Sem tremer, sem gaguejar: a arte de palestrar só depende de você

02 de agosto de 2021 0 min

Falar bem em público não é um dom, mas sim um conjunto de técnicas que podem ser aprendidas e praticadas


Martin Luther King, Barack Obama, Mahatma Gandhi, Steve Jobs e, aqui no Brasil, Mário Sérgio Cortella, Pedro Janot e Max Gehringer. O que todas essas personalidades têm em comum? O dom da oratória. Todos são ótimos palestrantes, sabem falar em público e têm carisma.

Mas, afinal, o que os palestrantes têm de tão especial? Por que para alguns é tão fácil fazer uma boa apresentação, enquanto outros não obtêm tanto sucesso? Quais são as técnicas utilizadas? Como ser um bom palestrante ou, pelo menos, conseguir apresentar-se para uma plateia, transmitindo sua mensagem sem entrar em pânico ou não atrair a atenção?

Existem truques para falar em público. Uma boa redação e dicção, um bom planejamento e pesquisa do tema abordado, entre outros, ajudam a tornar a experiência gratificante.

Objetivamente, as palestras visam a ensinar, informar ou entreter, como no caso dos stand-up comedy, tão comuns hoje em dia. Mas todas as dicas valem para grandes audiências ou pequenos públicos, como sua equipe de trabalho, um grupo de clientes, a banca do TCC...

O legal desse formato de apresentação é que ele apresenta a comunicação de uma forma diferente: de um para todos. Podem ser presenciais ou online e, nesse último caso, geralmente são chamados de webinars.

Se antes palestrar era privilégio de alguns, hoje a técnica já se estendeu para o ambiente do trabalho e dos estudos. É o carro-chefe de especialistas e professores, uma forma didática e dinâmica de dividir conhecimento. Não é mágica, é conhecimento e técnica. E você pode se aprofundar no tema, com muitas fontes na internet.

Veja algumas dicas:

• Domínio da língua
Assim como na escrita, o bom português também deve ser falado. Uma boa ortografia, assim como uma boa pronúncia, fazem a diferença para uma boa explanação. E não tem escolha, é preciso estudar muito o que se vai falar. Treinar na frente do espelho, gravar em voz alta. E não adianta decorar o que se vai falar. Até pode. Mas depois de uma palestra, sempre rola um debate. Então, ter um bom português é fundamental para poder dialogar com seus ouvintes. Ande com um dicionário no bolso, ou baixe aplicativos que ajudam a tirar dúvidas da língua e da gramática. Estude.

• Planejamento
Planeje a apresentação. Por mais que haja domínio do tema, é preciso planejar o que será dito. Um bom planejamento evitará que você olhe a todo momento para as anotações ou powerpoint. Por trás de todo discurso, há um bom roteiro a ser seguido. 

 • Ensaie
Uma boa notícia: se você acha que não é um bom palestrante, fique tranquilo, a arte da oralidade não é um dom, mas uma habilidade que pode ser treinada e aprimorada ao longo da vida. Muitos especialistas costumam treinar na frente do espelho, pronunciando as palavras, treinando o timbre e a respiração.
E a voz não é o único recurso a ser usado na apresentação, também tem o gestual. Postura do corpo e dos braços, expressões faciais. E sabe aquela piadinha, que sempre descontrai? Até ela pode ser ensaiada antes da apresentação!
Alguns palestrantes costumam até usar o cronômetro, uma boa alternativa, já que tem horários para começar e acabar.

• Voz é tudo
Assim como cantores, apresentadores e jornalistas, um bom palestrante também depende da voz. Muitos profissionais fazem exercícios antes de falar ou cantar em público.  Alongamento, exercícios vocais, dicção e aquecimento vocal são praticados antes de entrar em ação. Alguns alimentos, como maçã, ajudam a limpar o aparelho vocal. Beba muita água, evite gritar, fumar, consumir bebidas alcoólicas antes de palestrar. Essas práticas costumam prejudicar a voz. E cuide da saúde para não adoecer. Gripes e resfriados atingem diretamente a voz, impossibilitando uma apresentação.

• Conte histórias
Não existe nada mais maçante do que uma palestra puramente técnica. É sem graça. Então, uma boa alternativa é recheá-la com histórias. Estudos indicam que o cérebro humano absorve histórias de um jeito diferente. Ao inserir um personagem, cria-se a empatia, o que dá a sensação de que o ouvinte também viveu aquela experiência. Pode-se contar histórias próprias, ouvidas ou inventadas. O ideal é criar um vínculo com a plateia, usando o storytelling para trazer proximidade com o que se está falando.

 • Conectividade
A simples presença no palco ou no vídeo já estabelece uma conectividade. Por isso é preciso transparece bom humor, mostrar-se relaxado e confortável. E aqui o entusiasmo conta, e muito! Se a palestra for presencial, estabeleça contato visual com os ouvintes. Procure focar em alguns na plateia, isso ajuda o pessoal a se sentir incluído.
E dá para ir mais além: em algumas ocasiões, se couber, chame alguém para subir ao palco. Isso não serve apenas para aproximar, mas demonstra que você não está em posição de autoridade, criando uma empatia ainda maior com o público. Por fim, sorria, acene, cumprimente as pessoas. Esses simples gestos ajudarão a ter uma conectividade ainda maior com os ouvintes.

 • Aqui e agora
Foque no presente. A concentração é muito importante para quem vai falar para um grupo de pessoas. Tente não se desconcentrar com a tosse de alguém da plateia, ou o toque de um celular ou mesmo com o barulho da rua. Um bom palestrante precisa se adequar ao ambiente e mostrar ao público que o conteúdo exibido é mais importante. Para ajudar a concentrar a audiência, use recursos de imagem. Tanto nas palestras presenciais, quanto nas digitais. Fazem uma grande diferença, ilustram o que está sendo dito e ajudam na concentração. 


ACESSE NOSSO SITE

Compartilhe