Edgar dos Santos, um trabalhador que inspira o Grupo Opet

03 de maio de 2021 0 min

Conheço o senhor Edgar dos Santos há pelo menos 20 anos. Nesse período, ele foi o responsável por fornecer e reformar todas as carteiras, cadeiras e demais móveis das salas de aula e escritórios do Grupo Educacional Opet. Muito mais do que um fornecedor competente, habilidoso e pontual, ele tem sido um amigo, um parceiro de primeira. 

E não tenho receio de dizer que é também um exemplo. Aos 86 anos e em plena pandemia ele ainda vem nos visitar, para conversar e prospectar trabalho, o que me faz reverenciar sua disposição e vivacidade. 

Eu o vejo como um modelo de como o trabalho faz com que as pessoas fiquem vivas, existam plenamente, não apenas sobrevivam e se sustentem. Conversar com o senhor Edgar me leva a celebrar essa opção do Grupo Educacional Opet de preparar as pessoas para que elas se realizem pessoal e profissionalmente. 

Quando fundou o grupo há 40 anos, o professor José Antônio Karam, meu saudoso pai, definiu esse propósito de forma visionária. Ele enxergou o que fazer e como fazer para que várias gerações de estudantes vissem o trabalho como uma atividade que faz o talento se configurar em entregas. Entregas para si próprio, para a família e para a sociedade. 

Persistir nesse propósito é o pedacinho da nossa contribuição para o todo, para que o mundo funcione melhor. 

É o trabalho, segundo me conta o próprio senhor Edgar, que faz com que ele se mantenha saudável e com “cabeça de 30”, como gosta de dizer. Empresário desde jovem, firmou seu nome com a Metalúrgica São Cristóvão e depois com a Formetal.  

Incorporou áreas de marcenaria e de estofaria às empresas para entregar dezenas de milhares de cadeiras e carteiras de metal a colégios e universidades de todo o país. Mas mesmo quando a produção ganhou escala, nunca deixou de lado o atendimento personalizado, a conversa atenta no corredor, o cafezinho na cantina.  

Sempre bom de papo, ele conta orgulhoso sobre os quatro filhos, os oito netos e os dois bisnetos - esses “nascidos na França”. Fala do amor pela música e de suas cantorias com grupos de seresteiros, sempre bem aplaudido onde se apresentou.  

E não deixa cair a peteca nem quando fala da maior tristeza que vive, junto com a esposa Doroti: a perda para a Covid do único filho homem, com apenas 34 anos, no ano passado. “Eu nunca fiquei internado na vida. Tive Covid fraquinha e me curei. Mas a doença em dez dias levou meu filho querido, uma luz nas nossas vidas”, conta ele.  

É também para superar essa dor que o senhor Edgar busca mais trabalho, embora não precise mais dele para sobreviver.   

Eu agradeço por sua história exemplar e por sua generosidade, senhor Edgar. E me inspiro no senhor, na sua coragem, na sua trajetória, para saudar a todos os trabalhadores e renovar nosso compromisso de oferecer sempre a mais humana e mais competente formação profissional para os nossos alunos. Estejam eles ocupando fisicamente as carteiras que o senhor fabricou para nós ou em contato remoto, na proteção de suas casas. Esse é o nosso trabalho, e ele é maravilhoso!  





Adriana Karam é presidente do Grupo Opet e reitora do Centro Universitário UniOpet, além de pesquisadora e implementadora de inovação na educação. É também investidora-anjo, integrando o WIM Angels e o Curitiba Angels 

 
 

Compartilhe