Qual é o processo de criação e distribuição de vacinas?

20 de novembro de 2020 0 min

O mundo aguarda ansioso pela distribuição de vacinas eficazes para conter o avanço da pandemia do Sars-CoV-2, vamos explicar como funciona este processo  

O mundo científico corre contra o tempo para encontrar uma vacina eficaz para o controle do avanço da pandemia do Sars-CoV-2. De acordo com a Organização Mundial de Saúde mais de 190 pesquisas estão sendo realizadas e, dentre essas, 42 já estão em fase clínica, ou seja, já estão sendo realizados testes em humanos. 

Destas, 10 já estão em fase avançada de testes, chegando ao último estágio antes da distribuição.    

Mas antes desse tão esperado momento a vacina tem que atravessar algumas fases de ensaios clínicos que comprovam sua segurança e eficácia. A cada etapa, mais voluntários são recrutados e os resultados dos testes são analisados pelos pesquisadores para garantir que uma vacina possa ser licenciada. 

Existem diferentes tipos de vacinas e cada uma delas demanda processos laboratoriais específicos, com objetivo de produzir um ou mais antígenos para desencadear uma resposta imune. 

Qual o processo de criação da vacina?   

A doutora em Ciências e professora do Uniopet, Viviane Magas Bittencourt de Camargo explica que a criação de uma vacina é um processo lento e precisa de passar por várias etapas. 

“Para fazer a vacina basicamente é necessário saber como o patógeno funciona, desenvolver um protótipo vacinal, além de realizar centenas de testes clínicos para avaliar a sua eficácia e segurança. Em sendo assim, para que uma vacina chegue ao mercado consumidor, ela precisará ter passado por três fases”, orienta.   

Conheça as 3 fases para a criação de uma vacina:   

  1. Na primeira fase a vacina é testada em poucas pessoas, com doses diferentes, no objetivo de achar a dosagem mais eficaz para neutralizar o vírus sem causar danos ao organismo e com mínimo de efeitos colaterais.  
  2. Na fase dois aumenta-se o número de pessoas que vão receber a vacina e é formado, em paralelo, um grupo controle que recebe apenas um placebo. Nessa fase já é possível avaliar o potencial imunológico da vacina, assim como seus possíveis efeitos colaterais.   
  3. A terceira e última fase basicamente consiste em provar que a vacina funciona para proteger todas as pessoas. Seleciona-se então um número maior de indivíduos com diferentes perfis de saúde e de idade, inclusive os mais expostos ao Sars-CoV-2, para saber se estão ou não protegidos contra o vírus após o recebimento da vacina. A taxa de imunidade celular e a taxa de anticorpos são averiguadas.      

E quais são os tipos de vacinas contra o coronavírus sendo pesquisadas?   

A atenuação do vírus pode ser realizada de várias formas: vacina viva (vírus atenuado), vacina inativada (vírus morto) e engenharia genética (genética do patógeno).   

A vacina viva é um tipo de vacina na qual o vírus fica ativo, mas não apresenta a capacidade de desenvolver a doença. Com isso o organismo responde gerando anticorpos para neutralizar o agente agressor. A vacina desenvolvida pela empresa Sinovac utiliza esse método e mostrou-se segura, com capacidade de produzir anticorpos 28 dias após sua aplicação em 97% na fase dois, segundo informado na revista “The Lancet”.  

A vacina baseada na engenharia genética basicamente altera, de diferentes formas, a genética do vírus, modificando sua estrutura e permitindo, assim, sua atenuação. A vacina desenvolvida em parceria pela Universidade de Oxford e pela empresa AstraZeneca, testada no Brasil, utiliza-se de um adenovírus com genes do coronavírus.  A revista “The Lancet” informou que tal vacina mostrou-se eficaz, durante a fase dois, haja vista ter produzido uma quantidade exacerbada de anticorpos nos indivíduos testados.   

- A vacina JNJ-78436735, desenvolvida pela empresa Johnson & Johnson, também se vale da engenharia genética e igualmente apresentou resultados promissores.  

- Já a vacina BNT162 empreendida pelos laboratórios Pfizer e BioNTech atingiu 95% de eficácia com poucos efeitos colaterais. Ela utiliza a técnica que induz a atividade imunológica por meio do RNA. 

Além dessas vacinas, que são as mais divulgadas nos meios de comunicação, vale lembrar que diversas outras estão sendo elaboradas e testadas em todo o mundo.  Enquanto a vacina não chega, cabe a nós tomarmos todas as medidas protetivas para evitar que o nosso organismo seja infectado pelo novo coronavírus.

Importante seguir utilizando máscaras (que devem ser descartáveis ou higienizadas diariamente), manter as mãos sempre limpas e evitar aglomerações sem necessidade.   

Mas e a pergunta que não quer calar: FALTA MUITO?  

São ao menos 10 vacinas em fase final de testes em humanos. Quatro candidatas estão sendo testadas no Brasil, ou seja,  poderemos ter uma vacina produzida em tempo recorde, mas, ainda que elas sejam bem-sucedidas, será preciso superar obstáculos políticos e logísticos. A projeção otimista é de 3 meses para o início da distribuição das vacinas. 

Lembrando que a saúde pública nacional sempre prioriza os idosos, crianças com menos de 5 anos e os trabalhadores da área de saúde na primeira etapa.  




Por


Comentários