O homeschooling volta ao debate público. Saiba do que se trata!

24 de junho de 2021 0 min

Pandemia trouxe de volta discussão sobre ensino domiciliar feito pela família, sem a participação de professores e de escolas.


A imposição do distanciamento social e do consequente ensino remoto trouxe de volta para o debate o ensino doméstico ou domiciliar, também conhecido como homeschooling

Definido como  "aquele que é lecionado no domicílio do aluno, por um familiar ou por pessoa que com ele habite", esse modelo faz oposição ao ensino numa instituição formal, como uma escola pública, privada ou cooperativa. 

E também ao ensino individual, em que o aluno é orientado por um professor diplomado, fora de uma instituição de ensino.

Não é de hoje que o homeschooling é praticado. Antes de as escolas públicas existirem, as famílias mais abastadas se incumbiam da educação das crianças no próprio seio familiar.


Foi com o crescimento da sociedade que as instituições de ensino se estabeleceram, tirando das famílias a obrigação da educação formal do indivíduo.

O ensino doméstico já é legalizado em mais de 60 países, como os Estados Unidos, Áustria, Bélgica, França e Canadá, entre outros. A maioria dos países exige uma avaliação anual dos alunos, para passarem de ano.


No Brasil o assunto é polêmico e ainda gera muitas dúvidas. 

Uma delas é que são pouquíssimas as famílias que estariam preparadas para deixar os seus filhos fora da escola a fim de lhes dar uma formação melhor em casa. 

A realidade de uma parte significativa dos estudantes é que muitos vão para a escola porque não têm com quem ficar no período em que os pais trabalham fora.

A prática no Brasil não é proibida, mas ela cria empecilhos para o futuro da vida escolar, como a falta de um diploma para entrar em um curso universitário ou mesmo estudar fora do país. 

Além disso, quem pratica o homeschooling pode ser denunciado ao Conselho Tutelar por abandono intelectual — deixar de prover instrução primária à criança em idade escolar. A pena prevista é de detenção de 15 dias a 1 mês, ou multa. 

Um projeto de lei sobre o assunto tramita no Congresso e deve ser votado ainda neste ano, regulamentando o homeschooling. Por isso, é importante acompanhar o tema e posicionar-se a respeito, para que a regulamentação atenda o desejo da maioria da população.


Quem busca a área de educação para se profissionalizar também está atento a temas como esse. 

Há várias possibilidades de mergulhar nesse mundo, e algumas delas você pode conhecer nesse link

Segundo dados recentes da Associação Nacional de Educação Domiciliar, mais de 11 mil famílias educaram seus filhos fora do ambiente escolar no Brasil em 2019.


Uma curiosidade é que foi o educador americano John Holt (1923-1985) que cunhou o termo unschooling ("des-escolar"), que na sequência evoluiu para homeschooling (escola em casa) em 1977 na sua revista Growing Without Schooling.

Mas, afinal, qual o modelo ideal de educação? Cabe a cada família decidir e ao estado garantir que as crianças recebam o melhor atendimento possível, inclusive no que diz respeito à socialização. 

Confira alguns pontos que marcam o debate sobre manter ou não a educação formal dentro do núcleo familiar:

QUEM É A FAVOR CONSIDERA QUE:

Aprendizagem

Os pais acompanham de perto o desempenho estudantil da criança. Assim, é mais fácil acompanhar e adequar o ensino da criança de acordo com o seu nível de compreensão.

Atenção

As salas de aulas, muitas vezes lotadas, desviam a atenção da criança, dispersando-a. A aula exclusiva mantém a atenção e tem conteúdo direcionado.

Bullying

Um dos principais motivos dos pais não quererem os filhos na escola. Quem sofre bullying na escola pode ter o ensino prejudicado, criando traumas irreversíveis para o resto da vida.

Horário

A flexibilização proporciona que pais e filhos passem mais tempo juntos. Mas atenção: é preciso ter organização quanto a rotina diária de aulas.

Liberdade

A criança se sente mais livre para provar suas habilidades e conhecimentos. Ela determinará seu tempo, além de poder pesquisar o conteúdo na internet, livros e até mesmo em museus e bibliotecas.

QUEM É CONTRA CONSIDERA QUE:

Atraso

Por mais que os processos de aprendizado domiciliar sejam programados, o cronograma curricular pode ficar atrasado. É que ele acompanha o ritmo da criança e isso pode acontecer.

Emocional

Se a criança ou adolescente for educado por alguém muito próximo, o estresse e a carga emocional estarão sempre presentes. Por mais paciência que se tenha, esse é um ponto a ser discutido na hora de tomar tal decisão.

Interação

Como não se vai à escola, não há interação entre os alunos e professores. A discussão entre alunos é fundamental para a formação do indivíduo, assim como a liberdade de expressão e a troca de experiências.

Oportunidades

Excursões, passeios em grupos, grupos de estudos, tudo isto vai ser deixado de lado. Ou seja, a interação que a escola oportuniza, não irá acontecer. 


Acesse nosso site vestibular














Compartilhe