Ensino remoto será parte do novo normal da educação superior

26 de março de 2021 0 min

Pandemia não é motivo para adiar a formação acadêmica e preparar-se para boas oportunidades profissionais 

Ensino remoto e mais autonomia por parte dos estudantes, para estudar e para aprender. Essas serão as duas principais heranças que a pandemia da Covid-19, que obrigou ao isolamento social, vai deixar para a educação, segundo os especialistas. 
Ou seja, se você está esperando a pandemia acabar para começar uma faculdade, na ilusão de que tudo será como antes, saiba que está perdendo tempo e pode perder o trem da história. 

Para a professora Adriana Karam, pesquisadora e implementadora de inovação em educação, e reitora do Centro Universitário UniOpet, o futuro próximo vai se caracterizar pelo uso estratégico das tecnologias de ensino.   

Já o contato pessoal entre professor e aluno será reservado para atividades que não podem ser realizadas a distância. 

Um ano se passou e a maioria das pessoas aprendeu a se comportar em meio às restrições. Porque é necessário prosseguir, se adaptar e reagir. Também é o momento para tomar atitudes, especialmente em relação ao futuro profissional e a formação acadêmica, que vão garantir o sustento e a capacidade de investir em projetos pessoais. 

Tudo isso passa por investir na qualificação e no aprimoramento das competências. 

Quer crescer profissionalmente? Estude, aprimore suas habilidades, adquira conhecimentos. Num mercado de trabalho em transformação, como consequência da pandemia, os profissionais mais valorizados serão os que tiverem mais preparo, capacidade de adaptação e resiliência. 

Ter um curso superior é um pré-requisito fundamental para quem quer crescer e um diferencial importante no mercado de trabalho. 

Nos países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne algumas das nações mais ricas do mundo, um trabalhador com curso superior ganha em média 40% mais que um trabalhador com ensino médio. No Brasil, o trabalhador com curso superior ganha, em média, mais do que o dobro (140%) de quem só cursou o ensino médio. 

O distanciamento social não é impeditivo para estudar nem trabalhar. Nesse período de pandemia, com a impossibilidade de aulas presenciais, as instituições de ensino desenvolveram estratégias online para manter o calendário de aulas em formato síncrono - ou seja, com alunos e professores ao vivo, comunicando-se por plataformas que permitem interação.  

Cursar uma faculdade é plenamente possível e necessário. Muita gente vem descobrindo que esse é o melhor antídoto para evitar o desemprego e aumentar a remuneração.  

E a hora é agora. 

Se o novo normal exige novas competências, é hora de investir em aprimorar suas qualidades e habilidades. 





 
 

Compartilhe