Já ouviu falar em positividade tóxica?

05 de maio de 2021 0 min

Fique atento para não se tornar vítima da falsa noção de que não podemos sofrer nem lamentar nossas mazelas

Se é positivo é bom, não é mesmo? É assim que estamos acostumados a enxergar as coisas da vida. “Seja positivo”, nos dizem, diante de desafios ou dificuldades. “Cultive a positividade”, dizem também quando manifestamos um pouco de pessimismo.

Isso equivale a dizer: não se deixe abalar, seja grato, agradeça sempre, mesmo que as circunstâncias não sejam boas e que você esteja sofrendo, purgando mágoas.

Mas será mesmo que nunca há espaço para dor e tristeza na vida da gente?

Pois saiba que se você está se sentindo “roubado” no seu direito de se sentir abalado, triste, melancólico, pessimista, ou coisa parecida, isso pode significar que você é vítima da chamada “positividade tóxica”.

Trocando em miúdos, a positividade tóxica é um fenômeno caracterizado pela idealização do positivo e pelas tentativas incansáveis de reprimir o negativo.

A “invalidação emocional” é um fenômeno individual e se caracteriza por desmerecer as emoções. Em geral, quando alguém se revela triste, suas razões não são ouvidas, não interessam. Ela não será acolhida em suas dores, mas ouvirá que não deve se entristecer, que tudo está bem e que há sofrimentos mais graves do que o seu próprio sofrimento.

Já a positividade tóxica se utiliza da invalidação emocional de maneira mais abrangente, atingindo a sociedade como um todo. Em resumo, a positividade tóxica é o jeito que a nossa sociedade está constantemente tentando dizer que só é certo ser feliz, e que sentimentos desagradáveis como tristeza, raiva e medo são errados e devem ser eliminados.

Focar somente no positivo é negativo?

A positividade tóxica se baseia no conceito de que teremos mais saúde e qualidade de vida se eliminarmos os sentimentos e pensamentos negativos. Segundo algumas crenças, o “pensamento positivo” previne todas as desgraças.

Mas esse tipo de pensamento desconsidera que a gente vive num mundo repleto de situações desagradáveis. E por isso não é possível ser positivo em tempo integral.

Ao contrário, se você não encarar os momentos ruins e se permitir sofrer por eles, é possível que não consiga superá-los e seguir adiante.

Somos seres humanos dotados de emoções complexas e precisamos “sofrer” e “elaborar” o sofrimento, aprender com ele, superar a dor, para seguir em frente.

Não estar bem o tempo todo é saudável, dizem os especialistas em psicologia humana.

Pois a positividade tóxica prega justamente o contrário. Ao negar a existência de problemas e infortúnios, ela nos rouba a possibilidade de amadurecer.

O problema é que toda essa negação dos aspectos desagradáveis da vida vai pesar em algum momento. Sentimentos tidos como negativos que são reprimidos durante muito tempo eventualmente ressurgem com muito mais intensidade, como se a mente acumulasse tais sentimentos e os liberasse ao chegar ao limite, resultando em uma “explosão” de sentimentos desagradáveis.

Quem costuma reprimir muito a própria raiva e “engolir muitos sapos” sabe muito bem isso; no fim das contas, reprimir a raiva só contribui para que, mais para frente, a pessoa acabe tendo uma explosão de raiva muito agressiva que a prejudique ainda mais.

Em suma, a repressão dos aspectos negativos da vida acaba por ser um tiro no próprio pé, tendo em vista que traz consequências ainda piores depois. Mais importante que reprimir tais sentimentos, o ideal seria aprender a expressá-los de forma adequada — ou seja, expressar sentimentos como raiva, tristeza e medo de forma que não fosse prejudicial.

Pode parecer contraditório, mas a positividade pode ser tóxica.

"Evitar o sofrimento é uma forma de sofrimento", escreveu o escritor americano Mark Manson em seu livro A Arte Sutil de Ligar o Foda-se. 

O fato é que todas as nossas emoções são autênticas e reais, e todas elas são válidas. E se você sentir que essa equação não está bem resolvida na sua vida, procure ajuda especializada. Todos nós temos direito de nos conhecer melhor!



Compartilhe