Carta de recomendação: um documento essencial para conseguir a vaga dos sonhos

01 de outubro de 2020 0 min

Seja uma boa pessoa por todos lugares que você passar profissionalmente e consiga sempre que seus colegas e gestores lhe recomendem a oportunidades futuras 

Reflita: se você for contratar uma pessoa para uma vaga que exija muita confiança, como, por exemplo, te auxiliar a cuidar de seus filhos ou irmãos. Uma recomendação para esse profissional parece essencial, não é?

Como se essa pessoa recomendando estivesse avalizando o currículo apresentado. Por essas, e tantas outras, que ter uma boa carta de recomendação pode aumentar e muito suas chances na procura de um emprego dos sonhos. Mas vai além, até porque muitas empresas pedem uma carta de recomendação tanto quando você se candidata à vaga quanto ao chegar para a entrevista. 

Nesse sentido, manter um bom networking em todos os seus antigos postos de trabalho, seja CLT ou como autônomo, faz toda a diferença. Mas não é só ao procurar uma boa vaga que você poderá precisar desse documento valioso. veja só:   

Como conseguir uma boa carta de recomendação?   

As cartas de recomendação profissional funcionam como um atestado de suas qualidades no trabalho ou acadêmicas ou, mesmo, como um relato de como você é no dia a dia da empresa. Mas como conseguir uma carta dessas? A resposta parece bem boba, mas é real: comece sendo um bom funcionário, exercendo suas funções de forma responsável, sendo pontual. 

Assim quando precisar de um documento assim, o seu antigo empregador não precisará “mentir” ou omitir qualquer informação. Não é?!  No entanto, tem outras coisas que eles podem escrever. Podem indicar habilidade com uso de ferramentas específicas e conhecimentos técnicos e, também, citar soft skills, que são, cada vez mais, um diferencial no mercado de trabalho. 

O networking, você viu, é fundamental em um plano de carreira e, também, para bons contatos. Por isso, cuide bem das relações no ambiente de trabalho e durante as funções como autônomo. Cultivar bons relacionamentos fará toda a diferença para conseguir sua carta.  

Mas você sabia que não é só um gestor que pode lhe atestar bom trabalho? Quem pode lhe recomendar?   

- colegas, gerentes, supervisores ou RH de seu antigo trabalho; 

- pessoas para quem você prestou serviço como autônomo; 

- professores, tanto de faculdade quanto de pós-graduação.  

Vale lembrar que há diferenças entre carta de recomendação e apresentação. Como você viu, a de recomendação deve ser feita por terceiros. 

Já a segunda opção é escrita por você mesmo e na primeira pessoa, falando um pouco de sua bagagem profissional, personalidade, estudos e demais experiências que possam trazer diferenciais.  

Conheça alguns modelos de cartas 

Existem diferentes tipos de cartas de recomendação, que vão variar de acordo com as solicitações. A seguir, nós trazemos os principais e o que eles devem conter.  

Genérica:

É uma ótima opção quando não há grandes especificações no pedido da carta. Assim, vale a pena incluir os motivos da recomendação, o período em que você trabalhou com essa pessoa (ou prestou serviços a ela). Além disso, é importante indicar o cargo dessa pessoa e um contato, telefone ou e-mail, caso o futuro empregador queira saber mais.  

Acadêmica:

Se fez graduação e quer buscar uma especialização, muitas instituições podem pedir a carta acadêmica, que mostra um pouco de como você era como estudante. É interessante solicitar a algum professor ou mesmo ao coordenador de seu curso. Lembre-se de pedir para acrescentar o período em que você conviveu com essa pessoa.  

Profissional:

Um perfil mais detalhado do seu dia a dia no antigo emprego, como você agia no trabalho em equipe, se era proativo etc. Ela pode ser feita por um supervisor ou por alguém da sua equipe.  

De colega de trabalho:

Esta carta de recomendação segue a linha da anterior e também pode demonstrar um lado mais humano seu, uma vez que será redigida por uma pessoa com quem você teve bastante contato.  

Quando solicitar uma carta assim 

Ela deve ser usada para confirmar sua experiência no trabalho. Profissões ligadas à saúde pedem muito esse documento, que também é solicitado por inúmeras companhias durante seus processos seletivos. 

Para os recrutadores, a carta de recomendação também traz mais segurança na contratação. É mais ou menos como as recomendações que os colegas escrevem no seu perfil do LinkedIn — elas chamam a atenção e validam suas qualidades.  

Você nem sempre vai precisar de uma carta, mas pode, mesmo assim, para se garantir, solicitar aos ex-empregadores, gerentes ou colegas que redijam uma para você. Afinal, quando são exigidas, não ter uma carta de recomendação vai dificultar a conquista da vaga de emprego. 




 


Por


Comentários