Covid-19: vacina não é atestado para baixar a guarda

22 de janeiro de 2021 0 min

Quando falamos de doenças transmissíveis falamos da necessidade de vacinar em grande número para proteger a todos  

O primeiro aniversário da Covid-19 foi comemorado com vacina contra o coronavírus. Mas será que o vilão do século foi derrotado e já podemos sair por aí em alegre aglomeração? 

Não é preciso fazer suspense: a resposta é um sonoro NÃO!  

Lições de 2020

Aprendemos várias lições no ano passado:    

1- O vírus é altamente transmissível, embora seja baixa sua letalidade.  

2- Sua letalidade é baixa, mas alta o suficiente para transtornar os serviços de saúde e ameaçar a vida dos doentes de Covid-19 e de outras doenças. 

3- Não há tratamento mágico nem um antiviral que cure a doença.  

4- As únicas coisas que comprovadamente funcionam como prevenção são lockdown, distanciamento e máscaras.  

5- Quando essas medidas são relaxadas, a epidemia volta. Elas servem apenas para reduzir a circulação viral, não para acabar com a doença.    

Ou seja, as medidas preventivas são como um "botão do pânico", que é acionado quando a taxa de transmissibilidade aumenta muito e/ou quando o sistema de saúde se aproxima do colapso. Quando esse cenário diminui, o botão pode ser desligado. 

Vacina

Medidas paliativas são adotadas na falta de algo melhor. 

E o algo melhor é a vacina, que foi desenvolvida em várias versões e em tempo recorde na história, graças ao esforço coletivo de cientistas do mundo todo.  

Mas é preciso considerar que a vacina não deve ser encarada no âmbito individual. Ela é uma medida de impacto coletivo, para reduzir a circulação viral e evitar o acionamento do botão do pânico.  

Você não vai tomar uma agulhada no braço e sair por aí, confraternizando como se não houvesse amanhã. Ainda vamos conviver com uma série de restrições por um bom tempo. 

Além disso, a lista de grupos prioritários para a vacinação é imensa, e vai desde os idosos em casas de repouso, passando por profissionais da saúde e trabalhadores em funções essenciais, até pessoas com doenças crônicas. 

Sendo assim, a vacina vai custar muito a chegar nos cidadãos que não pertencem a nenhum desses grupos, e que são a maioria. Sem contar, que temos duas doses para tomar antes de obtermos a melhor proteção imunitária possível. 

Embora protegendo grupos vulneráveis e profissionais de saúde da linha de frente, provavelmente a vacina não nos transportará de volta ao nosso antigo modo de vida tão cedo.  

O próprio diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que "uma vacina irá complementar as outras ferramentas que temos, não substituí-las", acrescentando que "uma vacina por si só não vai acabar com a pandemia". 

O que muitas pessoas talvez não percebam é que quando falamos de doenças transmissíveis falamos da necessidade de vacinar em grande número para proteger a todos. Por isso, a vacina não pode ser vista como uma questão de escolha pessoal. Ela representa a essência do espírito de comunidade, da solidariedade humana universal. 

O poder de uma vacina não está apenas em sua capacidade de nos proteger como indivíduos, mas em sua capacidade de proteger as pessoas ao nosso redor e as comunidades em que vivemos. 




Compartilhe