Inteligência Coletiva

02 de setembro de 2021 0 min

Conceito disseminado por filósofo defende o compartilhamento de saberes para o sucesso de um negócio


Já ouviu falar em inteligência coletiva? Partindo do princípio de que todo o saber está na humanidade - já que ninguém sabe tudo, porém todos sabem de alguma coisa -, o conceito de Inteligência Coletiva vem sendo cada vez mais cultivado dentro das grandes empresas.

Construída e disseminada nos anos 90 pelo filósofo e sociólogo francês Pierre Lévy, a Inteligência Coletiva, de acordo com ele, é o conjunto de saberes compartilhados pela memória, pela percepção e pela imaginação, resultando na aprendizagem coletiva e na troca de conhecimentos.

A inteligência coletiva, portanto, são inteligências individuais somadas e compartilhadas por um grupo ou pela sociedade como um todo. Trata-se de um conceito que foi potencializado e que ganhou força a partir do desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação, como a internet.

Nas empresas, o conceito ajuda a mostrar aos gestores que o trabalho em equipe é um fator decisivo no sucesso de um negócio. Por isso, pensar em inteligência coletiva na organização é também pensar em como unir as mentes dos colaboradores em prol de um mesmo objetivo.

A técnica pode ser dividida em conceitual e emocional

A inteligência técnica se realiza através do mundo concreto e dos objetos, como a engenharia.

A inteligência conceitual se relaciona ao conhecimento abstrato, como as artes.

Por fim, a inteligência emocional trata ainda das relações entre os seres humanos, como a confiança, a ética e a moral.

Veja como se aplica a inteligência coletiva numa empresa e ao final pergunte-se: “Estou preparado para viver esse processo?

1 - Troca de conhecimentos
Valorização das capacidades individuais e compartilhamento de habilidades com os demais, de forma que a troca de conhecimentos se torne uma prática comum na empresa.

Como? Através da comunicação, ferramenta fundamental no processo de busca por coletividade. É preciso que haja um espaço aberto para que profissionais se sintam à vontade para compartilhar seus conhecimentos e propor soluções para a equipe. O ambiente de trabalho precisa ser um espaço de trocas saudáveis para que mudanças positivas ocorram.

2 - Debates
Promoção de debates sobre os mais diversos temas. Por inteligência, não se entende apenas o conhecimento científico, mas tudo aquilo que, de alguma maneira, pode ser útil e promover mudanças na vida em sociedade.E consequentemente, na empresa.

Uma iniciativa que muitas empresas têm adotado para promover a construção de conhecimento na coletividade são os programas de compartilhamento de saberes. Neles, cada profissional é incentivado a dividir com os colegas algo que possa acrescentar na vivência individual e da equipe. Dessa maneira, informações que antes estavam limitadas a apenas um colaborador são espalhadas por toda a empresa.

3 - Liderança em conjunto
O verdadeiro líder precisa ter humildade e assumir a sua vulnerabilidade para ajudar as pessoas a construírem soluções em conjunto.

Alguns modelos de liderança acabam desencorajando uma participação mais engajada e integrada por parte dos colaboradores. Líderes extremamente autoritários, por exemplo, não dão espaço para que os talentos levantem ideias e exercitem a criatividade. Já lideranças mais democráticas valorizam as experiências de cada um e entendem que a partir da troca é possível alcançar uma inteligência coletiva.

4 - Equidade
Quanto mais equiparada for a participação de todos os membros do projeto, maior vai ser a inteligência coletiva do grupo. Isso quer dizer que se apenas uma ou duas pessoas tomarem a frente das discussões, os resultados tendem a não ser tão bons.

Não é à toa que o engajamento dos profissionais com a empresa e com a própria equipe tem se tornado cada vez mais discutido e valorizado. Porque é quando esses profissionais se conectam e se sentem parte do todo que um negócio ganha força internamente para enfrentar qualquer dificuldade ou barreira no mercado.

5 - Respeito às individualidades
O respeito às individualidades é outro fator essencial para gestores que desejam estimular a inteligência coletiva na organização. Para isso é necessário entender que cada colaborador carrega consigo uma bagagem cultural e profissional que pode ser agregada ao time. Em um cenário em que várias gerações se cruzam no ambiente corporativo, a diversidade pode ser um trunfo para o processo de construção de conhecimentos.


ACESSE NOSSO SITE

Compartilhe