“Novo normal” deve permanecer no pós-pandemia

10 de agosto de 2021 0 min

Essa é só uma das marcas que o “novo normal” vai deixar no pós-pandemia


Alguns hábitos adquiridos durante a pandemia deverão permanecer depois que ela passar. Cuidados com alimentação, higiene e saúde, tanto física, quanto mental, assim como os protocolos no trabalho e nos estudos, entre outros, serão incorporados no dia a dia do brasileiro.

Seja nos ambientes domésticos, escolares ou corporativos, os cuidados com a higiene e o distanciamento social também permanecerão, provocando transformações na maneira como as pessoas trabalham, estudam, se relacionam, se divertem e consomem.

Diante da obrigação de rever os hábitos cotidianos, os brasileiros acabaram adotando novos comportamentos e percepções que deverão segui-los mesmo quando o novo Coronavírus já for um problema superado.

Antecipar as tendências e entender o que vem por aí pode representar boas oportunidades de negócios, além de ser obrigatório para quem quer prestar bons serviços em qualquer área. 


Alimentação
A tendência é que a alimentação saudável, aquela feita em casa ou vinda de um fornecedor confiável, permaneça. Também cresce o consumo de produtos orgânicos. Todos os cuidados preventivos, como higienização adequada quando chegar em casa do supermercado ou loja, uso de máscaras e distanciamento social, também. A entrega de comida por delivery, tendência na pandemia, continuará a pleno vapor. Surgirão muitos “restaurantes fantasmas”, novo conceito para designar estabelecimentos que só trabalham com entregas.

Consumo
A crise financeira desencadeada pela pandemia fez com que o consumidor percebesse que menos é mais. Isso fez com que as pessoas revissem seus hábitos de consumo. Consumir por consumir estará fora de moda. O necessário, nada mais do que o necessário será o novo mantra do consumo.

Pessoas e Negócios
O coronavírus trouxe para o contexto dos negócios a necessidade de revisitar as prioridades. Hoje, dentro de uma corporação, o pensamento se volta às pessoas, ao impacto ambiental e à geração de impacto positivo na sociedade. Um bom exemplo é o engajamento com uma causa social ou ecológica. E vale olhar com confiança para os colaboradores, já que o home office deixou de ser uma alternativa para ser uma necessidade. E permanecerá no pós-pandemia. Já ouviu falar em agenda ESG? Se não conhece, corra para conhecer.

Espaço corporativo
Os protocolos de higiene e distanciamento social permanecerão. Além de realocações dos colaboradores no ambiente, os estabelecimentos empresariais serão mais minimalistas. Ou seja, para diminuir os pontos de contaminação, deve haver redução do número de objetos no ambiente, com a permanência apenas do que for essencial à atividade.

No ambiente físico, alternativas como a separação entre os funcionários com placas de acrílico, uso de máscaras e álcool em gel deverão permanecer. O sistema híbrido de trabalho, também, assim como as reuniões online. Reuniões presenciais serão evitadas, assim como os almoços e reuniões de negócios, gerando economia para as empresas.

Saúde
A pandemia e o isolamento social trouxeram à tona a discussão sobre saúde mental e transtornos como depressão e ansiedade. Nesta área, as consultas online permanecerão, evitando a aglomeração e superlotamento da rede pública. Planos de saúde serão essenciais na contratação e permanência de funcionários nas empresas.  

Educação
A busca por conhecimento ganhou força no período. A procura por cursos online, com o objetivo de aprender coisas novas, se divertir e/ou se preparar para o mundo pós-pandemia, também. E um dos canais para isso daqui para frente será a educação a distância, cuja expansão vai se acelerar. Neste contexto, uma nova figura deve entrar em cena: os mentores virtuais. Novas plataformas ou serviços que conectam mentores e professores a pessoas que querem aprender sobre diferentes assuntos serão desenvolvidas.

Cultura
As lives durante a pandemia, assim como os tours virtuais pelos museus, ganharam muita audiência neste período. Esse comportamento deve evoluir para o que se pode chamar de “experiências culturais imersivas'', aquelas que tentam conectar o real com o virtual a partir do uso de tecnologias existentes, mas que devem se disseminar. Entre elas, a realidade aumentada e virtual, assistentes virtuais e máquinas inteligentes.

De acordo com estudo feito pela Hype Cycle, as experiências imersivas são uma das grandes tendências da tecnologia. Destaque para a área cultural, mas isso também se estende para os esportes e viagens de negócios.

Turismo
Análise feita por uma das maiores plataformas de turismo, a Booking.com, aponta que os turistas estarão mais propensos a visitarem locais que ofereçam segurança e sejam perto de casa, ou seja, viagens domésticas. A pandemia também trouxe a valorização do contato e a preservação da natureza. A pesquisa aponta que as pessoas escolherão lugares mais sustentáveis para irem e que se preocupem com as questões socioambientais. 


ACESSE NOSSO SITE


Compartilhe