A digitalização do emprego: o que é isso?

29 de dezembro de 2021 0 min

Com 72% do mercado digitalizado, cresce procura por mão de obra especializada na área

Para 2022, o diretor de marketing do site Empregos, Leonardo Casartelli, considera que o cenário pós-pandemia da Covid-19 será marcado pela digitalização dos empregos. De acordo com pesquisa feita pelo site, a disseminação da doença no país acelerou a transformação digital em 72% das empresas.

Para se encaixar dentro do contexto de crise sanitária, mas também econômica, os perfis digitais se revelaram os mais resistentes. E é aí que quem estuda ou trabalha com tecnologia estará à frente numa disputa por uma vaga de emprego.

A ideia de digitalização do emprego começou a ganhar impulso durante a primeira década do século XXI, um conceito que se referia a mudar a forma de trabalhar que se apoiava em uma então incipiente revolução tecnológica.

Atualmente, conceitos como inteligência artificial, Internet das Coisas (IoT), big data, machine learning, blockchain ou 5G, por exemplo, são uma realidade e obrigam as empresas e trabalhadores a se adaptarem para sobreviver, definição conhecida como darwinismo digital.

Com toda esta revolução, nem o posto de trabalho, em particular no que se refere a processos e operações, nem a cultura empresarial são os mesmos de apenas uma década atrás.

A robotização, a automatização, a virtualização, a conectividade e, especialmente, a confluência de todas essas tecnologias disruptivas, fizeram com que o mercado de trabalho adquirisse uma complexidade inédita.

Consequentemente, as empresas procuram cada vez mais profissionais com as competências digitais necessárias não só para não ficarem para trás, mas também para competirem com vantagem nesse novo mundo digital.

Nesse contexto, onde presente e futuro estão unidos, conseguir formação específica em matéria digital — programação, cibersegurança, análise de dados, entre outros —, por exemplo, através de nanodegrees, se converteu em um valor agregado para ter um posto de trabalho bem remunerado.

Durante a última edição do Fórum de Davos, especialistas de todo o mundo deixaram claro que praticamente qualquer trabalho exigirá em muito pouco tempo habilidades como desenvolvimento Web ou design gráfico.

Os profissionais do futuro

Na nova realidade descrita, as empresas começaram a procurar perfis digitais para suprir seu déficit tecnológico. De acordo com um ranking publicado pela prestigiada revista tecnológica norte-americana CIO, os cinco mais procurados atualmente são:

Engenheiro de Inteligência Artificial (IA)
A presença da inteligência artificial não deixará de aumentar nos próximos anos, tanto nos negócios quanto no dia a dia dos consumidores. Por isso, as empresas estão em busca de trabalhadores qualificados para satisfazer a demanda de produtos e serviços habilitados pela IA. Os candidatos devem ter experiência em machine learning, análise de dados ou processamento de linguagem natural para sua integração na IA.

Analista de Business Intelligence (BI)
As empresas estão passando da coleta à compreensão dos dados e pedem um perfil que cumpra tal função. Portanto, são responsáveis por analisar os dados compilados por uma empresa com a finalidade de dar suporte na tomada de decisão, além de desenvolverem novas soluções. Os analistas de BI precisam ter experiência em tecnologia de bases de dados, em ferramentas de análise e em geração de relatórios.

Engenheiro em Cloud Computing
O trabalho desse perfil é supervisionar a estratégia de cloud computing de uma empresa e implementar, administrar e dar suporte aos aplicativos na nuvem. Assim, suas funções abrangem tudo aquilo que esteja relacionado a servidores, plataformas de armazenamento, conectividade e software. Para tal, costumam ter uma sólida compreensão de vários sistemas operacionais, além de habilidades em redes, programação e segurança.

Especialista em Data
Os especialistas em Data são muito requisitados, pois as empresas estão armazenando mais dados do que nunca. Dessa forma, seu trabalho consiste em classificar e analisar dados, tanto estruturados quanto desestruturados, compilados. Além de um curso superior em informática, valoriza-se também a experiência em análise de dados e em programação. Também é fundamental que estejam altamente capacitados para fazer uso de dados valiosos sem colocar em risco a empresa.

Desenvolvedor Web
Os desenvolvedores Web são responsáveis pelo design, desenvolvimento, instalação, teste e manutenção dos sistemas de software. O trabalho exige codificar, conceber e construir sites ou aplicativos móveis trabalhando com várias linguagens de programação (C #, C ++, HTML, Java, Microsoft .NET e SQL Server). Além disso, devem compreender os requisitos do cliente e oferecer recomendações para melhorar o site e satisfazer as necessidades do usuário.

Mais profissões digitais com futuro

Antigamente se achava que a digitalização “roubaria” postos de trabalho. Mas ao contrário do que se pensava, a digitalização criará milhares de postos de trabalho associados a dezenas de novos perfis. A maioria das empresas especializadas em recursos humanos — inclusive o próprio LinkedIn, a rede social pensada para negócios e emprego —, coincidem em indicar as seguintes profissões com futuro:

●     Chief Digital Officer

●     Especialista SEO/SEM

●     Traffic Manager

●     Copywriter

●     Digital Account Manager

●     Web designer

●     CRM Manager

●     Designer UX/UI

●     Social Media Manager

●     Growth Hacker

●     Bioinformático

Quer ser um profissional do futuro? Inscreva-se nos cursos presenciais, semi presenciais e EAD do UniOpet e fique preparado! Inscrições aqui.