“Infoxicação” é mais que uma palavra estranha: é um alerta necessário

28 de julho de 2021 0 min


Excesso de informação, nem sempre de fontes confiáveis, produz ansiedade, cansaço e estresse


Cuidado com o excesso de informação. Ele pode te deixar doente. Ainda mais em tempos de pandemia, quando estamos conectados o tempo todo devido ao isolamento social. O volume de informação é grande e se não “filtrarmos” o conteúdo, pode acontecer o que o físico espanhol, Alfons Cornella, classificou na década de 90, como “infoxicação”. 

O físico afirma que o excesso de informação divulgado pela internet, televisão, jornais, revistas, jogos eletrônicos e até videogames, é o responsável por uma verdadeira epidemia, que tem assolado boa parte da população mundial.

Se naquela década o problema já existia, imagine nos dias de hoje. Levantamento anual feito pela “Data Never Sleeps", aponta que a cada minuto, 347.222 Stories são postados no Instagram, 41.666.667 mensagens são enviadas por WhatsApp, são consumidas 500 horas de vídeo no YouTube e 404.444 horas de conteúdo da Netflix é exibido em todo o mundo.

Ansiedade, cansaço e estresse, entre outros, são alguns dos sintomas da “infoxicação”. O fenômeno também vem sendo classificado como “Síndrome da Fadiga Informativa”.

A principal causa é o consumo excessivo de informação. O volume é tão grande, que o cérebro não consegue processar. Como resultado pode-se desencadear ou agravar outros problemas mentais.

A síndrome também pode desencadear outros sentimentos, como a necessidade de estar sempre conectado, falta de concentração, esquecimento e frustração. Ultimamente o problema se intensificou com o isolamento social.  


Se qualquer um dos sintomas abaixo aparecer, está na hora de cuidar da sua saúde mental.

– Hiperconectividade, ou a necessidade de estar conectado o tempo todo. Sensação de falta de conhecimento, buscando o tempo todo a informação.

 – Dispersão (olhar sem ver);

 – Dificuldade para concentrar-se (perda do foco quando vê ou lê alguma coisa); dificuldades na capacidade analítica e na tomada de decisões.

 – Crescimento da ansiedade (aceleramento do batimento cardíaco, entre outros);

 – Aumento do estresse (cansaço, tensão muscular, dores de cabeça, corpo e demais sintomas);

 – Aparecimento da síndrome da fadiga informativa, ou “Infoxicação”


 Como lidar

 - Procure um médico especialista. Mesmo na pandemia, os terapeutas estão atendendo online.

 - Estabeleça horários para se conectar e desconectar.

 – Aplique filtros de absorção de conhecimento, assim como os que controlam a periodicidade e quantidade de tempo de acesso.

 - Escolha com cuidado as suas fontes de informação. Busque os meios de comunicação certos, aqueles que realmente agregam algum valor para você, sua família e profissão. E compare as informações consumidas.

 – Exclua o que não é importante, como os grupos de WhatsApp, alertas e notificações de redes sociais e e-mails, que podem se tornar grandes vilões para dispersão e gerar ansiedade cada vez que soa o alerta.



Compartilhe