Webinar debate Inteligência Emocional

06 de agosto de 2021 0 min


Webinar UniOpet debate Inteligência Emocional

Evento promovido pelo UniOpet traz especialista para discutir uma das soft skills mais valorizadas no mercado


A Inteligência Emocional (IE), uma das soft skills mais valorizadas no mercado corporativo e educacional, será tema do webinar que o UniOpet  promove no próximo dia 26 de agosto, às 19 horas, com a presença da Danielle Fausto, formada pela Sociedade Brasileira de Coaching, especialista em Gestão Empresarial pela UFPR e também finalista do Prêmio Empreendedora Curitibana. Para participar, basta acessar o link AQUI.

Segundo a especialista, para falar sobre inteligência emocional, é preciso, antes de mais nada, entender o que é. “Não menos importante que a saúde física, a nossa mente e emoções merecem cuidados especiais, principalmente nesse momento de mudanças constantes que estamos vivendo”, explica Danielle.

De acordo com ela, nossa emoção é a principal responsável pelas nossas atitudes, comportamentos e resultados. “Então, se queremos ter boas experiências, equilíbrio de vida e hábitos mais construtivos, precisamos começar a dar mais atenção para o nosso sentir, através da Inteligência Emocional”, adianta.

Mas saber como agir em momentos de dificuldades, assim como melhorar os pensamentos e atitudes exige um gerenciamento das emoções.É aí que a Inteligência Emocional se faz necessária. Para que as soft skills sejam desenvolvidas e bem empregadas, existem técnicas e metodologias que a especialista irá debater durante o webinar. 

Veja algumas, a seguir: 

• Analise seu comportamento
Analise seu comportamento diante de situações, sejam elas boas, ou ruins. Mas, principalmente, aprenda com as ruins. Veja como sua mente e corpo reagem e tente entender. A IE está na avaliação de sensações e atitudes e na compreensão de como elas impactam a sua vida. Ajuda na mudança quando perceber que o impacto foi negativo. Quem desenvolve a Inteligência Emocional no trabalho é capaz de aprender com as experiências ruins e fazer do limão, uma limonada.

• Autocontrole
Todo mundo está sujeito a ter uma crise e perder a linha. É natural do ser humano. Mas como o homem já evoluiu, o cérebro precisa se adaptar. É que a impulsividade não é a melhor aliada na maioria das situações. Então, o jeito é dominar os impulsos e emoções antes de tomar decisões. Exercícios que envolvem a respiração e meditação, por exemplo, ajudam.

Autoconfiança
Nem sempre é fácil chegar aonde se quer. Existe um longo caminho pela frente. Logo, é importante reconhecer seus pontos fortes e fracos. E trabalhar para melhorá-los ou modificá-los. E esse desafio só pode ser vencido pela autoconfiança. Nosso cérebro possui um potencial enorme. Acontece que a maioria das pessoas não têm consciência disso. E desiste quando encontra obstáculos. Por isso, acreditar no seu potencial e na sua capacidade é necessário para gerenciar crises e criar oportunidades.

• Panela de pressão
Em tempos de pandemia e isolamento, a pressão é ainda maior. A pressão pode ser externa, vinda de uma chefia, por exemplo. Ou interna, por cobrança de resultados. Então, temos que priorizar o que é importante, senão a ansiedade toma conta da situação. Alguns mecanismos ajudam a aliviar a situação. Faça listas, priorizando o que é mais ou menos importante. Cuidar da saúde, tirar um tempo para a diversão e respeitar seus limites ajudam a controlar a ansiedade. Quanto mais se aplica a IE, mais o indivíduo se sente seguro.

Diálogo é tudo
A fala é a melhor forma de expressão. Quantas vezes já não interpretamos errado a fala de alguém e depois de uma explicação, conseguimos compreendê-la? Então, a fala é o melhor caminho para entender e compreender as emoções internas e alheias. Pelo diálogo somos capazes de compreender e resolver questões complexas, sem obscurantismo.

E empatia, mais ainda
• Nada melhor para entender o outro do que colocar-se no lugar dele. Isso se chama empatia. Ajuda a ser mais tolerante e compreensivo. O resultado é a constatação que as pessoas ao seu redor têm necessidades, limitações e falhas. Mas, assim como você, talentos e qualidades. Segundo Goleman, o conhecimento de si mesmo alimenta a empatia. Isso porque, quanto mais conscientes somos acerca de nossos próprios sentimentos, mais conseguimos entender a emoção alheia.


ACESSE NOSSO SITE

Compartilhe