A realidade virtual e suas aplicações na vida real

19 de abril de 2021 0 min

Na educação, na medicina, em treinamentos, no esporte...A tecnologia imersiva traz um novo mundo de possibilidades  

Você certamente já ouviu falar em Realidade Virtual. Mas sabe exatamente do que se trata e quais são suas aplicações no nosso dia a dia?  

A chamada realidade virtual consiste em criar um ambiente totalmente gerado pelo computador, ou seja, 100% virtual. O usuário pode interagir com esse ambiente e tudo que ele vê é gerado pelo computador. A tecnologia transporta quem a usa para um ambiente simulado completamente diferente, desligando a pessoa de tudo que a rodeia.  

Para conseguir essa experiência, é preciso usar um equipamento que cobre a visão do entorno e ajuda na imersão.  

Realidade Aumentada 

Não confunda Realidade Virtual com Realidade Aumentada. Essa mantém o foco no mundo real, mas introduz objetos virtuais no mundo real com os quais é possível interagir, sendo também fácil de distinguir o real do virtual. O objetivo não é fornecer uma experiência imersiva, mas sim melhorar a interação com o mundo real. 

Assim, não só não é necessário tanto poder de processamento, pois não é preciso simular um mundo totalmente novo, como não é preciso nenhum dispositivo especial. Com um smartphone é possível transferir uma aplicação que faça uso desta tecnologia. 

Origem curiosa 

A realidade virtual tem capacidade não apenas de imitar a vida real, mas também de transportar os utilizadores para outro mundo. Embora muitas pessoas acreditem que seja uma invenção tecnológica recente, a Realidade Virtual (RV) tem uma origem curiosa e interessante. 

E essa origem remonta à década de 30, quando Edward Link inventou o Link Trainer, o primeiro exemplo de um simulador de voo comercial. O dispositivo era eletromecânico e controlado por motores, com um leme que simulava turbulência.  

Com a tela na cabeça 

Mas apenas na década de 60 houve uma verdadeira evolução, com a invenção da máscara Tele Sphere (The Telesphere Mask). Este é o primeiro exemplo de um display ou uma tela montada na cabeça (Head-Mounted Display — HMD), embora numa película não-interativa (sem rastreamento de movimento). 

Em 1961, Comeau & Bryan, dois engenheiros da Philco Corporation, desenvolveram o primeiro percursor para o HMD como o conhecemos hoje. O Headsight, como foi chamado, incorporava uma tela de vídeo para cada olho, e um sistema de rastreamento de movimento ligado a uma câmera de circuito fechado. Desde então a tecnologia foi evoluindo cada vez mais nas décadas seguintes. 

Em 2011 foi lançado o iPhone Virtual Reality Viewer, um dispositivo que se acopla a um iPhone para criar experiências de visualização tridimensionais e imersivas. Os ambientes 3D movem-se quando o iPhone é movido — o visualizador é mantido nos olhos como um par de binóculos. 

O que começou com um simples simulador de voo tornou-se hoje numa das tecnologias mais promissoras e sua aplicação tem se estendido para muitas áreas. 

Na medicina 

 No ensino de biologia ou em faculdades de medicina, a tecnologia permite tornar menos abstratos conceitos sobre vírus, células ou bactérias. Aplicativos como o Face your fears, disponível para Gear VR, permitem que as pessoas enfrentem seus maiores medos. Com ajuda especializada, é possível superar fobias comuns, como andar de avião ou medo de animais.  

Na cirurgia 

 A neurocirurgiã pediátrica Giselle Coelho e o cirurgião plástico Maurício Yoshida, em São Paulo, utilizando uma tecnologia mista inédita com realidade virtual (RV) e simulação realística, puderam realizar a reconstrução craniofacial com sucesso de um bebê que nasceu com mal formação.  

Na área do marketing 

Uma aplicação recente envolve o uso do Kinect, por exemplo, que captura o corpo de uma pessoa e ela pode ir trocando a vestimenta, adaptada ao corpo. Dá pra criar aplicações em que você navega dentro de um apartamento virtual antes dele ser construído. 

Na educação 

Tem aplicações diversas, simulando até laboratórios de física ou química pelo computador. 

Na engenharia 

Você pode acompanhar o desenvolvimento de uma obra apontando o tablet ou usando capacete e vendo um prédio virtual em diversos estágios da construção. 

Na indústria automobilística 

 Virtualiza manuais de carros, permite antecipar o design de produtos, acessórios e equipamentos. 

Na área de treinamento 

Desde os anos 1970, soldados e outros agentes americanos são treinados em ambientes simulados. No Brasil, o laboratório Hermes Pardini usou um vídeo animado e interativo para ajudar enfermeiras e crianças no momento da vacinação. Durante a ação, os pequenos colocavam os óculos e se transformavam em super-heróis. 

Na área do comportamento 

 A realidade virtual permite que você tenha uma experiência de ficar temporariamente cego, um exercício usado para aumentar a empatia por deficientes visuais. O aplicativo "Notes on blindness", disponível para Gear VR, mostra como é o processo gradual de perda de visão. 

No esporte 

O Strivr Labs possui um aplicativo atualmente usado por jogadores de futebol americano, hockey e beisebol para treinar jogadas ensaiadas fazendo repetições mentais dos movimentos. 




  

 
 

 

 

Compartilhe