Brainstorming: como criar uma tempestade de grandes ideias?

24 de novembro de 2020 0 min

Se reunir em equipe na universidade ou no trabalho sempre pode gerar grandes ideias para projetos, artigos e novos produtos. Aprenda as técnicas de um brainstorming ultra produtivo  

Se você for traduzir BRAISNTORM literalmente, verá que significa em português: tempestade de ideias. Desta forma fica bem claro para a gente que esta técnica de se reunir em equipe para falar sobre ideias, criações e deixar fluir a conversa sem grandes filtros funciona e muito bem! 

Mas, você sabia que essa forma de pensar em novidades e projetos é uma técnica real-oficial criada em 1942 para que fosse utilizada como uma ferramenta de inovação, solução de conflitos e problemas?  Mas, ao contrário do que você aí possa achar, o Brainstorming não deve ser realizado como um bate-papo, no qual as ideias simplesmente são jogadas na mesa e fim. 

É importante criar um ambiente propício para que todos possam contribuir da melhor forma possível. Ah, e também é essencial que seja sempre mediado por alguém que coordenará o processo e as etapas da conversa.   

Quais as fases do Brainstorming?   

Fase 1

Planejamento da metodologia PDCA - Análise do Processo e Plano de Ação.  

Nesta fase é possível determinar as causas que agem sobre o problema e também contra-atacar esses problemas com a criação de planos de ação. A fase de Planejamento do PDCA também abrange o  

Fase 2

Estabelecimento da Meta/Identificação do Problema e Análise do Fenômeno.  

Neste momento é a hora de focar numa análise mais aprofundada do problema/meta e sua própria identificação.  

Como Fazer Brainstorming do início ao fim  

  1. Escolha um coordenador para gerenciar a conversa. Ele deve ser uma pessoa com experiência sobre o assunto tratado e deve focar na explicação detalhada de cada etapa. Assim, garantindo que elas fiquem claras aos colaboradores, para que não exista nenhuma precipitação ou desordem. O coordenador também deve garantir com que o ambiente seja adequado para que nenhuma contribuição seja ridicularizada, prezando pela liberdade de expressão e participação dos colaboradores. Seu papel é de ser um facilitador e criador de um ambiente confortável para todos. 
  2. O coordenador explica o problema e qual a meta daquele encontro aos participantes Desta maneira todas as informações disponíveis são divulgadas didaticamente.  
  3. Determinação das causas - o coordenador explica quais as causas que causaram o problema a ser solucionado ou o porque da necessidade de criação de algum novo projeto, etc. Cada um dos participantes, de forma bem ordeira, poderá falar neste momento sobre sua visão da situação. O coordenador aqui pode servir como um “provocador”, que fará com que a equipe reflita e opine. O Coordenador deve induzir os colaboradores a refletirem sobre essas possíveis causas, trocando informações sobre elas e esclarecendo dúvidas sobre sua importância.  
  4. Hierarquização das causas - após todos falarem sobre as causas é hora de refletir um pouco mais profundamente sobre cada uma delas. Nessa etapa, é possível usar o método dos 5 Porquês para aprofundar e encontrar a raiz dos problemas citados. (você identifica o problema e pergunta 5 vezes o por que dele ter surgido até que chegue a uma conclusão plausível).   
  5. Criação do plano de ação - já sabemos o problema, as causas e já temos uma meta estabelecida. Agora é hora de arregaçar as mangas e pensar: como vamos atacar o problema? Como vamos agir frente a esta situação? De forma ordeira todos poderão dar ideias e falar livremente e SEM JULGAMENTOS sobe como pensam ser o método correto. Mas atenção: se houver uma grande variação nas sugestões de ações, pode ser um sintoma de que as causas ainda não foram bem determinadas, portanto, é preciso voltar à etapa anterior. Se isso não acontecer, é sinal de que o Brainstorming está sendo bem-sucedido e que é preciso hierarquizar também essas contramedidas.  

Muito importante: essas reuniões de Brainstorming não devem ultrapassar 1 hora de duração para que não fique cansativo e não disperse os participantes. É comprovado que ultrapassado esse tempo a efetividade do evento cai bastante. Se não for possível encurtar as reuniões, é aconselhado dividir o desenvolvimento das etapas em mais encontros, se necessário. 

Esse pequeno roteiro que exemplificamos aqui está longe de ser obrigatório. Mas uma coisa é certa, ele facilita bastante o processo e mantém o objetivo sempre vivo.



Compartilhe