Maternidade X Carreira

10 de setembro de 2021 0 min


Apesar das dificuldades, mulheres seguem se impondo no mercado de trabalho; veja como


A luta não é de hoje. As dificuldades, assim como as superações e as conquistas das mulheres no mercado de trabalho, vêm de longa data. Apesar disso, ainda há muito a ser debatido sobre o tema e, por quê não, a ser melhorado. 

Prova disso é um relatório do Fórum Econômico Mundial, que concluiu que a igualdade de gêneros só se dará em 2095. Isso se a evolução dos direitos das mulheres seguir no mesmo ritmo atual. 

E tem mais: a discrepância, falando em participação econômica e oportunidades femininas, chega a 60% ou mais, segundo a pesquisa. Quer mais um dado surreal? No ranking de igualdade de salários, o Brasil é o penúltimo entre todos os países das Américas, perdendo somente para o Chile (ocupamos o 124º lugar de 142 países avaliados). 

Apesar de todas as conquistas que a luta feminista trouxe para o mercado de trabalho, ainda há muito a ser explorado. 

Esse é apenas um cenário de toda a problemática que envolve as mulheres e os desafios na carreira feminina. Isso porque ainda é preciso lidar com o preconceito interno, o de não acreditar ser capaz de conseguir um cargo maior, a batalha por um salário compatível ou ser reconhecida pelo que faz. 

Veja como se posicionar num mercado em que a igualdade de gênero, apesar de caminhar a passos de tartaruga, é cada vez mais real. 

Organização é tudo 
Conciliar carreira e família não é fácil e exige muita organização para encarar o dia a dia. Seja no trabalho presencial ou remoto. A pandemia evidenciou ainda mais isso. Pode parecer besteira, mas é muito grande a quantidade de mulheres que acham que é possível ter uma rotina e vida equilibradas entre trabalho e maternidade, sem organização. 

Caso seja a responsável pela casa, ou não, o tempo deve ser administrado minuciosamente. 

Existem maneiras muito práticas de organizar a rotina e fáceis de implementar. Caso tenha um parceiro ou familiar, conte com eles para sincronizar os compromissos para darem conta dos cuidados com a casa. Se você for mãe solo, peça ajuda de pessoas próximas ou de profissionais (cuidadores ou creches) para ter um tempo de trabalho bem definido. Não tenha medo ou vergonha de pedir ajuda. 

Planeje  
Algumas das ferramentas que podem ajudar a planejar melhor o seu dia são: 

1) A boa e velha agenda de papel. Nela você pode anotar seus compromissos, datas importantes e tarefas do dia; 

2) Uma agenda eletrônica. Você pode sincronizá-la no seu smartphone e ter seus lembretes sempre na palma da mão; 

3) Notas autoadesivas espalhadas, os post its, pela casa em lugares estratégicos, como espelhos e geladeira, para não esquecer nada; 

4) Estabeleça metas claras e alcançáveis para você durante a semana.  

Desapegue 
Caso seja mãe, não seja aquela que está no trabalho, mas liga a cada meia hora para casa ou para a escolinha para saber como está o filho. É difícil voltar ao trabalho após o período de licença. Mas é importante demonstrar que o trabalho também é importante. E a melhor maneira de fazer isso é ser a profissional focada que sempre foi. 

Outra coisa: não se prenda a rótulos, não engesse sua vida profissional. Ao mesmo tempo, leve em conta as necessidades da família. Como? Avise a chefia com antecedência que precisará participar de eventos e reuniões na escolinha do seu filho, por exemplo. 

Estar presente nestas ocasiões é importante e comunicá-las com antecedência permite que você e a empresa se planejem e não prejudiquem o ritmo de trabalho ou a relação com a família e trabalho. Assim fica mais simples conciliar trabalho e maternidade. 

Tenha exemplos 
Mire-se nos exemplos de sucesso: é sempre importante para que a gente não se deixe levar pelo desânimo. Tenha alguém da sua área como um profissional a seguir. E caso tenha contato e intimidade com ela, sempre que tiver dúvidas, pergunte! 

Mercado em números 
Conciliar carreira e maternidade é um grande desafio para quase metade das mulheres brasileiras. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de mulheres que são responsáveis financeiramente pelos domicílios já chega a 34,4 milhões. Isso significa que quase metade das casas brasileiras são chefiadas por mulheres – situação bem diferente da que era vista alguns anos atrás. 

O aumento das famílias comandadas por mulheres teve crescimento em todas as regiões, mas o Sul lidera, passando de 24,4% para 33%, de 2001 a 2009. 

Grande parte dessas famílias é composta por mulheres sem cônjuge, o que representa 49,3%. 

Nos últimos nove anos, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o número de famílias nas quais a mulher é a chefe subiu de 27% em 2001 para 35% em 2009, o que representa 21.933.180 famílias. 

Resumo do que diz a lei  
  Direito à licença maternidade de 120 dias 
  Direito a duas semanas de repouso no caso de aborto natural 
  Direito à licença maternidade da adotante 
  Direito a ampliação da licença maternidade (Lei 11.770/08) 
  Direito aos intervalos para amamentação 
  Direito a se ausentar do emprego para consultas médicas 
  Direito a mudar de função por razões de saúde 
  Direito a estabilidade no emprego 
  Limite para carregamento de peso 
  Direito a instalações adequadas 
  Direito à privacidade 
  Proibição de exigência de exame de gravidez para contratação 
  Proibição de discriminação de qualquer natureza 

Compartilhe