maior é a satisfação do profissional em relação ao que é esperado de sua imagem no trabalho.  

Fato é que a despeito das diferenças de percepção, os códigos de vestir caminham cada vez mais por uma quebra na rigidez. Num futuro próximo, certamente haverá mais empresas flexibilizando a exigência da formalidade no vestir e profissionais que cada vez mais conseguirão expressar suas preferências e estilos pessoais no ambiente de trabalho. 

“Por ora, a tentativa de colonização por regras por parte dos pouco flexíveis não se mostra um caminho eficaz. E a tentativa de colonização por choque por parte dos pouco tolerantes não se mostra um caminho estratégico”. complementa Karla Giacometi. 

Pesquisa completa

Clique no link abaixo e confira a pesquisa completa da KD Imagem.

Pesquisa Imagem Pessoal no Trabalho


 
 

Compartilhe