Violência contra a mulher: a agressão começa com palavras

27 de novembro de 2020 0 min

Na última quarta-feira celebrou-se o Dia Internacional do Combate à Violência contra a Mulher e neste ano a data levantou a discussão sobre a escalada da violência, que inicia-se com palavras e pode se tornar física 

O dia 25 de novembro celebra o Dia Internacional do Combate à Violência contra a Mulher. Esta data busca, anualmente, trazer a tona discussões que conscientizem sobre a violação dos direitos da mulher já tão enraizada em nosso cotidiano, em especial no Brasil. 

Para se ter uma ideia, durante o período da pandemia do Covid-19, de acordo com a pesquisa UM VÍRUS E DUAS GUERRAS, realizada em parceria de 9 veículos de imprensa independente do país, uma mulher brasileira é morta a cada 9 horas de forma violenta  

Neste ano, uma grande empresa de ensino de idiomas, em parceria com o Movimento Me Too Brasil e o Instituto Maria da Penha criaram uma campanha com intuito de dar voz a mulheres do mundo todo. Esses relatos comprovam que, na maior parte dos casos, a violência contra a mulher começa com as palavras. 

É importante relatar que de acordo com a Lei Maria da Penha o crime de violência contra a mulher enquadra as agressões psicológicas, sendo possível pedir a prisão ou medidas protetivas contra o agressor.  O crime de violência verbal, que afeta profundamente a saúde mental, é registrado, anualmente, cerca de 50 mil vezes. 

De acordo com dados do Sinan - Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Ministério da Saúde - 48% das denúncias são contra namorados, cônjuges e , em especial, ex-parceiros  

Ao primeiro sinal, se afaste e denuncie!   

A partir de toda essas informações é importante relembrar: a violência começa com as palavras e em grande parte delas escala para violência física e até mesmo feminicídio. Neste caso, ao menor sinal de uma relação abusiva é preciso se afastar. As relações abusivas normalmente seguem um padrão, explicado nas três fases abaixo:   

Fase 1: 

Nesta fase estão presentes as ofensas verbais, xingamentos, humilhações, gritos, crises de ciúme. Nesta fase está presente a violência psicológica, manipulação e controle, por isso ainda é difícil identificar o abuso, porque a vítima começa a ter seu psicológico abalado. 

Fase 2: 

A violência psicológica evolui para as agressões físicas, beliscões, empurrões, tapas, socos, chutes, pontapés, etc., além do que a vítima já sabe que está em um relacionamento abusivo, porque as marcas ficam visíveis: olho roxo, marcas pelo corpo, cortes e ossos quebrados. Normalmente esse é o momento em que as mulheres decidem sair da relação, pedem separação e fazem a denúncia na delegacia. 

Fase 3: 

O abusador sente que está perdendo controle sobre a vítima e entra na última instância do abuso, que é a famosa fase lua de mel. Ele se arrepende, diz que isso não vai mais acontecer, usa de uma manipulação para que a vítima acredite que seu comportamento foi resultado de muito amor e que apenas perdeu a cabeça, tentando manter o controle para que a vítima permaneça como vítima na relação. 

Infelizmente nesta fase muitas mulheres acreditam que o abusador irá mudar e perdoam, voltando para fase inicial dos abusos.  

Em briga de marido e mulher, devemos meter a colher?   

A resposta é SIM! Se você vir uma mulher sendo agredida física ou psicologicamente é dever seu de cidadão, formalizar uma denúncia. Muitas mulheres devido a dependência emocional e financeira de seus parceiros acabam não prestando queixa, mas o que elas talvez não saibam é que após uma relação agressiva existe muita vida para ser vivida e muitas possibilidades de resgate e cura. 

Por isso todos temos que estar atentos para auxiliar e, quem sabe, até mesmo salvar vidas.  E, lembre-se,  se você está sendo agredida, existem algumas opções em Curitiba para formalizar a queixa:  

- Central Nacional de Atendimento à Mulher  -  Em todo território nacional o telefone é 180.  

- Delegacia da Mulher de Curitiba – Registra B.O.(Boletim de Ocorrência), faz proteção e investigação dos crimes de violência doméstica, feminicídio e violência sexual. Telefone: (41) 3219-8600 

- Patrulha Maria da Penha – Guardas Municipais realizam o acompanhamento das mulheres que já receberam medida protetiva, em visitas periódicas.   Das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira. Telefone: 3221-2761  

- Casa da Mulher Brasileira - A Casa da Mulher Brasileira, vinculada à Assessoria dos Direitos Humanos, nunca fecha. Funciona todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados, com estes serviços:   Acolhimento, Triagem e apoio psicossocial - Realizados por Assistentes Sociais e Psicólogas. Brinquedoteca - Para crianças de 0 a 12 anos de idade, enquanto as mulheres recebem atendimento em qualquer um dos serviços na Casa. Central de transportes – deslocamento de mulheres para os demais serviços da Rede de Atendimento. Telefones: (41) 3221-2701 e (41) 3221-2710 



 
 

Compartilhe