Pequena, média ou grande, nenhuma empresa cresce sem gestão financeira

18 de junho de 2021 0 min

Separe a pessoa física da jurídica e não use o caixa dos seu empreendimento como caixa eletrônico


Ganhar mais, sem aumentar as vendas. Milagre? Não, isso se chama “gestão financeira”. No atual cenário, em que até os grandes negócios estão sofrendo impactos financeiros, saber organizar, gerir e levar adiante um pequeno negócio ou serviço exige muito planejamento. E a boa gestão financeira é imprescindível, principalmente para os empreendedores.

A gestão financeira nada mais é do que um conjunto de ações como planejamento, execução, análise e controle das atividades financeiras do pequeno negócio. Em miúdos: obter o máximo de lucro (ou resultado) dentro da atividade exercida. E para isso existem estratégias simples, ainda mais no atual cenário.

Algumas das principais dicas parecem bobas de tão simples, mas muita gente ainda despreza esses cuidados: separar as contas empresariais das particulares, ou seja, separar a pessoa física da jurídica, e fazer o gerenciamento diário de caixa, controlando o que entrou e o que saiu. Com um controle sólido, é possível encontrar gargalos no orçamento e otimizar as finanças, além de planejar investimentos.

Além disso, com a gestão financeira o empreendedor sabe se está no caminho certo. Quer dizer, pode validar a sua estratégia, corrigir erros e, com base em informações, tomar decisões assertivas para o negócio. 

Você não precisa ter formação na área para ser um bom gestor. Mas se quiser investir nessa carreira cada vez mais demandada, o UniOpet oferece um curso de graduação em Gestão Financeira sob medida. Esse profissional trabalha em várias frentes: elabora o plano financeiro da organização, desde uma microempresa até uma empresa de grande porte. Realiza análises e diagnósticos da situação econômica e financeira do negócio, bem como avalia a relação desses dados com o mercado. Com esse conhecimento, o gestor financeiro participa da elaboração do planejamento estratégico da empresa, apresentando subsídios consistentes para a tomada de decisões e para a gestão financeira assertiva do negócio.

Veja a seguir porque não dá para viver sem uma gestão financeira competente:


Gestão diária de caixa

No dia a dia, é preciso administrar as entradas e saídas de recursos financeiros relativos a vendas, prestação de serviços, pagamentos de fornecedores, salários, tributos, despesas, entre outros. Outra coisa: o caixa da empresa não é caixa eletrônico. Muito empresário não separa as contas. Estabeleça um salário próprio e trabalhe dentro dos limites do caixa.

Organize as finanças da sua pequena empresa. Documentos e recibos, sejam digitais ou impressos, devem estar sempre ordenados. Para entradas e saídas. Existem diversas planilhas ou softwares gratuitos capazes de ajudar a manter uma rotina bem definida de gestão.


Gestão de investimentos

A gestão de investimentos acontece quando a empresa resolve expandir, modernizar, abrir novas unidades, comprar novas máquinas e equipamentos, entre outros. É nesta hora que surgem as dúvidas de onde se deve investir. Com o crescimento dos negócios, muitas vezes o empresário usa as sobras de caixa para investir. Mas com o aumento/expansão dos negócios também cresce a necessidade de capital de giro. É esse capital de giro que o ajuda a manter as contas em dia, a ter poder de barganha junto aos fornecedores e a ter condições de oferecer algum diferencial na hora de facilitar o pagamento para um cliente.


Gestão de crises 

Está aí um assunto pouco comentado, mas muito importante. Envolve renegociar prazos com clientes e fornecedores, dívidas em instituições financeiras, protestos, negativações, ações de execução, enfim, fazer escolhas difíceis em tempos difíceis. 







Compartilhe