Síndrome do impostor: quando você acredita que não é bom o suficiente

02 de setembro de 2020 0 min

O psicólogo clínico Bruno Alexandre Carneiro explica como funciona este desequilíbrio psicológico e dá algumas dicas de como buscar superação  

Se você sente constantemente que o que você faz não é bom o suficiente, que você  não é capaz de desempenhar tarefas para as quais está preparado, você pode ter a chamada síndrome do impostor. É um termo psicológico que descreve um padrão de comportamento no qual você duvida de suas realizações e tem um medo persistente de ser exposto como uma fraude, como incompetente. 

O psicólogo clínico Bruno Alexandre Carneiro desmistifica esta condição e ainda dá dicas de como superar os sintomas para que a vida profissional se desenvolva com autoestima e tranquilidade. 

"Essa síndrome pode ser caracterizada por um fenômeno psicológico caracterizado por uma crença incapacitante, onde a pessoa  encontra em si características específicas que reforçarão a sua auto-imagem depreciativa, ou credibilizarão seu sucesso comumente a algo externo. Ele explica que tais crenças influenciam e sofrem influência conforme nos relacionamos com as pessoas e com o ambiente. As pessoas com pensamentos “impostores” manifestam discursos exagerados quando tocam em assuntos que evidenciam suas dificuldades e/ou limitações, não credibilizando o seu resultado à sua inteligência, habilidade interpessoal, capacidade de resolver problemas", explica o terapeuta. 

A Síndrome do Impostor pode prejudicar a vida de uma pessoa em diversos aspectos, mas na área profissional ela pode se manifestar com uma super exigência em apresentar um excelente resultado em suas metas estabelecidas. 

Influenciada por crenças incapacitantes, o pensamento “impostor” provocará medos no indivíduo de que as pessoas não aceitarão que seu resultado esteja “perfeito” e “perceberão” sua incapacidade de apresentar resultados interessantes e satisfatórios, pondo em xeque seu potencial profissional, como se fosse uma fraude”, conclui o psicólogo  

Mas como podemos identificar se uma pessoa está sofrendo com esta síndrome? É realmente difícil percebermos o impacto que sofremos a partir dessa síndrome. 

No entanto, é importante observar:   

- se você considera que as pessoas são sempre mais inteligentes que você;  

- se você considera que as pessoas perceberão os erros cometidos na apresentação de seu trabalho;  

- se você sempre acredita que a insegurança, o medo, a culpa e a ansiedade arruínam sua capacidade de obter bons resultados;  

- que você tem se esforçado menos que todos os outros;  

- se você sente-se como bode-expiatório para com o chefe;  

- se você agrada todo mundo para evitar que as críticas “evidencie” seu “baixo-desempenho”; 

- se você procrastina o máximo que conseguir, para reforçar a crença de que não consegue fazer bem feito; 

- se você sente medo de avaliação, medo de feedback, dificuldade de internalizar positivos feedbacks, de fracassar, de não ter sido bom o suficiente seu resultado; 

Se você percebe que esses pensamentos impostores são frequentes em seu dia a dia e condiciona seu comportamento, cuidado, pois você pode estar sendo dominado pela Síndrome do Impostor.   

Qual o caminho para um profissional/estudante superar esta síndrome? 

Pode parecer tendencioso,  após falarmos com o terapeuta Bruno, mas é importante que a pessoa busque ajuda de um profissional psicoterapeuta (psicólogo ou psiquiatra) que o auxiliará a perceber as influências que a Síndrome do Impostor pode ter prejudicado e/ou continua prejudicando em sua vida. “, orienta o profissional. 

É constante o desafio em indicar qual o “melhor” tratamento, pois existem diversas vertentes psicológicas que intervirão com técnicas, métodos e abordagens distintas. 

A orientação é que o sujeito busque pela abordagem que mais se sente motivado em revelar seus pensamentos e aja com coragem em mudar os comportamentos que conseguir e identificar e ressignificar suas crenças que impedem-no de progredir para uma relação mais saudável consigo e com quem convive. Para isso é interessante, antes de iniciar a terapia, pesquisar mais sobre algumas abordagens da psicologia, tais como:  

- Terapia Cognitiva Comportamental; 

- Psicologia Comportamental; 

- Psicologia Humanista; 

- Psicanálise; 

- Psicologia Analítica;  

- Psicodrama; 

- Gestalt-terapia;  

Como um líder, ou um professor, pode incentivar positivamente sua equipe, ou alunos?   

É comum (e talvez equilibradamente necessário) que carreguemos conosco uma porção de desconfiança sobre nosso “melhor” resultado. Exigir demais de uma resposta pode provocar sentimento de desespero e frustração pela explicação da crença “mas poderia ter sido melhor”. 

Exigir o mínimo pode provocar o sentimento de “desleixo”, “pouco caso”, como quem delega “à vida levá-lo até a sorte”. A sugestão para esses líderes vem do psicólogo: 

“Utilizar, dentre as diversas maneiras já existentes, a estratégia que em Análise do Comportamento Aplicada chamamos de “Reforço Positivo”: dar atenção para o que aumenta o comportamento de aprendizagem de um indivíduo, evitando os discursos que distanciam quando, ao contrário, se pretende aproximar e acolher o sujeito com suas limitações e dificuldades. No entanto, é importante que os professores se re-eduquem emocionalmente e comportamentalmente, se assim for necessário, para que não reforce a crença do pensamento impostor de um sujeito”, salienta 




Por


Comentários