Seu bolso bem educado

31 de agosto de 2021 0 min

Reunimos boas dicas para você começar já a entender como cuidar de seu dinheiro para que seus sonhos virem realidade

Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), educação financeira é o processo que permite melhorar a compreensão em relação aos produtos e serviços financeiros, tornando- se capaz de fazer escolhas de forma bem consciente.

Em outras palavras, educação financeira é a habilidade de entender como o dinheiro funciona. E isso nunca se fez tão necessário, ainda mais em tempos de pandemia.

Uma pesquisa realizada no início deste ano apontou que 47% dos entrevistados passaram a fazer planos para o futuro por causa da crise decorrente da pandemia da Covid-19 e 90% admitiram ter a necessidade de uma educação financeira.

A pesquisa apontou ainda que 63% dos entrevistados afirmaram ter apenas conhecimento básico sobre finanças pessoais.

O estudo foi feito pelo Instituto Locomotiva, em parceria com a Xpeed, braço de educação financeira da XP, e apontou uma mudança no comportamento do brasileiro.

Quanto gastar, quanto investir, onde economizar, qual a melhor forma de comprar, como combinar diferentes objetivos? Esses questionamentos em tempos de crise são ainda mais necessários e exigem um olhar super atento às próprias contas. Confira.

Ganhos X Gastos
Saber o que entra e o que sai de dinheiro na conta é essencial para manter os pagamentos em dia e saber até onde se pode ir.

Coloque em uma planilha (na internet há várias) seu orçamento mensal e considere uma divisão simples: 50% para gastos essenciais (moradia, alimentação, saúde, água, luz, internet, etc) e 30% em gastos pessoais (como lazer, viagens). Dessa forma, você conseguirá poupar 20% da sua renda.

Se essa proporção ainda não é realista para você, use-a como uma meta a ser perseguida. E há pelo menos dois caminhos para isso: reduzir despesas de um lado e aumentar as receitas de outro, investindo na própria formação e fazendo trabalho extra.

Ter folga nas receitas, em relação às despesas, é a base para que os próximos passos da educação financeira pessoal sejam possíveis.

À medida que se vai criando uma “gordurinha”, ou seja, a diferença entre as receitas e despesas, fica mais fácil se preparar para imprevistos e investir.

Tenha metas
Ter um objetivo, mesmo que pequeno, é o melhor estímulo para alcançar algo ainda maior.  As pequenas conquistas de curto prazo podem servir como incentivo para alcançar as metas consideradas de longo prazo.

Tenha um planejamento detalhado, objetivando o que esperar e quais as metas parciais. Sem isso, você pode ficar com a impressão de que o plano não está dando certo.

Tenha reservas
Imprevistos acontecem, então, ter uma reserva vai te trazer a paz financeira. Esse fundo é exclusivo para cobrir eventos inesperados, como reparos em casa, doenças ou perda de emprego. Se você ainda não tem, comece ontem a poupar para formar sua reserva.

A maioria dos analistas financeiros recomenda que a reserva de emergência seja equivalente a seis salários. Mas não se preocupe se não for. O importante mesmo é ter uma quantia para não passar apuro.

Sem contas atrasadas
Se tiver contas atrasadas, quite. Liste todas as dívidas. Dos gastos no cartão de crédito às contas da casa, carro e etc, sem se esquecer de registrar os juros cobrados e o tempo em atraso de cada uma.

Entre em contato com as instituições para quem você deve e negocie seu débito. Tente fazer um acordo que caiba no seu bolso.

Invista
A educação financeira, quando aliada aos investimentos certos, pode proporcionar um futuro bem mais tranquilo.

E se engana quem pensa que para começar a investir é preciso ter muito dinheiro. Isso não poderia estar mais errado: qualquer um pode investir, não importa a quantia que tenha.

3 passos para começar a investir

  1. Tenha em mente que os investimentos dão retorno a médio e longo prazo. Ou seja, não espere ganhar muito dinheiro de um dia para o outro;

  2. Investir  precisa se tornar um hábito. Separe uma quantia por mês, ainda que o valor seja pequeno;

  3. Procure uma instituição financeira e analise as opções que ela oferece para investir seu dinheiro de acordo com seu perfil. Isso é muito importante! Todas elas oferecem apoio técnico.

Em resumo:

●     Educação financeira não é sobre entender apenas a teoria – mas sim sobre como agir no dia a dia em relação ao dinheiro;

●    Informar-se mais sobre termos financeiros é um jeito de começar a se organizar;

●     Para ter um vida financeira mais planejada, o primeiro passo é analisar seus ganhos, gastos e montar um orçamento;

●     Investir não é só para quem tem muito dinheiro. Existem opções no mercado para diferentes perfis de investidor – vale apenas ficar atento aos riscos e prazos de resgate.

Conceito vai pra sala de aula:
Não deixe de investir na própria formação e contar com a ajuda qualificada de instituições como o UniOpet, que oferece cursos como Gestão Financeira, que também alavancam uma nova carreira profissional.

Nas escolas públicas também agora é obrigatório oferecer orientações sobre  conceitos básicos de economia e finanças para os alunos do ensino fundamental.

Além disso, temas como taxas de juros, inflação, aplicações financeiras, rentabilidade, investimentos e impostos também serão discutidos em sala de aula.

Já para o Ensino Médio, a educação será mais focada na compreensão de temas mais complexos como o sistema monetário nacional e mundial.

O programa Aprender Valor, do Banco Central, é voltado para a rede pública de ensino fundamental e está sendo implementado em caráter experimental em todas as regiões do país, incluindo o Paraná, de maneira experimental.

O Aprender Valor tem como objetivo incentivar o desenvolvimento de competências financeiras por parte dos estudantes, para que possam desenvolver uma relação consciente, responsável e autônoma dos recursos financeiros desde a infância.

A ideia é preparar o aluno para lidar melhor com o dinheiro no dia a dia, antes mesmo de entrar no mercado de trabalho. O tema é abordado de forma integrada às disciplinas obrigatórias da grade curricular, como Matemática, Língua Portuguesa e Ciências Humanas.

Atualmente, 429 escolas em 257 municípios estão envolvidas com o projeto piloto. Mais de 1.200 profissionais, entre gestores e professores, estão cursando ou já concluíram as formações oferecidas de forma on-line. Já foram beneficiados 14 mil estudantes nos estados do Ceará, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Pará.

 🏆 Bônus  🏆 

7 Podcasts para aprender

Assim como o rádio, os Podcasts são um tipo de mídia capaz de transmitir informações em áudio. Mas a principal diferença entre os dois é que o podcast oferece um conteúdo sob demanda e sob medida, entre eles a educação financeira..

O legal neste tipo de mídia é que se pode ouvir o áudio na hora e no lugar em que desejar, seja pelo celular, tablet ou computador, a partir de diversas plataformas online, como o Youtube, Spotify, Google Podcasts, Apple Podcast, Castbox, Deezer, Soundcloud, entre outros.

O podcast surgiu no Brasil em 2004 e hoje o país ocupa o segundo lugar de consumo deste conteúdo no mundo, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Spotify.

De acordo com um levantamento do Ibope, 4 em cada 10 internautas, ou seja, 50 milhões de brasileiros já escutaram algum podcast. Do total, 16 milhões se consideram fiéis a este formato de conteúdo. Confira alguns

1. G1 – Educação Financeira

 O Podcast de finanças do G1 ajuda as pessoas a manter o dinheiro no bolso sem muito aperto com dicas sobre economia e organização das finanças pessoais.
Clique aqui para ouvir.

2. FinanCast

O Podcast da FinanCast é indicado para quem quer começar a estudar o assunto.Aborda temas como finanças, economia, investimentos e empreendedorismo.
Clique aqui para ouvir.

3. DinheiramaCast

Com dezenas de episódios, o DinheiramaCast busca mudar a vida financeira das pessoas, a partir de dicas sobre finanças e organização financeira, além de conteúdos para quem quer aprender sobre investimentos.
Clique aqui para ouvir.

4. Drops de Inteligência Financeira

Este Podcast é formado por áudios curtos, porém de grande conteúdo sobre inteligência financeira, investimentos e finanças pessoais.
Clique aqui para ouvir.

5. Educando seu bolso

Criado por profissionais do mercado financeiro, o Podcast tem o objetivo de facilitar a relação das pessoas com o dinheiro, a partir de uma linguagem simples e conteúdos de qualidade.
Clique aqui para ouvir.

6. PoupeCast

O PoupeCast é considerado um dos melhores podcasts de educação financeira, finanças pessoais e investimentos do Brasil.

Os conteúdos são produzidos com o objetivo de ensinar aos ouvintes a importância de dominar e gerenciar bem o seu dinheiro.
Clique aqui para ouvir.

7. Bora Dominar

A partir de uma bate papo descontraído, Luciana Fiaux e Winola Tavarez conduzem os episódios desse Podcast com o objetivo de transformar a relação das pessoas com o dinheiro, além de dominar as finanças para aproveitar mais a vida.
Clique aqui para ouvir.

Todas as dicas de Podcasts acima estão disponíveis gratuitamente nas principais plataformas.