Empreendedorismo feminino

10 de setembro de 2021 0 min


Mulheres já ocupam quase a metade do mercado e apostam no digital, ferramenta que dominam com destreza

Seja por necessidade, oportunidade ou sonho, muitas mulheres apostaram no empreendedorismo como caminho para se reinventarem na pandemia.
Segundo dados do Global Entrepreneurship Monitor, o GEM, o Brasil soma atualmente mais de 30 milhões de mulheres empreendedoras. Esse total corresponde a quase metade do mercado empreendedor (48,7%), e cresceu 40% só em 2020, conforme dados da Rede Mulher Empreendedora.
Outro levantamento, feito pelo Sebrae no ano passado em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, aponta que as mulheres usam com mais destreza as ferramentas digitais – quase 70% das empreendedoras vendiam ou passaram a vender online na pandemia, contra 63% dos homens.
O aumento do número de empreendedoras desde o início da pandemia se deu, principalmente, por necessidade. Recebendo salários menores ou mesmo perdendo seus postos por conta da crise, muitas mulheres acharam no empreendedorismo o caminho para obter renda e, assim, garantir o sustento da casa e da família.
Investir nas redes sociais e no relacionamento com clientes, buscar conhecimento técnico e diversificar ofertas são algumas das iniciativas que ajudaram pequenos negócios a sobreviver à crise econômica provocada pelo coronavírus. 

Veja o caminho das pedras seguido pelas empreendedoras:

Planejamento  
Planejamento é tudo, mesmo nos pequenos negócios. Seja ele digital, artesanal e/ou pequeno, trace objetivos e coloque o planejamento no papel. Quanto quero vender? Quanto preciso ter de lucro? Quais os caminhos para alcançar isso? Os objetivos ajudam a definir a melhor estratégia para chegar ao sucesso. 

Foco no digital 
A pandemia impulsionou as vendas nas plataformas digitais. Caso não manje muito de redes sociais e marketing digital, é preciso se atualizar. Há cursos online, workshops promovidos por entidades, vídeos no YouTube. Corra atrás da informação, tudo gratuitamente na internet. 

Foco no cliente 
O que o meu cliente quer? Ouça os feedbacks e não tenha medo de mudar. Priorize essa interlocução direta com o consumidor, mesmo pelas plataformas digitais. 

Portfólio enxuto 
Menos é mais. Na maioria das vezes, vale mais a pena investir num mix de produtos menor para entregar qualidade, do que na quantidade. Um catálogo reduzido também ajuda na organização financeira, principalmente no início. 

Comunicação 
Comunicação é essencial. Se você quer priorizar a produção artesanal, exclusiva e slow, por exemplo, deixe esses pontos claros e torne isso seu diferencial. Um exemplo é o compartilhamento dos processos de produção nas redes sociais, assim como investir numa identidade visual própria e impactante. 

Quem tem amigo 
Quem tem amigos, tem tudo, Então, para começar, divulgue os produtos entre amigos e peça ajuda para dar visibilidade para a marca. No início de qualquer negócio, o apoio dos conhecidos pode ser crucial para crescer e não desanimar. Busque também se conectar com outras empreendedoras, seja em grupos online ou em associações. 

Alinhe as expectativas 
O retorno financeiro raramente vem de imediato, por isso, o planejamento é essencial, inclusive financeiro. Não desanime! É preciso persistência e organização. Não se frustre com os erros. Procure, também, um diferencial. Preste atenção nos produtos mais vendidos ou curtidos na internet, e foque neles !  

Negocie 
Na falta de auxílio governamental e acesso a financiamentos, negocie. É preciso olhar com calma para as necessidades do negócio e entender o que pode ser adiado e remodelado. Caso detecte algum problema, busque  ajuda, rede de apoio, conselhos de quem já passou por problemas semelhantes ou tem conhecimentos específicos para ajudar.  

A pesquisa do Sebrae 
Realizada em agosto de 2020, depois do início da pandemia e em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, a pesquisa analisou pequenos negócios fundados por homens e mulheres. As empreendedoras demonstraram capacidade de se adaptar mais rapidamente diante das medidas de isolamento social: passaram a utilizar mais as vendas online e ofertaram mais produtos e serviços que os empreendedores. O estudo ainda apontou: 

Inovação 
De acordo com o mesmo estudo, as empreendedoras demonstraram mais agilidade na adoção de estratégias de inovação nos negócios durante a pandemia. 11% das empreendedoras entrevistadas afirmaram ter inovado em seus negócios durante a crise, enquanto 7% dos homens declararam ter feito alguma mudança voltada à inovação. 

Conectividade 
O estudo também levantou outro diferencial entre os negócios analisados: 71% das mulheres usaram e ainda usam redes sociais, aplicativos e a internet para comercializar seus produtos e serviços, enquanto 63% dos homens usaram e usam essas ferramentas. 

Resiliência 
As mulheres empreendedoras são mais resilientes e têm visão mais humanizada do negócio. Essa é uma constatação do estudo “Empreendedoras e seus negócios 2020: recorte dos impactos da pandemia”, da Rede Mulher Empreendedora 

Criatividade 
O estudo  também apontou que, durante a pandemia, as mulheres optaram pela mudança de estratégias ao invés de cortar custos. Dessa forma, os empreendimentos se mantiveram abertos, inclusive com planos de crescimento. 

 


Compartilhe