Diploma faz toda a diferença

09 de março de 2022 0 min

Estudo comprova que ter um curso superior garante mais estabilidade no emprego

Ter um diploma continua sendo um diferencial quando o assunto é o mercado de trabalho. A pandemia não afetou com a perda de emprego 30,4% dos brasileiros com diploma, de acordo com a 3ª edição da Pesquisa de Empregabilidade desenvolvida pelo Semesp em parceria com a Simplicity.

A pesquisa ouviu 8.500 pessoas com ensino superior em todo o país no final do ano passado.

Já entre os que ainda estão estudando, a sensação de preparo para o mercado de trabalho curiosamente é maior entre alunos de cursos EAD (52,4%) do que de cursos presenciais (44,4%), uma vez que maioria do ensino a distância já trabalha – o que  justifica a baixa no número de estágios para estudantes dessa modalidade, que é de apenas de 20%.

Um dos pontos que chamam a atenção no estudo: da maioria que se disse preparada para o mercado, 48,7% são advindos da rede privada e 45% da rede pública.

Para Rodrigo Capelato, economista e diretor-executivo do Semesp - entidade que representa mantenedoras de ensino superior do Brasil-, os dados  "desmentem a falácia de que a formação não tem acompanhado as demandas de mercado''. Cada vez mais as instituições buscam parceria com as empresas e isso é reconhecido pelos próprios egressos”, diz. 

O dado que comprova essa observação mostra que a maioria da rede privada (42,2%) concorda que o curso de graduação foi importante para garantir diferenciais no mercado de trabalho. Porém, em comparação com a rede pública, esse número cai para 36%.

A pesquisa, realizada pelo Instituto Semesp e Symplicity, com o apoio da CIA de Talentos e da InfoJobs, contou com um total de 8.523 participantes, dos quais 3.086 egressos do ensino superior de 441 IES e 137 cursos, 3.338 alunos de cursos presenciais e 2.099 alunos de cursos EAD de 194 IES e 126 cursos.E chegou às seguintes conclusões:


O que mudou com o diploma superior?

Para 82,2% houve melhorias. Egressos de instituições públicas e privadas conseguiram primeiro ou novo emprego na área de formação (42,7% e 33%); 35,9% de cursos presenciais conseguiram novo ou primeiro emprego, contra 6,7% do EAD. 

Empregabilidade por área de formação

As áreas de saúde e tecnologia são as que mais possuem egressos atuantes: medicina soma 100% e engenharia e ciência da computação pouco mais de 90%. Também estão neste grupo entre 79% e 60%: farmácia, odontologia, fisioterapia, arquitetura e urbanismo, psicologia, publicidade e propaganda e contabilidade.

Já entre os que atuam em áreas diferentes por falta de oportunidade, estão relações internacionais com 34,6% em outras atividades e engenharia ambiental (27,8%), seguida das de produção e química (27,6% e 26,5%).

Diferença salarial persiste entre gênero e raça

As melhorias em questões de renda atingem 135% de aumento se comparado entre antes e depois do diploma superior. 34,2% dos que se formaram há até três anos recebem em média R$3 mil; há mais de três anos e que ganham mais de R$3 mil são 62%, maioria da região Sudeste, sendo que homens chegam a ganhar mais que mulheres e brancos mais do que negros (61,8% contra 41,4% respectivamente).

Antes da graduação os salários atingiam em média a R$ 1.785,00 e depois, uma média de R$ 4.202,00. Apenas 12,4% dos que possuem formação de nível médio têm mais do que R$3 mil de renda

Participação

O estudo contou com a participação de egressos residentes de todas as regiões do país, sendo que a maioria está localizada na região Sudeste (58,9%) e uma pequena parcela no exterior (0,2%). Do total de respondentes, 15% concluíram a graduação em uma instituição de ensino superior pública, 45,1% concluíram em uma instituição privada com algum auxílio (bolsa ou financiamento) e 39,9% concluíram em uma instituição privada sem nenhum tipo de ajuda.

A maioria pertence ao sexo feminino (62,5%) e 55,2% estão na faixa etária de 25 a 34 anos. 66,5% dos egressos se autodeclararam brancos, o que representa mais que o dobro do número de concluintes da cor parda ou preta. Pouco mais de 2% dos egressos respondentes possuem algum tipo de deficiência.

Importância do diploma

  • Diferencial competitivo no mercado de trabalho

Os profissionais mais capacitados servem como critério para os recrutadores selecionarem algum candidato a uma vaga de trabalho. Diante dos números atuais de desemprego no Brasil, que deve ter a 14ª maior taxa mundial, segundo o último relatório do FMI, buscar um diferencial como ter uma graduação, é indispensável.

Isso quer dizer que, a garantia do diploma no ensino superior, assim como o compromisso de que houve dedicação e enriquecimento durante esse período, funcionam como um investimento no seu futuro. 

Assim, além de haver mais chances de contratação, a negociação da remuneração deve levar em consideração o tempo e recursos financeiros investido no seu conhecimento.

  • Expansão do networking

Pense na universidade como um espaço em que é possível conhecer diversos docentes experientes e de renome, que podem transmitir conhecimentos, referências, fontes de informação e muitos outros tipos de conteúdos sobre o assunto.

Além disso, o ensino superior também dá a oportunidade de conhecer outros estudantes da mesma área de interesse que a sua, o que pode servir como rede de contato no presente ou futuro, atuando até como parceiros.

  • Desenvolvimento de habilidades

Até mesmo pessoas que não entendem a importância da graduação sabem reconhecer que ela é um meio de desenvolver habilidades para ingressar no mercado de trabalho. 

Na pandemia, além das consequências econômicas que prejudicaram o volume de vendas e o lucro de muitas empresas, também exigiu, a curto prazo, uma maior intensificação digital dos negócios para se adaptarem à necessidade de distanciamento físico e mudança brusca dos hábitos comportamentais e de consumo dos clientes.

Todos esses elementos são desafiantes para as empresas no período pós-pandemia e podem ser melhor gerenciados com a existência de profissionais capacitados no time empresarial, o que torna o ingresso no ensino superior um fator primordial para o desenvolvimento de habilidades e, consequentemente, da capacitação.

  • Amadurecimento pessoal

O desenvolvimento de conhecimentos técnicos é fundamental para que você possa ampliar suas funções no trabalho com mais eficácia. Porém, quando isso ocorre sem a maturidade pessoal necessária para que haja autoconfiança, comprometimento ético, capacidade de trabalhar em equipe, reconhecimento de erros e muitas outras qualidades úteis no mercado de trabalho, tudo isso será limitado.

Esse é mais um dos motivos pelo qual o ensino superior é importante. O ambiente, as atividades e o período em que o aluno passa se capacitando também contribui para o amadurecimento pessoal, que possibilita um melhor rendimento nas tarefas e a preparação para desafios diários e recorrentes.

  • Novas experiências

Durante a vivência no ensino superior, os estudantes contam com diferentes métodos de aprendizagem para ampliação do conhecimento, levando em consideração que cada pessoa pode ter mais facilidade de aprendizado com um método do que com outro e os desafios que surgem no mercado de trabalho.

Um bom exemplo são os estágios supervisionados para as primeiras experiências práticas, com base em toda carga teórica adquirida. Isso garante um maior peso no currículo profissional.

Lembram que é comum que os contratantes priorizem profissionais que, além de terem o ensino superior, tenham experiência na área, o que é garantido em muitas universidades por meio dos estágios e até iniciações científicas. 

  • Melhores oportunidades de trabalho

Ter um diploma de ensino superior pode aumentar as chances de contratação no mercado de trabalho, assim como discutir remunerações mais justas, de acordo com o investimento na capacitação. 

Além disso, esse diploma também amplia as oportunidades de trabalho, já que existe know-how e expertise para isso. 

O UniOpet oferece graduação e pós-graduação presenciais, semi-presenciais e  EAD em várias das áreas pesquisadas. Confira aqui, faça sua matrícula e aprimore seus conhecimentos para ter mais competitividade no mercado.