Anitta: a hora da poderosa

17 de agosto de 2021 0 min

Celebridades ajudam empresas a renovarem suas marcas e a imagem no mercado


O que a cantora Anitta tem em comum com sua xará Anita Sands, professora da universidade americana de Princeton e ex-diretora de operações do banco suíço UBS. E teria algo a ver com Jacqueline Reses, ex-presidente da fintech Square e atual presidente do Conselho Consultivo Econômico do FED, o banco central norte-americano? 

A pergunta pode soar estranha e fora de propósito. Mas na verdade as três têm, sim, algo em comum, além de serem mulheres. 

Elas integram o conselho de administração do Nubank. Mais do que isso, a contratação da mais celebrada artista brasileira da atualidade, demonstra como as corporações têm investido cada vez mais nos jovens e em perfis nada ortodoxos.

De olho no mercado latino, em particular o do México e Colômbia, países em que a cantora é popular, a startup investiu na artista como forma de renovação de sua imagem. Vinda da periferia carioca, nascida e criada em Honório Gurgel, Anitta é exemplo de empreendedorismo. Estudou administração, é fluente em inglês e espanhol e é reconhecida no mercado por administrar a sua própria carreira, assim como a de outros artistas.

O Nubank declarou que escolheu a artista justamente por sua trajetória. Como conhecedora das dificuldades encontradas pelos trabalhadores de menor poder aquisitivo, assim como as altas taxas cobradas pelos bancos físicos, a artista diz que “é muito chato e constrangedor não ter acesso a produtos financeiros'', lembrando os altos índices de empregos informais na América Latina. 

“Como essas pessoas vão ter histórico de crédito? Fiquei impressionada ao ver o trabalho do Nubank de fazer com que milhões de  pessoas se sintam incluídas, podendo ter uma vida financeira melhor”, comentou Anitta.

Como membro do conselho, Anitta ajudará a desenvolver produtos e comunicações focadas em empoderar as pessoas. E participará de reuniões trimestrais com o conselho do banco.

Assim como o Nubank, existe hoje no mercado uma preocupação em renovar a imagem corporativa. Empresas como a Nike, Havaianas e Azaléia, por exemplo, já usaram a mesma estratégia. Mas afinal, o que este tipo de marketing agrega a uma empresa? 

Como usar tais estratégias? Confira alguns aspectos: 

Confiabilidade
De acordo com especialistas, quando o consumidor relaciona a imagem do produto com a do artista, é mais fácil que ele efetue a compra. Além de emprestar sua imagem a um produto, as celebridades que atuam na comunicação de marcas podem também contribuir com criatividade para chamar ainda mais a atenção do público. Além disso, o artista tem que ter uma ficha limpa. Nada de escândalos e comportamentos condenáveis.

Posicionamento
A contratação de determinado artista tem que estar alinhada com o posicionamento da empresa. Além disso, a marca deve estar ancorada em um posicionamento claro, com seu público-alvo e sua categoria de atuação bem definidos.

Falem mal, mas falem de mim
O velho ditado não funciona aqui. Quando um gestor decide investir em uma celebridade, ele também busca aumentar a exposição de sua marca, mas este não pode ser o único critério de decisão. A marca deve ser considerada uma opção de compra, mas deve ser lembrada com significados positivos e, acima de tudo, relevantes para seu público-alvo. Uma má escolha pode comprometer todo um trabalho de construção de marca.

Brand Equity
Uma marca com um Brand Equity forte leva uma grande vantagem em relação aos seus concorrentes, pois consegue estabelecer vínculos mais fortes com o público, gerando preferência de compra e lealdade. Quando uma marca conhece e planeja seu Brand Equity, ela tem clareza de quais significados deve construir. Com isso, a escolha da celebridade torna-se mais simples, e o uso desta estratégia pode ajudar a acelerar o processo.

Retorno
Atrelar a imagem da empresa a alguém conhecido, admirado e respeitado em seu meio de atuação, é segurança de retorno.

Também considere:

Usar especialistas no assunto:  Associe o artista escolhido ao seu produto. Por exemplo: se for um produto automotivo, usar um piloto de corrida campeão.

Avalie a personalidade:  Ao decidir pelo uso de fulano ou ciclano, é importante avaliar se sua personalidade combina ou não com aquela que deve ser construída para a sua marca.

Sem superexposição: Evite celebridades manjadas! Apesar de tentador, quanto maior o número de marcas oferecidas por aquele artista, maior a chance da sua marca não conseguir a associação que deseja. Optar por nomes menos óbvios pode garantir um ar de exclusividade.

Pesquise: Se estudar o comportamento do público, planejar e medir a construção do Brand Equity é fundamental para a construção de valor para a marca, com a escolha da celebridade, não é diferente. Teste previamente a aceitação do público. Aí pode estar a chave do sucesso. Além de otimizar recursos e evitar rejeições e transtornos.

 


ACESSE NOSSO SITE


Compartilhe