4 dicas de como usar a criatividade na manutenção de uma boa memória

08 de dezembro de 2020 0 min

Utilizar-se de ferramentas criativas na absorção de conteúdos importantes é o caminho para manter a memória sempre viva  

Qualquer processo de aprendizagem efetiva depende muito de uma boa memória, isso é fato. Tudo que aprendemos, toda bagagem cultural e lembranças devemos a essa capacidade. Memorizar é guardar conhecimento! Mas quem aí nunca sentiu que, às vezes, a memória falha um pouco? E não pense que isso é coisa da idade, muitas vezes o estresse e outras várias questões podem afetar neste sentido. 

Então, quem não gostaria de manter a memória sempre viva e pronta para ser acessada nos momentos certos?   

Antes, é importante saber que a memória não é um talento que cada um de nós tem. Na realidade ela é um hábito que precisa ser mantido. O bom disso é que para que ela esteja “saudável’ podemos treiná-la. De acordo com o escritor e palestrante americano  

Kevin Horsley, no seu  livro “Unlimited Memory”, existem quatro pontos-chave a ter em conta quando pretendemos melhorar nossa memória.  

Concentração 

As distrações do dia a dia são inimigos importantes da nossa boa memória. Exercitar nossa capacidade de se concentrar frente a esses estímulos é algo bastante importante. Pode ser uma mensagem nos aplicativos, um email, uma notificação de alguma rede social, ou mesmo quando alguém se dirige a nós num momento em que estamos focados. 

Por isto, nos momentos em que você precisa absorver qualquer informação que vai precisar se lembrar mais tarde é preciso evitar quaisquer distrações.  

Associe o conteúdo a imagens  

Aqui que entra a criatividade e como ela é uma grande aliada da memória! A memória é um processo criativo, não um processo fotográfico. Por vezes num exame sabemos perfeitamente em que página do livro, ou apontamentos, se encontra a resposta, mas não nos lembramos do conteúdo página que é, precisamente, o que precisamos de saber. 

Para isso é necessário que a informação se torne vida. Vamos a um exemplo. Você se lembra do último livro que leu? Você gostou desse livro? Conseguiria contar para alguém sobre ele detalhadamente? Se a resposta para a maior parte dessas perguntas é não, uma forma de a melhorar é associar imagens, construir um filme na sua cabeça a medida que a leitura avança. Ou melhor, ser bastante criativo no processo de absorção do conteúdo.   

Utilize organização superior 

Se um dos segredos para uma excelente memória consiste em traduzir a informação em vida com a nossa imaginação, o segredo para uma aprendizagem mais rápida é uma organização superior. E parte dessa maior organização depende de ligar conceitos. Quando ligamos um conceito a uma parte do nosso corpo, ou lugar onde estivemos, na prática, estamos a associar a informação que queremos memorizar a uma experiência. 

Se formos criativos em construir uma viagem com a informação através de associações entre imagens e conceitos, criamos uma experiência mais simples e fácil de memorizar.  

Mais importante: pratique!   

Mas, não adianta nada disso que falamos anteriormente se não houver a prática. Quanto mais praticarmos, melhor nos tornamos na capacidade de memorizar. Aqui cabem umas dicas extras para melhorar sua memória:   

  1. Praticar jogos como sudoku, jogo das diferenças, caça palavras, dominó, palavras cruzadas ou montar um quebra-cabeças; 

  1. Ler um livro ou assistir um filme e depois contar para alguém; 

  1. Fazer uma lista de compras, mas evitar utilizá-la durante as compras e depois conferir se comprou tudo que estava anotado; 

  1. Tomar banho de olhos fechados e tentar lembrar o local das coisas; 

  1. Mudar o percurso que faz diariamente, pois a quebrar a rotina estimula o cérebro a pensar; 

  1. Trocar o mouse do computador de lado para ajudar a mudar os padrões de pensamento; 

  1. Comer comidas diferentes para estimular o paladar e tentar identificar os ingredientes; 

  1. Fazer atividades físicas como caminhada ou outros esportes; 

  1. Fazer atividades que precisem de memorização como teatro ou dança; 

  1. Usar a mão não dominante. Por exemplo, se a mão dominante for a direita, deve-se tentar usar a mão esquerda para tarefas simples; 

  1. Encontrar com amigos e familiares, pois a socialização estimula o cérebro.  





Compartilhe