Tendência: Modelo híbrido de ensino em alta em 2022

28 de janeiro de 2022 0 min


Aulas semipresenciais combinam o melhor da tecnologia e da prática no mesmo curso

A tecnologia é uma realidade na educação há muito tempo. No entanto, para alguns cursos superiores, não é possível que todas as aulas ocorram online. É preciso prática, também. Para atender a essa questão, surgiu o ensino híbrido, também conhecido como semipresencial.

O formato é novo e ainda traz muitas dúvidas para quem não entende como funciona.

Em resumo, o ensino híbrido é um formato que une o melhor do online e do presencial, sendo uma opção para alunos que não têm muita disponibilidade de se deslocar diariamente à faculdade.

Oferece, assim, flexibilidade para estudar. E se encaixa em muitas formações com uma grade curricular que une matérias teóricas e práticas, aquelas realizadas em laboratórios, clínicas e outros espaços, por exemplo.

Para Adriana Karam, presidente do Grupo Educacional Opet e reitora do UniOpet, as aulas remotas, o uso intensivo de plataformas tecnológicas e o contato presencial reduzido trouxeram uma nova percepção para o modelo de ensino híbrido, que desaguou num novo modelo de educação.

“Tivemos toda uma caminhada que culminou com a revisão do modelo pedagógico, construído em sintonia com professores e estudantes. O modelo híbrido é mais consistente, oferecendo a possibilidade da presença dos estudantes no campus, privilegiando as atividades práticas, de manipulação, trocas e convívio social, mas mantendo os trabalhos virtuais de construção do conhecimento”, explica.

Pesquisa realizada pelo UniOpet apontou que 57% dos estudantes da instituição preferem o modelo híbrido. “O aluno consegue administrar melhor o tempo nas aulas remotas, com possibilidade de estudar de modo assíncrono, deslocando-se apenas quando for necessário. Em relação às aulas e atividades presenciais, nós percebemos como o contato humano faz falta, mas que precisa ser administrado como algo central, de onde parte uma rede de conexões de convívio e aprendizado”, reforça a reitora.

Adriana Karam também defende o estreitamento de laços entre a formação acadêmica e as necessidades do mercado de trabalho. “Em meio a esse cenário de incertezas do ensino híbrido, é essencial a aproximação entre a academia e as empresas, para que a gente possa encontrar caminhos de colaboração, coprodução de soluções para o desenvolvimento humano. Com professores que possam tornar os momentos de presencialidade mais ricos: é preciso realizar uma construção conjunta com os estudantes, em que cada aula presencial seja vista como um evento.”

Como funciona?
No ensino híbrido, o aluno cursa as disciplinas teóricas do seu notebook, tablet ou smartphone, na hora que quiser, porque elas ficam em uma plataforma digital. Com isso, pode acompanhar os tópicos no seu ritmo e no horário disponível.

Com isso, ganha-se autonomia para fazer o curso, podendo até mesmo avançar mais rápido nas matérias com as quais têm mais facilidade.

Já naquelas que exigem mais, é possível revisar quantas vezes quiser, podendo fixar bem todo o conteúdo.

Já as disciplinas práticas são praticadas em laboratórios ou outros espaços.

O grande desafio dessa metodologia é a instituição de ensino oferecer uma ótima infraestrutura física e digital. Por isso, é fundamental escolher faculdades de referência no mercado e que tenham uma boa infra-estrutura, como o UniOpet, que oferece todos os cursos dentro deste modelo de ensino no período da pandemia da Covid-19.

Com isso, além de ter uma boa experiência de ensino no online e presencial, você sabe que pode contar com  professores qualificados e uma grade curricular atualizada, que traz todas as tendências da sua área.

Mas é preciso que o aluno esteja disposto a aprender em dois formatos diferentes.

Flexibilidade para estudar
A grande vantagem do ensino semipresencial é que a modalidade permite que se estude sem precisar fazer grandes alterações em sua rotina. Dá para cursar a faculdade e trabalhar ao mesmo tempo, possibilitando manter a uma renda no período da formação.

Além disso, os custos das faculdades do modelo híbrido têm um valor menor que os mesmos cursos no formato presencial, e ainda se economiza com o transporte até a faculdade. Com isso, consegue se qualificar sem apertar o orçamento!

Oportunidade de networking
No ensino híbrido é possível  aproveitar os benefícios da tecnologia para estudar, mas também participar dos encontros presenciais. Dessa forma, conhece os colegas e os professores, o que vai ampliar seu networking, que é a rede de contatos profissionais.

A importância disso tudo é que além de permitir a troca de conhecimento e de experiência, pode facilitar sua inserção no mercado de trabalho, conseguindo, por exemplo, indicações para uma vaga de emprego. Ajuda ainda a fazer parcerias profissionais e a ficar mais bem-informado sobre as novidades e oportunidades na sua área.

Desenvolvimento de habilidades digitais
O contato com a plataforma digital de ensino vai propiciar o desenvolvimento de habilidades digitais. Você fica mais familiarizado com a tecnologia e com o uso de diferentes programas, o que será valorizado pelas empresas.

Reconhecido pelo MEC
Os cursos semipresenciais são reconhecidos pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura), ou seja, têm o aval do órgão federal para funcionar. Isso garante boas condições de infraestrutura, qualificação dos professores, entre outros aspectos avaliados periodicamente para uma boa formação. Além disso, é a certeza de conquistar um diploma de ensino superior aceito em todo o território nacional

Confira aqui quais são os cursos oferecidos pelo UniOpet e faça sua inscrição para o vestibular.