O poder dos cabelos brancos

11 de agosto de 2021 0 min


50+ fazem parte de uma faixa etária pouco explorada no mercado nacional e que compõem a chamada economia prateada




Praticamente ignorada pelo setor de produtos e serviços, a chamada “economia prateada” (silver economy, em inglês), que engloba os consumidores 50+, é uma das que mais crescem no mundo. E o impacto dessa faixa etária na economia é evidente nos mais diversos setores, entre eles o turismo, lazer, moradia, saúde, beleza e tecnologia.

Pesquisas apontam que o público nesta faixa de idade movimenta R$ 1,8 trilhão ao ano, o equivalente a 42% do consumo das famílias brasileiras. Os dados reforçam que o mercado é bastante promissor e não deve ser ignorado.

A receita média dos brasileiros com mais de 50 anos, que estão no mercado de trabalho (39% da população), é de R$ 2.126. Eles representam um quarto da população e somam, atualmente, 54 milhões de pessoas. A projeção é que até 2050 esse número deve crescer mais de 80%, passando para 98 milhões de consumidores nessa faixa de idade.

Viajar mais é a vontade da maioria (52%), seguido por quem pretende trabalhar e guardar dinheiro (40%), empreender (38%), mudar de casa (24%) e estudar mais (20%).

Um levantamento da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV Nacional) também mostrou que os viajantes a partir de 65 anos representam cerca de 15% dos pacotes turísticos vendidos no Brasil para destinos nacionais e internacionais

Segundo a ONU, em 2017, o mundo tinha 962 milhões de pessoas com mais de 60 anos. Em 2050, esse número passará para 2,1 bilhões – o equivalente a 25% da população mundial. No Brasil, hoje temos 30,3 milhões de idosos e até 2050 serão 68,1 milhões. Hoje, no país, existem mais idosos do que crianças com até 5 anos. Um mercado com um potencial a ser explorado, mas que exige uma comunicação, serviços e produtos mais direcionados para a faixa etária, que por sua vez possui grande potencial de compra. 

Mas como se comunicar com esse público e assim, atender às suas necessidades? Confira algumas dicas a seguir:

Como se comunicar
• É importante entender seu comportamento. O que veem, consomem, comem, ouvem e principalmente, os seus problemas.

• Empatia, como sempre, é a chave da comunicação. Ouça e entenda o consumidor 50+, suas dores, seus problemas, suas necessidades. Ainda mais na comunicação online, em que não se sabe quem está por trás da tela de um computador.

• Abra um canal de comunicação com esse público. Pode ser por whatsapp ou telefone.

• Na comunicação online, use letras grandes e fundos coloridos, cores fortes com contrastes para facilitar a leitura.

• Facilite o número de cliques e disponibilize o acesso de forma fácil.

• Lembra-se que os 50+ são antenados, integrados à internet e às redes sociais.

• Se não quiser se identificar apenas com este tipo de público, use um design mais universal.

• Onde tem dinheiro, tem oportunidade de negócios. De acordo com a consultoria World Data Lab, o poder de compra dos idosos vai praticamente dobrar em dez anos – já que eles tendem a ter mais dinheiro que os de hoje.

• As viagens continuam em alta. Destinos que até então eram curtos, se estenderão para distâncias mais prolongadas.. 

 E lembre-se: o universo dos 50+ já está totalmente digitalizado.

O que é?
Economia prateada é a soma de todas as atividades econômicas associadas às necessidades das pessoas com mais de 50 anos e os produtos e serviços que elas consomem diretamente ou virão a consumir no futuro. Nos EUA, a Economia Prateada já representa mais de 25% do consumo.

Quando surgiu?
A economia prateada nasceu na década de 70 no Japão. Lá, mais de 30% da população está acima de 65 anos. Mas o conceito só se popularizou e se globalizou em 2015, na França, quando a União Europeia fez o primeiro grande estudo sobre o assunto.

A França foi considerada um grande exemplo de nação que estava olhando para a questão da longevidade do ponto de vista propositivo. 

Os franceses foram pioneiros em criar o Silver Valley, ambiente de negócios para a longevidade. Nele, organizações que antes não conversavam sobre o tema, como a academia, iniciativa pública, governo, iniciativa privada e startups, se uniram para pensar soluções para a longevidade.




VISITE NOSSO SITE

Compartilhe