6 hábitos para desenvolver sua inteligência emocional

28 de julho de 2020 0 min

Sabe-se que um profissional de sucesso também é alguém que  administra bem suas emoções, mas como desenvolvê-las  

Hoje vamos conhecer melhor e entender uma das principais soft skills exigidas pelo mercado de trabalho, a inteligência emocional. Esse será também o tema do nosso encontro de hoje na live UniOpet Live Now, no Youtube a partir das 19h00. 

Importante reforçar que o evento vale horas complementares para o aluno que acompanhar o bate papo. 

Mas o que é Inteligência Emocional?  

A inteligência emocional faz parte da lista indicada no Fórum Econômico Mundial como necessária e até imprescindível ao profissional em 2020. 

Ainda mais na época extremamente atípica que vivemos, saber lidar com equilíbrio frente às adversidades é um diferencial importante para qualquer profissional. 

 Diferente do que podemos primeiramente imaginar, uma carreira de sucesso não exige apenas um currículo cheio de boas formações acadêmicas ou extensas experiências em cargos de grande responsabilidade. 

Tudo isso é muito importante, mas do que adiantaria para alguém que quer ascender profissionalmente ter qualificações técnicas se pouco desenvolveu as eferas do comportamento e das emoções? Pode parecer estranho que aspectos subjetivos, ligados ao comportamento e ao relacionamento interpessoal, sejam tão valorizados pelas empresas, não é mesmo? 

Mas saiba que entender bem os próprios sentimentos e os dos outros e conseguir agir com equilíbrio emocional só vai trazer benefícios para sua produtividade e também para o ambiente organizacional. 

Um exemplo prático disso é o papel do Representante de Turma que busca mediar os interesses e demandas dos colegas, além das divergências de opiniões e percepções. Esta situação pode retratar o que o aluno irá vivenciar no mercado de trabalho. 

 “Outro exemplo é a participação nos programas e projetos disponibilizados pelo Placement – Central de Carreira aos alunos, dentre eles: Personal Branding que estimula o aluno a gravar seu Pitch – Vídeo Currículo que será avaliado por profissionais de RH de grandes empresas”, explica a coordenadora do Opet Placement Samara Carvalho.

Toda a preparação e cuidado para gravar o vídeo é um exercício, um treino para futuros processos seletivos que o aluno irá participar. O fato de saber que seu vídeo será avaliado por profissionais de RH pode gerar expectativa, nervosismo e certo grau de ansiedade que precisa ser administrado de maneira assertiva e objetiva para melhores resultados.

Mas como desenvolver minha Inteligência Emocional?  

Autoconhecimento 

Muitas das nossas atitudes são movidas  pela emoção. É inerente ao ser humano e, por vezes, chega a ser até involuntário. No entanto, no ambiente corporativo, dependendo da sua reação em determinada ocasião, isso pode custar um preço alto e colocar sua carreira em risco. 

Logo, o primeiro passo para utilizar a inteligência emocional é o autoconhecimento: você deve observar seu comportamento frente às diferentes situações do trabalho. Como reajo ao estresse? Como reajo a prazos curtos, cobranças extremas? Como reajo a imprevistos?

Como reajo frente as minhas conquistas e sucessos? Tente responder a estas e tantas outras perguntas da forma mais honesta possível. Você sabe controlar seus impulsos? 

Quando você se conhece melhor e sabe os momentos em que pode vir a se alterar por qualquer razão fica mais fácil saber quando respirar fundo e repensar as atitudes. Ao reconhecer quem é você frente às emoções fica mais fácil controlar qualquer problema.  

Evitar emoções negativas 

Outro ponto importante é saber como lidar com as emoções negativas, como inveja, frustração ou falta de perspectivas. Se alguém da sua equipe foi promovido, por exemplo, procure entender os motivos dessa conquista, ou seja, não faça disso um momento de negatividade. 

Caso seja fruto de uma melhor qualificação desse colega, por exemplo, cabe a você correr atrás e também melhorar seu currículo com novos cursos. Em outra situação, como receber um feedback negativo de seu superior, busque explicações para isso e se esforce para melhorar. 

Não permita que a frustração tome conta de você, impedindo que se desenvolva profissionalmente. Quem age com inteligência emocional no trabalho desenvolve uma visão otimista e entende que os erros podem acontecer e devem servir de aprendizado. 

Exercitar empatia 

Essa talvez seja a característica mais importante no ambiente de trabalho. É quando nos colocamos no lugar do outro para entender um ponto de vista diferente e até uma crítica. 

Digamos que você tem como colega alguém mais velho, que fica um pouco confuso para lidar com novas tecnologias. Em vez de pensar: não vou interromper minhas tarefas para ajudá-lo, pois ele é quem precisa buscar um meio de aprender, você pode ser empático e auxiliar. 

Assim, entende que ele é de outra geração e que não está acostumado com aquele programa ou equipamento. Com  essa simples atitude você mantém o clima de toda uma equipe mais tranquilo.  

Controlar a ansiedade 

Trabalhar significa lidar com prazos, resultados e pressão. Não há como fugir disso. Por isso é importante administrar a ansiedade gerindo melhor o tempo para que as tarefas não fiquem apertadas em cima da hora. 

Pessoas ansiosas ficam com a sensação de que não vão conseguir dar conta de todos os compromissos. Use uma agenda (virtual ou não) para manter suas tarefas bem organizadas e delimite o tempo que levará para realizar cada uma delas. 

Bom lembrar, ao administrar a ansiedade, você consegue também render mais nos estudos e, dessa forma, se dar bem ao realizar alguma qualificação.  

Se relacionar bem com colegas 

Quando se fala em inteligência emocional no trabalho, um ponto importante é cultivar bons relacionamentos interpessoais. Desse modo, além da empatia, é essencial valorizar o trabalho em equipe para obter resultados ainda melhores. 

Assim, profissionais que querem crescer na carreira precisam buscar meios de motivar os colegas, levando uma visão mais positiva para o dia a dia e também devem ter a habilidade de ouvir o outro e de aceitar diferentes ideias. 

Aliás, com isso, você exerce a liderança, competência fundamental para quem sonha com a carreira de gestor. Um bom relacionamento com colegas também ocorre quando somos transparentes nas nossas atitudes, por isso aja com honestidade e reconheça seus erros quando ocorrerem. Dessa maneira, você ganha a confiança do seu time.

Alimentar a autoconfiança 

A inteligência emocional no trabalho também é exercitada quando você desenvolve a autoconfiança. Muitos profissionais ficam estagnados simplesmente por se autossabotarem, ou seja, por não acreditarem em seu próprio potencial. 

Faça uma reflexão sobre suas conquistas e não tenha medo de sair da zona de conforto e de se arriscar. As pedras certamente vão aparecer pelo caminho, mas enxergue-as como um valioso aprendizado nessa trajetória.  

UniOpet Live Now 

A 5a Edição da nossa Live traz o tema: “COM OS NERVOS EM DIA - COMO MANTER A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EM TEMPOS DE PANDEMIA” 

CONVIDADOS 

Simone Souza Dreher 

Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Formação e certificação em EMDR e Brainspotting. Professora do curso online “Gestalt-terapia na prática” (PsicoClub). Contato: simonedreher@yahoo.com.br 

Felipe Nasser 

Mestre em Business Administration in Neuromarketing, pela Florida Christian University (USA), professor de pós-graduação nos módulos de Neuromarketing, Neurovendas, Neurociência do Comportamento de Consumo, Neuroinovação e Estratégias de Marketing na Fundação Getúlio Vargas e outras instituições de referência em negócios no Brasil. Com experiências no Brasil e nos EUA, atualmente, é Diretor da F|Nasser Treinamentos e Neurobusiness e sócio-diretor da startup Contabiliza Fácil. 

Júlio César Luchmann 

É Formado em filosofia e história, especialista em Psicopedagogia, neurociência e emoção, mestre em Educação e doutorando em Emoção e cognição. O professor Julio atua como palestrante, coach, escritor e psicopedagogo especialista em educação e emoção. É diretor da Orez Educação pela qual oferece formação para professores, orienta pais no programa escola para pais, trabalha com desenvolvimento cognitivo e emocional de alunos e orienta empresas no que tange à questões emocionais, como é o caso do programa Ergonomia Emocional. 

MEDIADORA 

Adriana Karam

Presidente do Grupo Educacional UniOpet. Pesquisadora em Inovação Educacional, investidora anjo e coordenadora do programa de escolas da UNESCO no Paraná. Doutoranda em Gestão do Conhecimento. Foi visiting scholar do LASPAU, Instituto da Universidade de Harvard para inovação do Ensino Superior nas Américas.  

 
 

Compartilhe