O que um hub tem em comum com um shopping center?

04 de outubro de 2021 0 min


Inovação, networking e negócios fazem o dia a dia das startups que se reúnem física ou virtualmente em espaços facilitadores


Você já ouviu falar em hubs de inovação e que eles têm se espalhado pelo Brasil e pelo mundo. Mas, afinal, o que são eles, e por que, nos últimos anos, vêm se multiplicando? Mestre em administração pública pela FGV, Bruno Rodrigues propõe um exercício interessante para ajudar a entendê-los, em seu artigo escrito para o site do BNDES: pense no hub de inovação como um shopping center.  

Um espaço em que se reúnem empresas nascentes de base tecnológica com alto potencial de crescimento – as startups –, além de médias e grandes empresas e potenciais investidores. Um espaço que, assim como um shopping, é voltado para a geração de negócios. 
De forma simplificada, as startups seriam como as lojas, e as empresas e investidores, os clientes que passeiam pelo shopping buscando boas oportunidades de negócio. Tais oportunidades podem incluir a contratação da startup como fornecedora,  o estabelecimento de parcerias e o investimento ou até mesmo a aquisição da startup. 

Além de conectar a startup às empresas e aos investidores, gerando negócios e facilitando a captação de recursos, o hub pode fazer uma ponte entre as startups e especialistas e mentores de diferentes áreas, facilitando a estruturação do negócio.  

Conexão é a palavra-chave. Os hubs de inovação conectam as diferentes partes do ecossistema e montam um grande quebra-cabeça. Nesse sentido, podem ser vistos como uma mini-representação do ecossistema em que são criados. São pontos de encontro não só de startups, empresas e investidores, mas também de universidades, instituições de fomento e prestadores de serviços públicos e privados focados em startups, como escritórios de advocacia, contabilidade, entre outros. 

Quando trabalham nos hubs de inovação, as startups ganham visibilidade. Outro ponto positivo é o networking: dessa forma, as startups não ficam fechadas em suas ideias. Podem trabalhar de maneira colaborativa, inspirar-se em outras ideias, fazer parcerias. 

O resultado é um espaço de troca, aprendizado e fomento da cultura do empreendedorismo.  

Nos hubs de inovação, é comum a prática da inovação aberta (open innovation), que ocorre quando os negócios colaboram entre si para criar produtos e serviços inovadores. 

O conceito de hub de inovação não se limita a um espaço físico. Atualmente, os hubs podem ser plataformas digitais, conectando startups e empresas independentemente de sua localização. 

Conheça 4 hubs de inovação no Brasil 

Inovabra Habitat 
InovaBra Habitat é um hub de inovação desenvolvido pelo Bradesco. Ele oferece acesso ao ecossistema e apoio para fomentar soluções inovadoras para os desafios de mercado. O modo de operação envolve a participação e engajamento com o ecossistema por meio do ambiente físico e digital. 
No InovaBra Habitat, as startups participantes dividem-se em três categorias. Os residentes contam com posições fixas ou salas privadas. As conectadas contam com 4 day pass por mês, ou seja, podem ocupar o espaço físico em quatro dias do mês. As orbitantes não ocupam o espaço físico, mas têm acesso a eventos presenciais e virtuais. 

Cubo 
Cubo é uma iniciativa criada pelo Itaú em 2015, com o objetivo de conectar as melhores soluções para construir grandes cases de inovação para o mercado. Ele conquistou o selo de mais relevante hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico da América Latina. 
Para que uma startup seja residente ou membro do Cubo, ela precisa oferecer uma solução com potencial de escala que já tenha sido testada por clientes. 
As startups residentes são aquelas selecionadas para ocupar o espaço físico do Cubo, que têm a oportunidade de conexão mais direta com grandes empresas, investidores e universidades. Enquanto isso, os membros são startups que não ocupam o espaço físico, mas usufruem de alguns benefícios por meio da plataforma digital. 

Wayra 
Wayra é um hub de inovação que tem o propósito de conectar a Telefônica a disruptores digitais em todo o mundo. As startups que entram nesse hub são consideradas parceiros estratégicos para o desenvolvimento dos negócios da empresa. As melhores startups do portfólio têm acesso a sua rede de 350 milhões de fornecedores e clientes, em 10 países. 
As áreas prioritárias de investimento são entretenimento (jogos e vídeos), inteligência artificial, IoT, Big Data, eHealth, Edtech e Fintech. As startups participantes recebem investimento de até R$ 1 milhão e oportunidades de desenvolvimento de negócios com a Telefónica/Vivo. Além disso, ficam expostas a uma comunidade de investidores e especialistas e podem participar de expansão internacional entre hubs. 

Acate 
Acate – Associação Catarinense de Tecnologia é considerada a principal representante do empreendedorismo inovador em Santa Catarina. Tem o objetivo de apoiar o ecossistema de inovação local de ponta a ponta, das startups às empresas de grande porte, gerando conexões que fortalecem o setor de tecnologia no estado. 
Ela conta com mais de 1.200 associados e tem 13 polos de inovação e tecnologia no estado, além de escritórios em São Paulo e até nos EUA para prestar suporte a empresas catarinenses. 
A Acate criou a incubadora Miditec, há 20 anos, escolhida como uma das 5 melhores do mundo. Outra iniciativa é a formação de Verticais de Negócios, que conectam empreendedores em seus respectivos segmentos para fomentar novos projetos e iniciativas. Além disso, também inaugurou o LinkLab, primeiro laboratório aberto de inovação de Santa Catarina. 


ACESSE NOSSO SITE 

Compartilhe