Fui demitido, e agora?

15 de março de 2021 0 min

O número de dispensas aumentou com a pandemia. Mas não perca tempo remoendo essa dor no sofá e veja como ir à luta  

Ser demitido é sempre doloroso e desencadeia um misto de sentimentos negativos. Ficar desempregado, com as contas vencendo e sem perspectiva de encontrar um novo trabalho em curto prazo, é uma situação muito difícil de enfrentar. 

A pandemia do covid-19, além da crise sanitária global sem precedentes, também trouxe enormes impactos econômicos e sociais que afetam o mercado de trabalho global. 

Empregos que somem 

A mais recente edição do Monitor OIT: Covid-19 e o mundo do trabalho, estudo da Organização Internacional do Trabalho, publicado em janeiro, revela que 8,8% das horas de trabalho globais foram perdidas no ano passado em comparação ao quarto trimestre de 2019. Isso significa o desaparecimento de cerca de 255 milhões de empregos em tempo integral, aproximadamente quatro vezes superior ao número perdido durante a crise financeira global de 2009. 

No Brasil, os dados divulgados no dia 10 de março pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 20 estados brasileiros registraram recorde da taxa média de desemprego em 2020. Em fevereiro o IBGE já havia divulgado que a taxa média anual de desemprego do país em 2020 foi de 13,5%, a maior de toda a série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). A taxa corresponde a cerca de 13,4 milhões de pessoas na fila por um trabalho no país. 

Opet Placement 

Se você foi demitido e é ou foi aluno Opet, entre em contato com a Opet Placement, nossa agência de empregabilidade. Por meio dela, oferecemos programas de orientação e preparação profissionall para alunos e egressos.  

Veja alguns passos que podem ajudar a enfrentar esse momento delicado. Não se trata de auto-ajuda, mas de orientações que os especialistas em recolocação no mercado utilizam em suas consultorias: 

1. Não se desespere 

É natural que você fique emocionalmente abalado, mas é necessário não entrar em pânico. Mantenha o autocontrole. Desacelere seu ritmo por alguns dias e faça uma reflexão sobre suas metas profissionais. É importante compartilhar com a família suas angústias. Estabeleça uma rotina diária e organize seu tempo. Levante cedo, assista ao noticiário, acesse sites, veja lives, leia artigos sobre sua área de atuação - não fique largado no sofá se lamentando.   

2. Reorganize suas finanças 

Faça uma avaliação de sua situação financeira. Liste todos os gastos, os débitos e dívidas e veja o que pode ser cortado ou reduzido. Como a recolocação profissional pode demorar alguns meses, procure eliminar os supérfluos e evitar ao máximo ficar no vermelho. 

3. Atualize seu currículo 

Acrescente ao seu currículo as informações e detalhes do seu emprego mais recente, responsabilidades e projetos desenvolvidos e as habilidades que adquiriu nesse período. Atualize seu perfil no LinkedIn. Comece a postar nessa rede social conteúdos de sua área de interesse, com comentários e insights, que chamem a atenção para sua conexão com o mercado. Lembre-se que o currículo deve ter não mais do que duas páginas e deve ser sucinto, mas mostrar suas habilidades e sua trajetória profissional. Com a pandemia, os processos seletivos são feitos em formato totalmente digital e com entrevistas online e vale a pena investir um tempo treinando na frente do computador. 

4. Faça networking 

Construa e invista nos seus relacionamentos. Entre em contato com colegas. Segundo Rubens Prata, presidente da consultoria Stato, de São Paulo, apenas 20% das vagas estão em sites de recrutamento. Os 80% restantes surgem do networking e das indicações de headhunters, em entrevistas. Um lembrete necessário, nesses tempos de uso intenso das redes sociais: jamais fale mal da empresa em que trabalhava. Também evite desabafar nas redes sociais. 

 5. Analise o mercado 

Pesquise quais setores estão aquecidos e quais os mais afetados pela crise causada pela pandemia. Defina em que área e em quais empresas você gostaria de trabalhar e os cargos que se encaixam no seu perfil. Informe-se sobre empresas que estão recrutando profissionais com as suas características e faça contato. Esteja aberto a uma eventual mudança de área. 

 6. Invista em conhecimento 

Talvez suas habilidades não estejam em conformidade com o mercado de trabalho atual. Mantenha-se atualizado e aperfeiçoe suas competências. Invista em cursos, inclusive de línguas. Muitas instituições de ensino oferecem uma série de cursos gratuitos, oferecidos a distância. 





Compartilhe