Precisamos muito falar sobre racismo

11 de dezembro de 2020 0 min

Alguns comportamentos já cristalizados em nossa sociedade, o chamado racismo estrutural, precisam ser conhecidos para que possamos caminhar no caminho de extinguir esse sistema perverso  

Precisamos, cada vez mais, discutir o racismo e como ele nos afeta enquanto sociedade. Antes de iniciar essa conversa, no entanto, é preciso saber que racismo, discriminação e preconceito não são a mesma coisa. Preconceito, como a palavra já diz,  é um pré-julgamento sem conhecimento de causa, sem antes conhecer. 

Já a discriminação é o ato de diferenciar, de tratar pessoas de modo diferente. Já o racismo é uma forma de preconceito ou discriminação motivada pela cor da pele ou origem étnica do cidadão. Pensando na extensão dos conceitos, o racismo está dentro dos conjuntos “preconceito” e “discriminação".   

O racismo não se manifesta de uma única forma, são 3 as maneiras principais:   

  1. Quando há o racismo institucional: menos direta e evidente, essa forma de discriminação racial ocorre por meios institucionais, mas não explicitamente, contra indivíduos devido a sua cor. São exemplos dessa prática racista as abordagens mais violentas da polícia contra pessoas negras e a desconfiança de agentes de segurança e de empresas contra pessoas negras, sem justificativas coerentes. Um bom exemplo da luta do racismo institucional são os protestos de Charlottesville, nos Estados Unidos, em 2017, devido à conduta criminosa de policiais que mataram negros desarmados e rendidos em abordagens, além de agirem com violência desnecessária.  
  2. Quando há crime de ódio ou discriminação racial direta: essa forma de manifestação do racismo é mais evidente. Trata-se de situações em que pessoas são difamadas, violentadas ou têm o acesso a algum tipo de serviço ou lugar negado por conta de sua cor ou origem étnica.  
  3. Quando há o racismo estrutural e é exatamente aqui que moram os maiores problemas brasileiros relacionados ao racismo. Ele é menos perceptível ainda, o racismo estrutural está cristalizado na cultura de um povo, de um modo que, muitas vezes, nem parece racismo. A presença do racismo estrutural pode ser percebida na constatação de que poucas pessoas negras ou de origem indígena ocupam cargos de chefia em grandes empresas; de que, nos cursos das melhores universidades, a maioria esmagadora — quando não a totalidade — de estudantes é branca; ou quando há a utilização de expressões linguísticas e piadas racistas. A situação fica ainda pior quando as ações ou constatações descritas são tratadas com normalidade.  

Você quer saber mais sobre racismo e como podemos fazer a nossa parte em busca do combate a esse sistema tão perverso? Segue algumas sugestões de livros que vão te ajudar e muito!   

1- O que é lugar de fala? - Djamila Ribeiro   

Lugar de Fala é um livro da filósofa Djamila Ribeiro que aborda e busca desmistificar o conceito de lugar de fala. A autora contextualiza o indivíduo tido como universal numa sociedade cisheteropatriarcal eurocentrada, para que seja possível identificarmos as diversas vivências específicas e, assim, diferenciar os discursos de acordo com a posição social de onde se fala.  

2- Mulheres, Raça e Classe - Angela Davis  

Escrito pela filósofa estadunidense Angela Davis, o livro 'Mulheres, Raça e Classe' discute temas que ainda se refletem em diversas culturas do mundo. A autora mostra as diferentes nuances da opressão e aborda os efeitos da escravidão em nossa sociedade, principalmente para as mulheres negras.   

3- O que é racismo estrutural? Silvio Almeida?   

Parte da coleção Feminismos Plurais, coordenada por Djamila Ribeiro, o livro 'O que é racismo estrutural', de Sílvio Almeida, discute o racismo como um problema estrutural na sociedade, resultado de um processo histórico e político.   

4- O Genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado - Abdias do Nascimento  

No século passado, acreditava-se que o Brasil vivia uma democracia racial, apresentando condições mais favoráveis do que as encontradas pelos negros no sul dos Estados Unidos ou na África do Sul do apartheid.   

5- Pequeno Manual Antirracista, por Djamila Ribeiro  

Mais uma obra de Djamila Ribeiro, em ‘Pequeno Manual Antirracista’, a autora traz dez breves lições para entender as origens do racismo e o que fazer para combatê-lo. O livro comenta temas atuais relacionados ao racismo, como violência racial, cultura, negritude, branquitude, entre outros. Djamila apresenta caminhos de reflexão para quem deseja aprofundar-se nestas temáticas e assumir a responsabilidade pela transformação da situação atual.



 

 

Compartilhe