Os perigos do plágio acadêmico

06 de outubro de 2021 0 min

Usar ideias de outros autores, além de ser crime, pode derrubar uma carreira bem sucedida


Ao escrever um trabalho acadêmico, é normal buscar “inspiração” nos trabalhos já  publicados por outros colegas. Mas cuidado! O chamado “plágio acadêmico” pode colocar por terra todos os anos dedicados aos estudos, simplesmente porque “inspiração” não pode ser confundida com cópia.

E muitos profissionais já perderam o diploma - ou mesmo um cargo importante - por simplesmente terem “colado” a tese, dissertação ou doutorado de outro colega.

Mas não é somente no meio acadêmico que este tipo de prática acontece. Na literatura, música ou arte também é mais comum do que se pensa. Ou seja, o plágio se encontra em todas as esferas onde uma ideia ou conceito habitam.

Na universidade, o mínimo que se espera é que os alunos articulem suas ideias e trabalhos a partir de outros autores da mesma área. Ou seja, não é errado basear-se nas ideias de outros, mas é errado plagiar. No mínimo, por uma questão de ética e de honestidade intelectual. Além disso, plágio é um crime regido pela Lei dos Direitos Autorais. 

Veja a seguir como não cometer este tipo de crime.

Os plágios são classificados nos seguintes tipos:

– Parcial: sabe quando se pega parte de um texto, frase ou parágrafo, de um ou mais autores, e se esquece de mencionar as obras? E depois de tudo junto e misturado acaba virando uma coisa só, obviamente de autoria de quem copiou? O plágio parcial basicamente é isso.

 – Integral: aqui, o autor não se dá ao trabalho de selecionar trechos para compor o texto. É a cópia na íntegra, sem tirar nem pôr, e, claro, sem citar a fonte.

– Conceitual: é o uso da ideia, a essência de uma obra de outra autoria, com poucas modificações do original. É a famosa “inspiração”, só que igual.

Como evitar
Quando for usar a ideia de alguém, para evitar o plágio, o único jeito é citar o nome do autor. Normalmente as citações devem conter os seguintes dados do original: nome do autor (comumente identificado pelo sobrenome), ano de publicação da edição usada e o número da página onde se encontra a ideia usada. A ABNT sugere dois tipos possíveis de citações. São elas:

Citação Direta
Quando você quer fazer a transcrição fiel de um trecho, ou seja, “copiar e colar” uma citação, você deve usar a citação direta.

Apenas a citação
Nesse formato, você pode apenas inserir a citação do autor e adicionar as três informações sobre a obra em parênteses ao final da citação, sendo o nome do autor em letras maiúsculas.

Citação em parágrafo
A citação é incluída como um parágrafo do seu texto. Nesse caso, o sobrenome do autor deve ser escrito normalmente (com a primeira letra maiúscula e as seguintes minúsculas) seguido do ano e da página de referência entre parênteses.

Citações com mais de três linhas
Caso use uma citação que ocupe mais de três linhas do texto, reduza a fonte para o tamanho 10 e aplique um recuo na página de 4 cm na margem esquerda. Dessa forma, o texto ficará visivelmente diferente do resto, ressaltando que toda aquela parte é uma citação de outro autor. Nesse caso, não é necessário acrescentar aspas ao texto.

Citação indireta
Caso decida parafrasear o autor em vez de usar exatamente as mesmas palavras, deve-se usar a citação indireta. Dessa forma, é possível usar as próprias palavras para explicar o que foi dito pelo autor. Nessa situação, mencionar a página do livro é opcional. 

Por que é considerado crime?

Desde 1998, a Lei 9.610 regula os direitos autorais de escritores, artistas, fotógrafos e músicos. A lei assegura que as produções de um indivíduo são consideradas sua propriedade intelectual e, por esse motivo, devem ser protegidas.

Quem descumprir estará sujeito a punições como multa e detenção de três meses a um ano, de acordo com o artigo 184 do Código Penal. Em caso de cópia indevida com o objetivo de obter lucros, a multa também é aplicada e a detenção é de dois a quatro anos. Portanto, é preciso estar atento às referências.

E atenção, além de ser crime, o plágio também pode ser justificativa para zerar trabalhos da faculdade, assim como o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso).

Programas ajudam a detectar o plágio

  • Plagius

O Plagius é um dos programas mais conhecidos no mercado de detecção de plágio acadêmico. O programa emite um relatório com informações sobre as referências encontradas, o número de ocorrências na internet e o percentual de suspeitas de plágio.

O programa é pago e possui pacotes pessoais e profissionais. De acordo com o plano que escolher, ele permite verificar se no trabalho em questão há trechos copiados de sites da internet ou de outros arquivos no seu computador.

  • Farejador de Plágio

O Farejador de Plágio é um programa online. Nele o usuário pode copiar parte do texto que deseja analisar para a área de verificação. Segundo o site, o Farejador é um programa rápido, fácil e seguro, além de possuir um preço acessível.

  • Plagium

O Plagium também é uma plataforma online e nela é possível analisar se os textos e todas as fontes encontradas são mostradas por ordem de relevância. Além disso, as fontes também apresentam data de publicação e os respectivos links. O programa possui pacotes pagos e pacotes gratuitos.


ACESSE NOSSO SITE

Compartilhe