O legado corporativo das Olimpíadas

27 de agosto de 2021 0 min

Vencer desafios, trabalhar em equipe e ser resiliente são algumas lições deixadas pelos atletas na competição

Mais do que uma competição esportiva, as Olimpíadas de Tóquio deixaram todo um legado de força, resiliência e planejamento. Assim como no mundo corporativo e educacional, a vida de um atleta olímpico exige todas essas aptidões e ainda mais: espírito competitivo, treino e saúde mental em dia.

Algumas dessas lições, como mostrou a ginasta americana Simone Biles, ao desistir das finais para autopreservação, ensinaram como reconhecer se o trabalho está acompanhando a saúde mental dos colaboradores. Da mesma forma, nunca é cedo ou tarde demais para apostar nos seus sonhos, como bem mostrou a skatista brasileira Rayssa Leal, de apenas 13 anos, que conquistou a medalha de prata.

Antes de mais nada, é preciso estar atento a grandes eventos como as Olimpíadas para incluir na rotina das empresas algumas aprendizagens importantes. Aprender com a experiência do outro, em situações tão reais e emocionantes como as acompanhadas nas telas, nos dá a oportunidade da reflexão por meio do lúdico, da dor e da superação. Como bem mostraram os atletas, nas madrugadas olímpicas.

Lições preciosas dos Jogos Olímpicos

  • Preparo

Assim como os atletas se prepararam com anos de treino e restrições físicas para chegar a uma medalha, o mundo corporativo também precisa de tempo para desenvolver suas aptidões. E isso vai além da experiência dos líderes e colaboradores: é preciso, como um time, estar preparado para as demandas. Porque um atleta não se faz sozinho, existe uma equipe por trás dele. 

Assim como nas Olimpíadas, também é preciso se planejar nos estudos. Ninguém vence apenas com talento. Tudo bem que para chegar numa Olimpíada, é preciso ter talento, caso contrário, não teriam conseguido nem mesmo se classificar para participar do evento. No entanto, todos treinam muito e sabem que para melhorar é preciso disciplina e superação.

  • Disciplina 

Entre as três importantes lições que aprendemos com as Olimpíadas e podem ser usadas em nosso dia a dia, estão:

  1. Ter disciplina para cumprir o planejado;

  2. Manter o foco;

  3. Buscar sempre o melhor.

Os atletas das Olimpíadas também ensinaram que, independentemente dos problemas enfrentados para chegar lá, é possível mudar sua vida e ficar marcado na história de milhões de pessoas. É preciso apenas acreditar. Leve isso para sua vida profissional e de estudante.

  • Autoconhecimento

Um atleta precisa, antes de mais nada, conhecer os seus limites. No mundo corporativo, não depender da aprovação do outro para tomar decisões, saber dizer "não'' e superar o medo de errar são alguns dos maiores desafios que os profissionais enfrentam. De fato, ter conhecimento sobre os limites e sobre a própria maneira de como desempenhar o trabalho foi algo fundamental durante a adaptação ao trabalho remoto: foi necessário um profundo processo de autoconhecimento entre líderes e funcionários para estabelecer uma rotina de trabalho saudável.

  • Riscos

Os atletas de alto nível sabem que para vencer, além de trabalho duro e muita disciplina, precisam assumir certos riscos. Esses atletas precisam levar seus corpos ao extremo para alcançar um novo tempo, atingir uma nova marca ou até mesmo superar a idade e o preconceito para se manter em atividade.

Assim como nas Olimpíadas, se não assumirmos riscos, também não iremos chegar à vitória. Seja na busca por uma nova ocupação ou passar numa prova,exame, entre outros.

  • Mente sã, corpo são

A produtividade, algo tão cobrado e discutido durante a pandemia, também é cobrada dos atletas, estudantes e colaboradores. Ainda mais em tempos de pandemia.  Nas Olimpíadas, isso ficou ainda mais evidente, com a saída da favorita Simone Biles. A atleta americana chamou a atenção e marcou a história dos jogos com sua reflexão sobre a importância da manutenção da saúde mental. Em entrevista, a atleta ainda destacou: “Temos que proteger nossas mentes e nossos corpos e não apenas sair e fazer o que o mundo quer que façamos. Não somos apenas atletas, somos pessoas e às vezes é preciso dar um passo atrás”.

  • Humildade

Um ambiente de trabalho pode ter níveis de competições bastante semelhantes aos enfrentados nas Olimpíadas. Mas um lugar no qual um tenta passar por cima do outro deixa toda a cadeia de produção prejudicada. E para seguir em frente de forma saudável, é preciso ir além da rivalidade. Nem sempre temos as melhores ideias, soluções ou respostas para o que estamos vivendo. Nem sempre estaremos no topo. É preciso aprender com as vitórias e derrotas. Numa competição, um lado ganha e outro perde. E é claro que ninguém deseja perder

  • Desafie-se

Uma ideia que talvez funcionasse de um jeito pode sofrer alterações e mudanças no meio do caminho. Muitos atletas demonstraram isso nas competições. Assim, é preciso rever as métricas e ter a mente aberta: os padrões de sucesso mudam e a conquista das medalhas nas Olimpíadas está aí de prova.


Compartilhe