Fake News. Duvidar de tudo é solução ou problema?

08 de fevereiro de 2021 0 min

É preciso, e é possível, aprender a reconhecer o que é informação falsa, destinada a descredibilizar as pessoas e as instituições  

O fenômeno das notícias falsas ganhou impulso com a explosão das redes sociais como meio de comunicação. Ao atingir status de epidemia, provocou também a reação e a resistência da sociedade, que se empenha em conter o caráter altamente nocivo das chamadas fake news. Muito mais do que fofoca, elas são usadas como instrumento de descredibilização das pessoas e das instituições.  

De que forma as fake news são usadas?   

Aproveitando-se de um paradoxo: ao transformar mentiras em certezas para grandes fatias de audiência, eliminam a confiança das pessoas sobre toda e qualquer informação.  

Ou seja, as fake news nos levam a desconfiar, a duvidar, a desacreditar de tudo. Reduzem nossa capacidade de separar o joio do trigo. E a questão é que duvidar de tudo é tão ruim quanto acreditar em tudo.  

Senso crítico é fundamental  

Os estudiosos da comunicação de massa alertam: é preciso criar uma cultura de questionamento baseada em senso crítico. E isso significa que a sociedade deve fazer um esforço coletivo pela alfabetização digital.   

No Especial Focas, feito por alunos do programa de trainee para jornalistas do Estadão - um dos mais importantes jornais do país -, uma reportagem mostra que a “educação virtual é uma arma importante para detectar informações falsas no noticiário” e essa “alfabetização” deve contar com esforços de vários setores da sociedade. 

“Tem de vir da grande imprensa, do professor, da família, de todos os lados”, disse em entrevista a diretora da Agência Lupa, Cristina Tardáguila, que realiza checagem de informações do noticiário brasileiro. “Até porque não há nenhum sinal de que a produção de notícias falsas vai diminuir.” Para ela, o entendimento sobre como o noticiário é produzido deve ser uma prioridade no combate às fake news. 

Esse é um problema que afeta o mundo todo, inclusive países com melhores índices de escolaridade, como mostra uma pesquisa da Universidade de Stanford, feita em 2017. Cerca de 40% dos estudantes americanos de todos os níveis não conseguiram detectar fake news. 

Algumas dicas para identificar fake news 

1) Não ler apenas o título 

Normalmente os criadores de conteúdo falso na internet usam títulos apelativos que 

2) Pesquisar sobre o autor 

Um texto assinado tem o peso da responsabilidade do autor. E se o autor é repórter ou articulista de um veículo conhecido por investir em reportagem e informação de qualidade, esse peso aumenta.  

3) Procure conhecer o site 

Navegue pelo site em que você leu a notícia, vá ao “Sobre nós”, busque no Google, verifique o expediente do portal. Um veículo responsável expõe seus dados para os leitores e estimula a interação saudável. Desconfie de posições extremistas e bombásticas. Valorize conteúdos que apresentam várias fontes de informação, com posições diferentes e que citam dados históricos. 

4) Desconfiar de textos com erros de ortografia 

O bom vocabulário e as normas gramaticais  são características das reportagens jornalísticas. Sites criados para fazer barulho com notícias falsas e mensagens divulgadas pelo WhatsApp normalmente apresentam escrita fora do padrão, cheia de adjetivos e apelativa. 

5) Conferir a data de publicação 

É comum que os textos e imagens sejam divulgados fora do contexto. Durante a pandemia, com frequência surgem fotos de confraternizações realizadas antes do isolamento social, mas que são usadas para acusar pessoas de não respeitarem o protocolo de prevenção da Covid-19. 

6) Ter cuidado com a bolha da rede social 

Redes sociais criam uma falsa impressão de que você está se informando. A tendência é que você se relacione com pessoas que comunguem de seus pensamentos. Com isso, você tem a ilusão de que está acompanhando os acontecimentos, mas na verdade está recebendo apenas um tipo de informação.   

7) Atenção para o sensacionalismo 

A estratégia das fake news inclui mexer com as nossas emoções e crenças. Elas usam palavras e expressões bombásticas, comoventes, que podem nos iludir. Não espalhe correntes, pensamentos, convites, denúncias, a menos que tenha certeza de que são verdadeiros e honestos. 




Compartilhe