Monografia de aluna do curso de Direito UniOpet é destaque em Concurso Internacional

15 de dezembro de 2020 0 min

A Monografia da acadêmica Adriane Genude ganha o prêmio de 3ª colocada no Concurso de Monografias do II Simpósio Internacional Amar e Mudar as Coisas 2 A(fé)tos e Religiões, Sensibilidades e Emoções  

A Monografia da acadêmica de Direito Uniopet, Adriane Genude, intitulada como: DIREITO DE NÃO MORRER: UMA ANÁLISE SOCIOJURÍDICA DO SUICÍDIO ENTRE JOVENS UNIVERSITÁRIOS NO BRASIL ganhou o prêmio de terceira colocada no Concurso de Monografias do II Simpósio Internacional Amar e Mudar as Coisas -  A(fé)tos e Religiões, Sensibilidades e Emoções. 

O Simpósio foi organizado pela AMAR - Associação Internacional de Estudos de Afetos e Religiões e pela Fogo Editorial com apoio logístico e certificação do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba, onde nasceu a AMAR.  

A aluna do 10° período de Direito escolheu este assunto para sua monografia porque entrou em contato com esta temática quando começou a frequentar um órgão público com estagiários que vivenciavam esta realidade. “O interesse pelo tema surgiu exatamente dessa forma, quando me deparei com alguns jovens universitários que passavam por isso, um deles em especial me chamou muito a atenção, e foi através de suas declarações que o anseio por entender mais sobre o assunto aconteceu. 

Assim, através dessa perspectiva, a busca pela compreensão do suicídio entre os jovens universitários se tornou palpável”, diz Adriane.   

Falar sobre o suicídio ainda é um tabu na sociedade atual. A monografia de Adriane vem de encontro a necessidade de falar sobre o tema com intuito de prevenir esta problemática. Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos, ou seja, uma pessoa a cada 40 segundos. 

Globalmente, os jovens são os mais afetados pelo suicídio, sendo a segunda principal causa de morte entre os jovens com idade entre 15 a 29 anos. Imaginar que jovens universitários têm um índice muito grande (percentualmente) de suicídios é impactante, sobretudo porque se imagina que esse é um momento de se investir na vida diante de uma grande conquista. 

“Atualmente, o suicídio no meio acadêmico (aparentemente) se apresenta pouco explorado pela literatura mundial e consequentemente pelo direito, justamente por conta da morte ser fortemente estigmatizada. Contudo, vale salientar que o suicídio não afeta somente jovens acadêmicos, mas a sociedade como um todo, por isso é de suma importância que os atuais e futuros operadores do direito, assim como as demais áreas do saber busquem compreender a incidência dessa tragédia social entre os jovens estudantes. Sendo que, qualquer ser humano pode se deparar com esse problema de saúde pública”, conclui a aluna. 

Este projeto de pesquisa, “foi um grito em meio a escuridão”,  costuma dizer a aluna. “É impossível se sentir confortável quando você se depara com alguém que deseja morrer, sendo que tem todo um futuro ainda que o aguarda”, acrescenta. 

Orientação   

O orientador desta monografia, o professor Uipirangi Franklin da Silva Câmara foi um dos principais motivadores para que Adriane se inscrevesse no prêmio. Ele acredita que os principais fatores deste trabalho ter sido premiado é a inegável qualidade de pesquisa realizada pela aluna e também a relevância do tema na atualidade. 

“Um dos mitos que temos na vida é de que os jovens estão no melhor período de sua vida, sem problemas consideráveis e com um futuro todo pela frente. No entanto, os jovens são humanos, têm problemas pessoais e desafios que só eles mesmos podem dimensionar. E o que a realidade mostra é que muitos deles e na Universidade não conseguem lidar adequadamente com seus problemas, e pensando, pelo menos em algum momento, a possibilidade do suicídio”, explica o professor. 

Para o curso e a Instituição de Ensino Superior, premiações como esta são de extrema importância e validam a qualidade do aprendizado dos estudantes. 

“Quando nossos alunos conseguem entender a importância da pesquisa e a dimensão disso em sua vida profissional seus horizontes são ampliados, novos conhecimentos sociais são produzidos e a qualidade da Instituição melhora”, diz Uipirangi.  

 




 

Compartilhe