Não adie mais! Aprenda inglês o mais rápido possível

10 de março de 2021 0 min

O mercado não quer diploma, mas fluência na língua. É isso que aumenta as chances de contratação ou derruba um candidato na reta final  

Em seu perfil no LinkedIn, o headhunter Felipe Laufer, sócio-diretor da Propósito/Transearch, escreveu recentemente o seguinte:  

“Minha contribuição para quem colocou cursos de pós-graduação ou algum tipo de estudo ou formação entre as resoluções de Ano Novo.  

Em mais de 11 anos trabalhando com Busca e Seleção de Executivos: 

- nunca, em nenhum dos processos que conduzi, alguém foi desconsiderado ou reprovado por não ter uma pós-graduação; 

- milhares (sim, milhares!) não chegaram nem a receber um primeiro contato por não terem inglês avançado ou fluente.  

Quer dizer que sou contra a formação continuada? De jeito nenhum. Complementar a formação é importantíssimo, é necessário, te abre portas, amplia horizontes, abre a cabeça, e ainda pode ser divertido!  

Mas o inglês, no mercado executivo, vem antes. Se você tem recursos para investir em apenas uma linha de estudos nesse ano, que seja nisso.”  

Esse recado, quase um conselho, não vem dos professores nem da família, mas diretamente do mercado, de um profissional que busca, entrevista, seleciona, contrata também descarta.  

É um alerta contundente para uma decisão que não se pode adiar, seja qual for a carreira que esteja nos nossos planos.  

Com ou sem professor  

Se você puder matricular-se em um bom curso, ou pagar um professor particular, ótimo. Mas tornar-se fluente em uma língua estrangeira já não depende hoje de limitadores como tempo e dinheiro. O ensino remoto, a oferta de cursos online, os aplicativos de baixo custo e os canais de streaming são ferramentas práticas e eficientes para quem estiver determinado.  

Escute música, veja filmes, converse online com estrangeiros - tudo ajuda quando o desafio é familiarizar-se com outro idioma.  

Diploma ou proficiência  

Para o mercado de trabalho, os certificados de conclusão de cursos de inglês também não são mais uma exigência. No passado, eram mais valorizados em triagens de candidatos. Atualmente faz mais sentido mencionar no currículo a pontuação em certificações de proficiência de idiomas, como TOEFL, TOEIC, entre outras. 

Aliás, o próprio Felipe Laufer diz que para efeitos de CV mencionar o grau de “intimidade” - fluente, avançado, intermediário - com o idioma já está bom demais, desde que corresponda à realidade.  

E por que o inglês é importante? 

A língua inglesa é considerada o idioma oficial em mais de 55 países, incluindo os Estados Unidos (267 milhões de pessoas), Índia (125 milhões) e Reino Unido (60 milhões). 

Ao todo, somam-se cerca de 375 milhões de pessoas que têm o inglês como língua nativa e 750 milhões que falam inglês como língua estrangeira. O idioma é o terceiro mais falado no mundo, atrás somente do mandarim e do espanhol. 

A língua dos negócios 

O inglês é também a língua dos negócios e, por isso, fundamental para o crescimento profissional, ainda mais em empresas globalizadas, multinacionais, que mantêm contato com filiais estrangeiras. 

O domínio da língua amplia o relacionamento com o público e possibilita a comunicação com mais pessoas, clientes, fornecedores e parceiros. Também facilita formar redes de contatos e criar oportunidades, tanto no mundo corporativo, quanto na vida pessoal. 

Saber dialogar com clientes e equipes em qualquer lugar do mundo é um diferencial. Por isso, quem tem essa capacidade estará sempre à frente no mercado de trabalho, conquistando as melhores vagas de emprego. 

Além disso, quem costuma falar dois idiomas tem mais chances de conseguir um salário melhor em todos os ramos profissionais. 

Inglês na vida acadêmica 

Grande parte dos estudos, pesquisas e investigações são publicadas em inglês, principalmente textos científicos e publicações internacionais. Livros, artigos, revistas acadêmicas e avaliações não têm tradução. E todos os textos exigem pelo menos um resumo (abstract) que deve ser escrito em inglês. 




Compartilhe