Seleções e contratações: cada vez mais digitais

11 de abril de 2022 0 min

Como devo me comportar? A pandemia da Covid-19 acelerou tendência do recrutamento on-line


O que antes era tendência, agora é realidade: as seleções para vagas de emprego estão cada vez mais digitais. O setor de Recursos Humanos, que antes fazia a seleção “olho no olho”, teve que se adaptar ao novo modelo de recrutamento on-line.

A mudança na forma de recrutar acabou trazendo vantagens, tanto para as empresas quanto para os candidatos. Durante a pandemia da Covid-19, apenas em 2020, o recrutamento digital saltou algo em torno dos 85%, segundo dados recentes do setor.

Muitas empresas investem pesado para tomar a frente desse mercado ou adaptar-se a ele. Em Curitiba, a Selecty criou uma  plataforma para gestão de recrutamento, seleção e admissão on-line, de olho neste novo momento. “Pela necessidade da pandemia, foram incluídas novas etapas on-line, favorecendo o que não se tinha no modelo tradicional, especialmente no sentido de testes e análises. Com isso, a gente consegue facilitar o encontro do perfil ideal que a empresa está buscando”, afirma o empresário e empreendedor Márcio Monson.

Outra vantagem do recrutamento digital, de acordo com Monson, é a ampliação do número de candidatos que podem ser selecionados para uma mesma vaga, o que dá, para um número muito maior de pessoas, a oportunidade da concorrência. Daí a escolha do termo “democracia” para definir o processo. 

O empresário também lembra que as ferramentas tecnológicas permitem uma seleção muito mais apurada do candidato, contratando com mais precisão alguém que tenha o perfil adequado para a vaga e que esteja em sintonia com a cultura da empresa.

A plataforma também filtra os candidatos a partir de sua localização, favorecendo a contratação de quem mora perto da empresa que oferece a vaga. “Com o recurso da geolocalização, busca-se pela proximidade dos candidatos com a empresa. Isso é interessante porque muitas vezes os gestores percebem que as pessoas que permanecem mais tempo na empresa são as que moram próximo, por isso, entendem que é interessante buscar por quem mora perto mesmo. É uma facilidade”, explica.

O número de empresas fornecendo tecnologias para Recursos Humanos teve grande expansão nos últimos 5 anos e foi acelerado pela nova realidade do trabalho remoto nesses longos meses de pandemia. 

Dicas muito úteis para uma entrevista online de emprego

1. Postura adequada

Apesar de não ser presencial, o recrutador fará sua análise comportamental e corporal. Demonstre interesse, evite posições relaxadas, sente-se como quem está trabalhando, e não com os amigos no sofá. Concentre-se, não se distraia com outras atividades. Mostre comprometimento.

2. Local adequado

Ambiente tranquilo, sem trânsito de pessoas e de animais, com boa iluminação no seu rosto e com poucos ruídos. Veja se o cenário atrás de você está limpo, sem bagunça, sem objetos pendurados (toalhas, roupas) e organizado.

3. Comunique-se com clareza

Seja objetivo e direto. Evite falar muito, mudar o foco das questões propostas ou gaguejar, para não demonstrar insegurança e incerteza. Domine a ansiedade, pense que tem em mãos uma chance importante de colocação profissional. Se for preciso, treine suas falas e o controle das emoções. Nervosismo é normal, mas respire fundo e vá com fé. Grave um vídeo de si mesmo e preste atenção no que diz e como diz. Se preciso, chame alguém para avaliar também.

4. Conexão boa

Seu sinal de internet é bom? Teste previamente a qualidade do áudio e da câmera para garantir uma conversa compreensível.

5. Olhe com segurança para a câmera

Encare a chamada de vídeo como se fosse uma conversa presencial. Ao falar, olhe para a câmera e não para a parede, o teclado, a tela…Assim você vai manter contato visual com o recrutador. É quase “olhos nos olhos”. Quando ele falar olhe para a tela e aproveite para analisá-lo.

6. Não grite nem sussurre

Mantenha um tom de voz adequado, nem gritando nem sussurrando. Por isso pode ser muito legal ensaiar. Também é importante manter um tom de voz firme e amigável. Mas atenção, amigável não é íntimo. Não exagere. Seu recrutador não é seu “mano”, seu “cara”, sua “amigaaaaa”.

7. Roupa faz diferença

Você está distante mas a conversa é profissional, e o look deve transmitir cuidado e capricho. Sem cores berrantes, decotes ousados, saias curtas, jeans rasgados, camisetas surradas…Não precisa terno e gravata, se o cargo não exigir, mas cuide do visual, o que inclui cabelo e unhas, para homens e mulheres.

8. Que empresa é essa?

Pesquise sobre a empresa no site oficial, nas redes sociais, no Google. Veja publicações antigas e recentes, veja como ela se posiciona no mercado. Se for possível, converse com quem está lá ou já passou por lá, e demonstre algum conhecimento sobre o negócio durante a entrevista.


ACESSE NOSSO SITE


Compartilhe